QUALIDADE DE VIDA E AMBIENTE EM MULHERES IDOSAS

Autores

  • Eneida Maria Troller Conte
  • Adair da Silva Lopes

Palavras-chave:

Qualidade de vida, Atividade física, Ambiente, Mulheres idosas.

Resumo


O estudo objetivou analisar indicadores da qualidade de vida no domínio ambiental, e associá-los ao nível de atividade física habitual de mulheres idosas participantes dos Grupos de Convivência de Idosos do Município de Marechal Cândido Rondon, PR. A amostra constituiu-se de 320 mulheres com idade igual ou superior a 60 anos. A seleção da amostra foi realizada dentre as mulheres dos grupos, que voluntariamente aceitaram participar. Para a coleta de dados utilizou-se uma entrevista estruturada contendo 3 (três) partes: (1) aspectos sócio-demográficos e classificação sócio-econômica; (2) indicadores de qualidade de vida  e (3) nível de atividade física. Na análise estatística utilizou-se a distribuição em freqüências e percentuais e o teste de associação de Qui-quadrado, considerando o nível de significância p<0,05. Os resultados demonstraram que 50,0% das mulheres estavam na faixa etária de 60 a 65 anos; 50,3% eram casadas; 78,8% eram de descendência alemã; 79,4% possuíam o ensino fundamental e 79,1% eram de nível socioeconômico C. No domínio ambiental, os subdomínios que se associaram com o NAF – Nível de Atividade Física foram: a satisfação com o acesso aos serviços de saúde, as oportunidades de adquirir informações, as oportunidades de lazer e a satisfação com o meio de transporte. Os resultados demonstraram que 76,5% das mulheres eram ativas ou muito ativas e 23% eram pouco ou insuficientemente ativas. Tanto a avaliação da qualidade de vida quanto a percepção de saúde, foram mais positivas nas mulheres ativas, se apresentando associados ao nível de atividade física habitual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

15.12.2009

Como Citar

CONTE, E. M. T.; LOPES, A. da S. QUALIDADE DE VIDA E AMBIENTE EM MULHERES IDOSAS. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 8, n. 14, p. 27–37, 2009. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/2148. Acesso em: 21 maio. 2022.