Práticas corporais de aventura na natureza na educação infantil: um relato de experiência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p157

Palavras-chave:

Educação Física na Educação Infantil, Educação Ambiental, Práticas Corporais de Aventura na Natureza

Resumo


INTRODUÇÃO: As práticas corporais de aventura na natureza são pouco exploradas nas aulas de Educação Física na Educação Infantil, seja pela lacuna na formação inicial dos professores, por carência de literatura sobre o tema ou infraestrutura adequada nas escolas. OBJETIVO: Apresentar desafios, limites e possibilidades de inserção das práticas corporais de aventura na natureza nas aulas de educação física na educação infantil, em um projeto transversal de Educação Ambiental, mediante uma abordagem lúdica, atraente e significativa. MÉTODOS: A experiência deu-se em 2017, em um Centro Municipal de Educação Infantil, da rede pública, do município de Viana, Espírito Santo, nas aulas de educação física na perspectiva do “se-movimentar”, como parte de projeto transversal de Educação Ambiental. O projeto envolveu 95 alunos, entre 3 e 5 anos, de turmas de maternal II, pré I e pré II. Os dados foram obtidos por meio da observação da professora de Educação Física e registrados com fotos e caderno de campo.RESULTADOS: As experiências desenvolvidas foram enriquecedoras para o aprendizado das crianças, que manifestaram autocontrole, coragem, aumento da autoestima, superação de desafios, elementos essenciais para o desenvolvimento na infância.CONCLUSÃO: O projeto foi exitoso e seu modelo foi adotado por toda a rede de ensino do município, por comprovar que é possível desenvolver um trabalho transversal nas escolas com temas que envolvem a educação física e a educação ambiental.ABSTRACT. Adventure body practices in nature in kindergarden: an experience report.BACKGROUND: The body practices of adventure in nature are few explored in Physical Education classes in Kindgarden, either due to the lack in the initial training of teachers, for few literature about the theme due to the lack of adequate infrastructure in schools.OBJECTIVE: The purpose of this report is to present the challenges, limits and possibilities of insertion of adventure body practices in nature in physical education classes in kindgarden, in a transversal project of Environmental Education, through a playful, attractive and significant approach.METHODS: The narrated experience was carried out in 2017, in a Municipal Center for Kindergarden, attending public schools, in the municipality of Viana, Espírito Santo, Brazil, in physical education classes from the perspective of “moving around” as part of a transversal project of Environmental Education. The total number of students served in the project was 95, between the ages of 3 and 5, from the respective classes of maternal II, pré I and pré II. The reported data were obtained through observation of the Physical Education teacher and recorded by photos and a field notes. RESULTS: As a result, it was found an enriching developed in the experiences for children’s learning who demonstrated self-control, courage, increase self-esteem, overcoming challenges in the classes, those are essential elements for childhood development.CONCLUSION: The experience proved to be successful and became na example that was adopted by the entire attending public city schools for demonstrating that it is possible to develop transversal work in schools based on themes involving Physical Education and Environmental Education.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jéssica Karina Silva Ferreira, Secretaria de Educação de Viana

Licenciada em Educação Física pelo Centro de Educação Física e Desportos da Universidade Federal do Espírito Santo (CEFD/UFES)

Paula Cristina da Costa Silva, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES)

Professora doutora do Centro de Educação Física e Desportos da Universidade Federal do Espírito Santo (CEFD/UFES)

Referências

BENTO, J. O. Planejamento e avaliação em educação física. Lisboa: Livros Horizonte, 1998.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/. Acessado em: 15 de novembro de 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acessado em: 11 de novembro de 2019.

BRASIL. Decreto n° 73.030, de 30 de outubro de 1973. Cria, no âmbito do Ministério do Interior, a Secretaria Especial do Meio Ambiente – SEMA, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 11.024, 30 out. 1973. Seção 1. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1970-1979/decreto-73030-30-outubro-1973-421650-publicacaooriginal-1-pe.html. Acessado em: 11 de novembro de 2019.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a educação infantil. Brasília, DF: MEC, SEB, 2010. Disponível em: https://ndi.ufsc.br/files/2012/02/Diretrizes-Curriculares-para-a-E-I.pdf. Acessado em: 24 de abril de 2020.

BRASIL. Lei n° 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 abr. 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acessado em: 11 de novembro de 2019.

BRASIL. Resolução n° 2, de 15 de junho de 2012. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 70, 18 jun. 2012. Seção 1. Disponível em: http://conferenciainfanto.mec.gov.br/images/conteudo/iv-cnijma/diretrizes.pdf. Acessado em: 11 de novembro de 2019.

EDWARDS, C.; GANDINI, L.; FORMAN, G. (Org.). As cem linguagens da criança: a experiência de Reggio Emilia em transformação. vol. 2. Porto Alegre: Penso, 2016.

JACOBI, P. R. Educação ambiental: o desafio da construção de um pensamento crítico, complexo e reflexivo. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 2, p. 233-50, 2005.

LOBINO, M. G. F. A questão ambiental: uma visão de mundo. In: LOBINO, M. G. F. A práxis ambiental educativa: diálogo entre diferentes saberes. 2. ed. Vitória: Edufes, 2013. p. 63-89.

MARINHO, A. Atividades físicas e esportivas e meio ambiente. Relatório Nacional de Desenvolvimento Humano no Brasil. Brasília, DF: PNUD, 2017. Disponível em: http://movimentoevida.org/wp-content/uploads/2017/09/Atividades-Físicas-e-Esportivas-e-Meio-Ambiente.pdf. Acessado em: 10 de março de 2019.

MOGLI, O menino lobo. Direção: Jon Favreau. Produção: Jon Favreau, Brigham Taylor e Walt Disney Pictures Fairview Entertainment. Estados Unidos: Walt Disney Pictures, 2016. 1 DVD (107min).

PEREIRA, D. W. Aventura na educação infantil, vamos ampliar a BNCC? In: PEREIRA, D. W. (Org.). Pedagogia da aventura na escola: proposições para a Base Nacional Comum Curricular. Jundiaí: Fontoura, 2019. p. 17-26.

PEREIRA, D. W.; ARMBRUST, I. O desenvolvimento humano no contexto escolar: uma perspectiva a partir da aventura. In: PEREIRA, D. W (Org.). Pedagogia da aventura: os esportes radicais, de aventura e de ação na escola. 2. ed. Várzea Paulista: Fontoura, 2017. p. 21-39.

PEREIRA, D. W.; AUGUSTO, A. Uma aventura pelo universo da fantasia infantil. In: PEREIRA, D. W. (Org.). Pedagogia da aventura na escola: proposições para a Base Nacional Comum Curricular. Jundiaí: Fontoura, 2019. p. 27-38.

RITCHER, F. Atividades radicais e de aventura nas aulas de educação física. In: PEREIRA, D. W. (Org.). Atividades de aventura: em busca do conhecimento. Várzea Paulista: Fontoura, 2013. p. 55-66.

SANTOS, G. C. Professores de educação física frente ao desafio dos esportes de aventura. In: PEREIRA, D. W. (Org.). Atividades de aventura: em busca do conhecimento. Várzea Paulista: Fontoura, 2013. p. 67-80.

SANTOS, J. P.; NUNES, R. E. P.; SANTOS, J. R.; REIS, S. P.; MENDES, M. T. Esportes e atividades de aventura como conteúdo das aulas de educação física. Lectures: Educación Física y Deportes, Revista Digital, Buenos Aires, v. 18, n. 190, 2014. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd190/atividades-de-aventura-como-conteudo-das-aulas.htm. Acessado em: 28 de abril de 2020.

SOLER, R. Educação física escolar. Rio de Janeiro: Sprint, 2003.

SURDI, A. C.; MELO, J. P.; KUNZ, E. O brincar e o se-movimentar nas aulas de educação física infantil: realidades e possibilidades. Movimento, Porto Alegre, v. 22, n. 2, p. 459-70, 2016.

TAHARA, A. K.; DARIDO, S. C. Práticas corporais de aventura em aulas de educação física na escola. Conexões, Campinas, v. 14, n. 2, p. 113-36, 2016.

Downloads

Publicado

14-12-2020

Como Citar

FERREIRA, J. K. S.; DA COSTA SILVA, P. C. Práticas corporais de aventura na natureza na educação infantil: um relato de experiência. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 18, n. 3, p. 157–164, 2020. DOI: 10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p157. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/23628. Acesso em: 29 nov. 2021.

Edição

Seção

Relato de Experiência