Autoestima em praticantes de esportes de aventura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p57

Palavras-chave:

Autoestima, Esportes de Aventura, Psicologia do Esporte, Aspectos Psicológicos, Natureza.

Resumo


INTRODUÇÃO: Tendo em vista a atual ascensão dos esportes de aventura e dos diversos parâmetros psicológicos relacionados à essas práticas, faz-se necessário estudar como esses esportes, e seu risco inerente, são capazes de despertar distintas sensações e de que maneira isso pode influenciar a autoestima de seus praticantes. OBJETIVO: Esse estudo teve o objetivo de avaliar os índices de autoestima em praticantes de rafting, kayak, montanhismo e paraquedismo, avaliando os índices e analisando as correlações entre os grupos. METODOS: Para isso, foram analisados os perfis de 73 praticantes de esportes de aventura (rafting, kayak, montanhismo e paraquedismo), utilizando-se como instrumento a Escala de Autoestima de Rosenberg, na versão adaptada por Hutz. O teste estatístico adotado foi o Kruskal-Wallis, a normalidade dos dados foi testada através do teste de Shapiro Wilk e todas as análises foram realizadas no programa Statistical Package for the Social Sciences. RESULTADOS: Foi possível constatar elevados índices de autoestima em todos os participantes avaliados, em especial nos paraquedistas, sugerindo que os esportes de aventura são capazes de influenciar no bem-estar psicológico e a saúde mental de seus praticantes. CONCLUSÃO: Com os dados obtidos, concluímos que este estudo traz o fortalecimento do bem-estar psicológico por meio da prática dos esportes de aventura, contribuindo para melhor autoestima e maior entendimento dos aspectos relacionados aos praticantes destas modalidades, ainda pouco estudados cientificamente.ABSTRACT. Self-esteem in practitioners of adventure sports.BACKGROUND: In view of the current rise of adventure sports and the various psychological parameters related to these practices, it is necessary to study how these sports, and their inherent risk, are capable of awakening different sensations and how this could affect the self-esteem of its practitioners. OBJECTIVE: This study aimed to evaluate the self-esteem indices in rafting, kayak, mountaineering and skydiving practitioners, evaluating the indexes, and analysing the correlations between the groups. METHODS: For this, the profiles of 73 practitioners of adventure sports (rafting, kayak, mountaineering and skydiving) were analyzed using as an instrument the Rosenberg Self-Esteem Scale, in the version adapted by Hutz. The statistical test adopted was the Kruskal-Wallis, the normality of the data was tested using the Shapiro Wilk test, and all analyzes were performed using the Statistical Package for the Social Sciences program.RESULTS: It was possible to verify the high self-esteem indices in all evaluated groups, especially skydivers, suggesting that adventure sports are capable of influencing the psychological well-being and mental health of their practitioners. CONCLUSION: With these data, we can conclude that this study raises the question of psychological well-being through the practice of adventure sports, contributing to a better self-esteem and understanding of the aspects related to this portion of the population, which is still little studied.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosane Camila de Godoi, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Tecnóloga em Turismo, formou-se em bacharelado em Educação Física pela UNICAMP (2018). Ademais tem cursos específicos na área da saúde, reabilitação e treinamento. Participa ativamente no Grupo de Estudos em Psicologia do Esporte e Neurociências (GEPEN). Fez parte do Programa de Apoio Didático na disciplina de Bioquímica, ministrada pelo Profº Daniel Martins de Souza, no Instituto de Biologia, em 2015. No mesmo ano, foi bolsista do Prof. Dr. Edivaldo Gois Jr. auxiliando-o na área de pesquisa sobre Higienismo e Educação Física. Atuou em projetos, patrocínio e marketing da empresa Júnior da Faculdade de Educação Física, a Tempo Lúdico (atual FEF-Júnior), em 2014. Em 2016 foi estagiária da Prof. Dra. Paula Teixeira Fernandes, coordenadora da Graduação da Faculdade de Educação Física da UNICAMP. Em 2017 participou do projeto sobre o Amadorismo no Futebol, do Profº Sérgio Settani Giglio. Em 2018 foi bolsista do Laboratório MARGEM do departamento de Educação Física e Humanidades. Em 2019, no primeiro semestre, participou do Programa de Apoio Didático, na disciplina de Lazer e Sociedade orientada pela Profa. Dra. Silvia Franco do Amaral, do Departamento de Humanidades da FEF. Atualmente, participa do Programa de Apoio Didático, dessa vez na disciplina de Estudos Psicológicos do Esporte, orientada pela Profa. Dra. Paula Fernandes do Departamento de Biodinâmica do Movimento e cursa Licenciatura em Educação Física (UNICAMP).

Hélio Mamoru Yoshida, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Doutorando em Educação Física na Faculdade de Educação Física (FEF) - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Mestre em Educação Física - FEF/UNICAMP. Possui licenciatura (2017) e bacharelado (2012) pela Faculdade de Educação Física - UNICAMP. Membro do Grupo de Estudos em Psicologia do Esporte e Neurociências (GEPEN). Desenvolve projetos relacionados com Esporte e Aspectos Psicológicos, Neurociências e Psicologia do Esporte, além de projetos relacionados à Psicologia do Esporte e sua Interface com Doenças. É Educador em Atividades Físicoesportivas do Serviço Social do Comércio - SESC - SP.

Paula Teixeira Fernandes, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Psicóloga formada em 1997 pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Tem Mestrado e Doutorado em Ciências Médicas - Neurociências, pela Faculdade de Ciências Médicas (FCM) - UNICAMP. Fez Pós-doutorado pela FCM-UNICAMP (Neurociências), em parceria com a University of South Carolina (EUA) na área de neuroimagem e reabilitação. Mais recente, fez estágio de Pós-doutorado na Universidade do Porto (Portugal) na área de envelhecimento e Psicologia do Esporte, em parceria com a FCM-UNICAMP. Professora Livre Docente do Departamento de Ciências do Esporte da Faculdade de Educação Física (FEF) da UNICAMP, na área de Psicologia do Esporte e Neurociências (graduação e pós-graduação). É também Professora e Membro Titular da Comissão de Pós-Graduação do Programa de Gerontologia da Faculdade de Ciências Médicas - FCM/UNICAMP. Coordena o Grupo de Estudos em Psicologia do Esporte e Neurociências (GEPEN). Trabalha com Psicologia do Esporte, Psicologia do Comportamento e Neurociências, atuando principalmente nas áreas relacionadas à: avaliação psicológica e cognitiva, qualidade de vida, depressão, ansiedade e neurociências. Atua também em parceria com a FCM UNICAMP nas seguintes áreas: Neurologia (Doença de Alzheimer e Comprometimento Cognitivo Leve, Epilepsia e AVC) e em doenças reumáticas, ressaltando a relação destas doenças com a atividade física. Atualmente, está como Coordenadora da Graduação da FEF/UNICAMP.

Referências

ALVES, M. P.; FONSECA, M. da C. V.; MARTINS, C. Educação física escolar, a prática de esportes de aventura e a noção de risco calculado. Linguagens, Educação e Sociedade, Teresina, v. 23, n. 38, p. 383-425, 2018.

BUCKLEY, R. C. Aging adventure athletes assess achievements and alter aspirations to maintain self-esteem. Frontiers in Psychology, Lausanne, v. 9, Article 225, p. 1-12, 2018.

BUCKLEY, R. C. Analysing adventure: a leisure lifepsychle? Annals of Leisure Research, Sydney, v. 21, n. 5, p. 533-8, 2018.

BUCKLEY, R. C. To analyze thrill, define extreme sports. Frontiers in Psychology, Lausanne, v. 9, Article 1216, p. 1-11, 2018.

BURR, J. F.; MONTELPARE, W. J.; SHEPHARD, R. J. Do adventure sports have a role in health promotion? Need for objective evidence for a risk-benefit analysis. Canadian Family Physician, Mississauga, v. 59, p. 1311-13, 2013.

GALOR, Y.; TENENBAUM, G.; FURST, D. Effect of self-control and anxiety on training performance in young and novice parachuters. Perceptual and Motor Skills, Netanya, v. 60, p. 743-6, 1985.

GIBBONS, S.; EBBECK, V.; GRUNO, J.; BATTEY, G. Impact of adventure-based approaches on the self- conceptions of middle school physical education students. Journal of Experiential Education, St. Petersburg, v. 41, n. 2, p. 220-32, 2018.

GUSTAFSSON, H.; MARTINENT, G.; GAUTHEUR, S. I.; HASSMÉN, P.; DESCAS, E. G. Performance based self-esteem and athlete-identity in athlete burnout: a person-centered approach. Psychology of Sport & Exercise, Amsterdam, v. 38, p. 56-60, 2018.

HUTZ, C. S.; ZANON, C. Revisão da adaptação, validação e normatização da escala de autoestima de Rosenberg. Avaliação Psicológica, Porto Alegre, v. 10, n. 1. p. 41-9, 2011.

LAVOURA, T. N.; SCHWARTZ, G. M.; MACHADO, A. A. Aspectos emocionais da prática de atividades de aventura na natureza: a (re)educação dos sentidos. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 119-27, 2008.

MORENO MURCIA, J. A.; LÓPEZ DE SAN ROMÁN BLANCO, M.; MARTÍNEZ GALINDO, C.; VILLODRE, N. A.; GONZÁLEZ-CUTRE COLL, D. Efeitos do gênero, a idade e a frequência de prática na motivação e o desfrute do exercício físico. Fitness & Performance Journal, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 140-6, 2007.

MOURÃO, L. Representação social da mulher brasileira nas atividades físico-desportivas: da segregação à democratização. Movimento, Porto Alegre, v. 12, n. 13, p. 5-18, 2000.

NUNES, M. R. M.; MONTIBELLER, C.; OLIVEIRA, K.; ARRACABA, R. C. B.; THEISS, S. M. M. B. Autoestima e saúde mental: Relato de experiência de um projeto de extensão. Psicologia Argumento, Curitiba, v. 31, n. 73, p. 283-9, 2013.

PEREIRA, D. W.; ARMBRUST, I.; RICARDO, D. P. Esportes radicais, de aventura e ação: conceitos, classificações e características. Corpoconsciência, Santo André, v. 12, n. 1, p. 18-34, 2008.

PIOVANI, V. G. S. Atividades de aventura: prática para um tempo livre para o consumo ou para um tempo livre mais humano? Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 11, n. 2, p. 61-7, 2013.

SONSTOEM, R. J.; MORGAN, W. P. Exercise and self-esteem: rationale and model. Medicine and Science in Sports and Exercise, Indianapolis, v. 21, n. 3, p. 329-37, 1989.

STENSENG, F.; DALSKAU, L. H. Passion, self-esteem, and the role of comparative performance evaluation. Journal of Sport & Exercise Psychology, Champaign, v. 32, p. 881-94, 2010.

WOODMAN, T.; MacGREGOR, A. L.; HARDY, L. Risk can be good for self-esteem: beyond self-determination theory. Jornal of Risk Research, London, v. 23, n. 4, p. 411-23, 2020.

Downloads

Publicado

09-11-2020

Como Citar

DE GODOI, R. C.; YOSHIDA, H. M.; TEIXEIRA FERNANDES, P. Autoestima em praticantes de esportes de aventura. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 18, n. 3, p. 57–62, 2020. DOI: 10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p57. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/23629. Acesso em: 29 nov. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)