Definições oficiais para esportes de aventura e esportes radicais no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p29

Palavras-chave:

educação física, esporte, lazer, meio ambiente, práticas de aventura

Resumo


INTRODUÇÃO: De estudos monográficos sobre os detalhes da rotina de adeptos de práticas aventura que ganhavam visibilidade nas décadas de 1970 e 1980, passando pelo debate terminológico para a adoção de uma expressão que as congregasse na década de 1990; mais recentemente observam-se estudos comparativos entre modalidades e com foco em diferentes marcadores sociais da diferença, que problematizam a desigualdade nas condições de acesso e prática, e suas diferentes dimensões políticas. No Brasil, neste ínterim, uma Comissão de Esporte de Aventura do extinto Ministério do Esporte foi criada, embora não tenha logrado articulação para manter as atividades por mais de um ano.OBJETIVO: Este artigo tem como objetivo analisar a constituição e supressão das ações da Comissão de Esportes de Aventura do Ministério do Esporte, em especial a elaboração das definições oficiais para esportes de aventura e esportes radicais. MÉTODOS: Análise documental das fontes acerca da elaboração das primeiras políticas públicas brasileiras para práticas de aventura encontradas especialmente no Diário Oficial da União e websites oficiais de entidades membros da Comissão, tais como Conselho Nacional de Educação Física e Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte e entrevistas em profundidade com agentes do campo.RESULTADOS: Devido a desacordo de algumas instituições de administração esportiva com os órgãos de turismo sobre a regulamentação das práticas de aventura, o Ministério do Esporte criou, em 2006, a Comissão de Esportes de Aventura (CEAV), a pedido de seus representantes de entidades esportivas. A CEAV teve como objetivo geral a elaboração de uma padronização dos conceitos e técnicas utilizados por confederações, federações e associações já existentes no Brasil. A intenção era elaborar as mais completas normas de segurança e sustentabilidade. No entanto, a comissão encerrou atividades apenas na primeira fase do processo e seus objetivos não foram alcançados.CONCLUSÃO: Uma série de motivos desarticulou a CEAV, entre eles a reorganização do organograma do Ministério e saída do cargo dos principais agentes a apoiarem a iniciativa, além da dificuldade interna de consenso entre agentes muito diversos.ABSTRACT. Official definitions for adventure sports and radical sports in Brazil.BACKGROUND: From monographic studies on the details of the routine of each adventure activity that gained visibility in the 1970s and 1980s, through the terminological debate on the adoption of an expression that brought them together in the 1990s, more recently, comparative studies between sports have been observed focusing on different social markers of difference and inequality in access and practice conditions and their different political dimensions. In the meantime, the Adventure Sports Commission of the now defunct Ministry of Sports of Brazil was created, although it has not been able to maintain the activities for over a year.OBJECTIVE: This article aims to analyze the constitution and suppression of the actions of the Adventure Sports Commission of the Brazilian Ministry of Sport.METHODS: Document analysis of sources on the elaboration of Brazilian public policies for adventure practices found in the Official Gazette and official websites of the National Council of Physical Education and the Brazilian College of Sport Sciences and in-depth interviews with field agents. RESULTS: Due to disagreement with the tourism authorities on the regulation of adventure sports, the Ministry of Sport created, in 2006, the Adventure Sports Commission (CEAV), at the request of representatives of sports associations. CEAV aimed to develop a standardization of the concepts and techniques used by confederations, federations and associations already existing in Brazil. The intention was to disseminate these concepts in events that sought to standardize safety and sustainability standards. However, the commission closed its activities unofficially and its objectives were not achieved.CONCLUSION: A number of reasons disrupted CEAVV, among them the reorganization of the Ministry’s organization chart and the departure of the main agents to support the initiative, as well as the internal difficulty of consensus among very diverse agents.

Biografia do Autor

Marília Martins Bandeira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Professora adjunta do Departamento de Educação Física, Fisioterapia e Dança da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Foi professora adjunta do Departamento de Educação Física do campus avançado da Universidade Federal de Juiz de Fora de 2016 à 2019. Doutora em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (2016). Mestra em Antropologia Social pela Universidade Federal de São Carlos (2012). Especialista em Comunicação Social pela Fundação Casper Líbero (2007). Bacharel e Licenciada em Educação Física pela Universidade de São Paulo (2006/2007).

Silvia Cristina Franco Amaral, Universidade Estadual de Campinas (Unicamp)

Graduação em Educação Física pela Universidade Federal de Santa Maria (1989), mestrado em Ciência do Movimento Humano pela Universidade Federal de Santa Maria (1995), doutorado em Educação Física pela Universidade Estadual de Campinas (2003), Livre-docência pela Faculdade de Educação Física da UNICAMP (2011) e pós-doutorado na Universidade de Barcelona no Departamento de Geografia Humana. É docente MS5.2 da Faculdade de Educação Física, Departamento de Educação Física e Humanidades da Universidade Estadual de Campinas atuando na graduação e na pós-graduação.

Referências

AMARAL, S. C. F. (1999). Poder local, meio ambiente e lazer: possibilidades desta relação em Porto Alegre. Conexões, Campinas, v. 1, n. 3, p. 49-57, 1999.

AURICCHIO, J. R. Formação e atuação profissional em atividade de aventura no âmbito do lazer. 2013. 183f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2013.

BANDEIRA, M.; AMARAL, S. C. Práticas de aventura: demanda por novas políticas públicas de lazer no Brasil. In: AMARAL, S.; MODESTO, B. (Org.). Políticas públicas em educação física, esporte e lazer: múltiplos olhares. Fortaleza: Expressão Gráfica, 2017. p. 35-70.

BAHIA, M. O lazer e as relações socioambientais em Belém - Pará. 2012. 300f. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Socioambiental) - Universidade Federal do Pará, Belém, 2012.

BITTENCOURT DE SÁ, S. M. Cidade sustentável, políticas públicas e esporte de natureza: um caminho a se trilhar. 2011. 213f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2011.

CORREA, E. Formação do profissional de educação física no contexto das atividades físicas de aventura na natureza. 2008. 129f. Dissertação (Mestrado em Ciências da Motricidade), Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2008.

DIAS, C.; MELO, V.; ALVES JUNIOR, E. Os estudos dos esportes na natureza: desafios teóricos e conceituais. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, Porto, v. 7, n. 3, p. 358-67, 2007.

LE BRETON, D. Condutas de risco: dos jogos de morte ao jogo de viver. Autores Associados: Campinas, 2009.

MARINHO, A.; COSTA, T.; SCHWARTZ, G. Entre o urbano e a natureza: inclusão na Aventura. São Paulo: Lexia, 2011.

MARINHO, A.; BRUHNS, H. Turismo, lazer e natureza. Barueri: Manole, 2003.

MARINHO, A.; BRUHNS, H. Viagens, lazer e esporte: o espaço da natureza. Manole: Barueri, 2006.

MARINHO, A.; COSTA, T.; SCHWARTZ, G. Entre o urbano e a natureza: inclusão na Aventura. São Paulo: Lexia, 2011.

MARINHO, A; DE DEUS INÁCIO, H. Educação Física, meio ambiente e aventura: um percurso por vias instigantes. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Campinas, v. 28, n. 3, 2007, p. 55-70.

MENICUCCI, T. Intersetorialidade, o desafio atual para as políticas sociais. Revista Pensar BH – Política Social, Belo Horizonte, v. 3, p. 10-3, 2002.

PEREIRA, D.; ARMBRUST, I.; RICARDO, D. Esportes radicais de aventura e ação, conceitos, classificações e características. Corpoconsciência, Santo André, v. 12, n. 1, p. 37-55, 2008.

PEREIRA, E.; SCHWARTZ, G.; FREITAS, G.; TEIXEIRA, J. Esporte e turismo: parceiros da sustentabilidade nas atividades de aventura. Pelotas: UFPel, 2012.

PIMENTEL, G. Esportes na natureza e atividades de aventura: uma terminologia aporética. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 35, n. 3, p. 687-700, 2013.

RIBEIRO, O.; AMARAL, S.; SILVA, D. Fragmentação e intersetorialidade nas políticas públicas de esporte e lazer. Revista Brasileira de Estudos do Lazer, Cidade, v. 1, n. 1, p. 99-114, 2014.

RINEHART, R.; SYDNOR, S. To the extreme: alternative sports inside and out. Albany: State University of New York Press, 2003.

RUA, M. das G. Análise de políticas públicas: conceitos básicos. In: RUA, M. das G., CARVALHO, M. I. (Org.). O estudo da política: tópicos selecionados. Brasília: Paralelo 15, 1998.

SCHWARTZ, G. Aventuras na natureza: consolidando significados. Jundiaí: Fontoura, 2006.

STAREPRAVO, F.; MARCHI JUNIOR, W. (Re) pensando as políticas públicas de esporte e lazer: a sociogênese do subcampo político/burocrático do esporte e lazer no Brasil. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Amsterdan, v. 38, n. 1, p. 42-9, 2016.

Downloads

Publicado

07-10-2020

Como Citar

BANDEIRA, M. M.; AMARAL, S. C. F. Definições oficiais para esportes de aventura e esportes radicais no Brasil. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 18, n. 3, p. 29–35, 2020. DOI: 10.36453/2318-5104.2020.v18.n3.p29. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/23634. Acesso em: 24 set. 2021.