Primeiras competições de tênis no Rio Grande do Sul (1920-1960): das disputas entre clubes ao campeonato estadual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/2318-5104.2020.v18.n2.p45

Palavras-chave:

Competições, Tênis, História do Esporte, Clubes.

Resumo


OBJETIVO: O presente estudo tem por objetivo investigar as primeiras competições de tênis organizadas no estado do Rio Grande do Sul, durante as décadas de 1920 a 1960. MÉTODO: O recorte temporal inicial da investigação se justifica em razão de o primeiro campeonato de tênis ter ocorrido no estado, no ano de 1921 e, nas décadas seguintes, ter sucedido a propagação das competições entre clubes sul-rio-grandenses. A delimitação final do estudo é a década de 1960, quando se observou um número expressivo de competições de tênis e o destaque de tenistas do estado no cenário brasileiro. A construção do texto histórico mobilizou o conceito de memória esportiva. Para tanto, foram analisados documentos históricos, como reportagens de jornais editados em cidades do Rio Grande do Sul. Tais materiais de pesquisa foram tratados através da técnica de análise documental. Os referidos documentos foram cotejados com estudos localizados por meio de uma revisão bibliográfica. RESULTADOS: Os resultados da investigação registraram que a década de 1920 foi marcada pela regulamentação da prática do tênis em clubes do Rio Grande do Sul, sobretudo por conta da criação da Federação Gaúcha de Tênis, no ano de 1929, com o propósito de fomentar a modalidade, além de organizar competições. CONCLUSÃO: Décadas depois, com a fundação da Confederação Brasileira de Tênis, no ano de 1955, o tênis passou a ter uma estrutura administrativa centralizada e percebeu-se um aumento do número de competições realizadas no Rio Grande do Sul. ABSTRACT. First tennis competitions in Rio Grande do Sul (1920-1960): from disputes between clubs to the state championship. OBJECTIVE: This study aims to investigate the first tennis competitions organized in the state of Rio Grande do Sul, during the 1920s and 1960s. METHODS: The initial time frame of the investigation is justified by the fact that the first tennis championship took place in the state, in 1921 and, in the following decades, the propagation of competitions between clubs from Rio Grande do Sul followed. The final delimitation of the study is the 1960s, when there was an expressive number of tennis competitions and the highlight of tennis players from the state in the Brazilian scenario. The construction of the historical text mobilized the concept of sports memory. Therefore, historical documents were analyzed, such as newspaper reports published in cities in Rio Grande do Sul. Such research materials were treated using the document analysis technique. These documents were compared with studies located through a bibliographic review. RESULTS: The results of the investigation recorded that the 1920s were marked by the regulation of tennis practice in clubs in Rio Grande do Sul, mainly due to the creation of the Gaúcha Tennis Federation in 1929, with the purpose of promoting the sport, in addition to organizing competitions. CONCLUSION: Decades later, with the foundation of the Brazilian Tennis Confederation, in 1955, tennis started to have a centralized administrative structure and there was an increase in the number of competitions held in Rio Grande do Sul.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Janice Zarpellon Mazo, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Professora da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança (ESEFID) e do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano (PPGCMH), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Pós-doutorado em História. Doutorado em Ciências do Desporto/Universidade do Porto. Mestrado em Ciência do Movimento Humano/UFSM. Especialização em Técnica Desportiva Voleibol e Especialização em Pesquisa Curricular. Licenciatura em Educação Física. Idealizadora e coordenadora do Centro de Memória do Esporte (CEME) da ESEFID/UFRGS, no período de 1996 a 2000 e a partir de maio de 2019. Idealizadora e coordenadora do Observatório do Esporte Paralímpico. Líder do grupo de pesquisa "Núcleo de Estudos em História e Memória do Esporte e da Educação Física" (NEHME). Foi tutora do Programa de Educação Tutorial (PET) da Educação Física, coordenadora do PPGCMH, dentre outras funções. Desenvolve atividades com os seguintes temas: história do esporte e da educação física; memória esportiva; esporte para pessoas com deficiência e esportes para surdos. Foi jogadora de voleibol máster no período de 1996 a 2011. É atleta amadora de corridas de rua e aprendiz de tênis

Tuany Defaveri Begossi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano (PPGCMH), na linha de pesquisa Representações Sociais do Movimento Humano, da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança (ESEFID), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestra em Ciências do Movimento Humano pelo PPGCMH/ESEFID/UFRGS (2017). Bacharela em Educação Física pela ESEFID/UFRGS (2015). Licenciada em Educação Física pela ESEFID/UFRGS (2013). Membro do Núcleo de Estudos em História do Esporte e da Educação Física (NEHME/UFRGS). Integrante do Observatório do Esporte Paralímpico (ESEFID/UFRGS). Integrante do Centro de Memória do Esporte (CEME/ESEFID/UFRGS). Associada ao Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (CBCE). Atua, principalmente, com os seguintes temas: Estudos históricos e socioculturais das Práticas Corporais, do Esporte, da Educação Física e do Lazer, Esporte Paralímpico e Adaptado, Educação Física Especial, Educação Física Escolar, Metodologias do ensino da Educação Física, Introdução à Profissão em Educação Física e Formação de professores(as) de Educação Física.

Raquel Valente de Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano (PPGCMH), na linha de pesquisa Representações Sociais do Movimento Humano, da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança (ESEFID), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Educação Física pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Física (PPGEDF), da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Licenciada em Educação Física pelo Centro de Educação Física e Desportos (CEFD), da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Membro do Núcleo de Estudos em História e Memória do Esporte e da Educação Física (NEHME/UFRGS). Integrante do Centro de Memória do Esporte (CEME/ESEFID/UFRGS). Atualmente, atua com os seguintes temas: Estudos Históricos e Socioculturais do Esporte e da Educação Física.

Gabriel Henrique Treter Gonçalves, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC)

Professor Adjunto 1 da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Doutor em Ciências do Movimento Humano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2018), com estágio de pesquisa (sanduíche) financiado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Processo nº 88881.135861/2016-01) na Université du Québec à Trois-Rivières (Canadá). Formação complementar (388 horas) em Gestão Esportiva pela Universität Leipzig, Alemanha (2016), com ênfase em Gestão de Projetos, Governança Esportiva, Finanças no Esporte e Marketing Esportivo. Licenciado em Gestão Esportiva pelo Comitê Olímpico Alemão (Nível C - Gestão de Clubes). Mestre em Ciências do Movimento Humano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2014). Bacharel em Educação Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2011). Membro do Núcleo de Pesquisa em Psicologia e Pedagogia do Esporte (NP3-Esporte), coordenado pelos Professores Dr. Carlos Balbinotti e Marcos Balbinotti, PhD. Membro do Núcleo de Estudos em História do Esporte e da Educação Física (NEHME), coordenado pela professora Dra. Janice Z. Mazo. Atua principalmente nas áreas de metodologia do ensino dos esportes, gestão pedagógica de competições esportivas infantojuvenis, gestão esportiva, elaboração e validação de instrumentos de medida e psicologia do esporte.

Carlos Adelar Abaide Balbinotti, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Professor titular da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança (ESEFID) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano (PPGCMH) da UFRGS. Doutorado em Ciências do Desporto pela Universidade do Porto, Portugal. Mestrado em Ciências do Movimento Humano pela ESEF/UFRGS. Licenciatura em Educação Física. Tem experiência na área da Educação Física, com ênfase em Pedagogia do Treino Desportivo e Tênis.

Referências

A GAZETA ESPORTIVA. XXIX Campeonato Brasileiro de Tenis – Carmem Paz recuperou o título, Curitiba, n. 24, 1953.

A OPINIÃO PÚBLICA. Desporto – Esporte Clube Pelotas, Pelotas, n. 20, p. 1, c. 326, jan. 1916.

A OPINIÃO PÚBLICA. Desporto – Esporte Clube Pelotas, Pelotas, n. 236, p. 3, c. 3, ano XXIV, out. 1920.

ASSMANN, A. B. O associativismo esportivo em Santa Cruz do Sul/Rio Grande do Sul: configurações de práticas culturais (da década de 1880 à década de 1910). 2015. 154f. Dissertação (Mestrado em Ciências do Movimento Humano) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE TÊNIS. Federações. Disponível em: <http://www.cbt-tenis.com.br/federacoes.php>. Acessado em: 22 de março de 2020.

DIÁRIO POPULAR. Filme do E. C. Pelotas, Pelotas, n. 169, p. 2, c. 6, ano XXIX, jul. 1919.

DIÁRIO POPULAR. Desporto – Tenis, Pelotas, n. 16, p. 3, c. 7, ano XXXIV, jan. 1923.

DIÁRIO POPULAR. Desporto – Tenis, Pelotas, n. 312, p. 6, c. 1, ano XXXVI, out. 1924.

DIÁRIO POPULAR. Desporto, Pelotas, n. 165, p. 7, c. 4-5, ano XXXVI, jul. 1925a.

DIÁRIO POPULAR. Desporto - Tenis, Pelotas, n. 155, p. 3, c. 4, ano XXXVI, jul. 1925b.

DIÁRIO POPULAR. Notas Desportivas - Clube Atlético Bancário, Pelotas, n. 72, p. 7, c. 1, ano XXXIX, mar. 1929.

DIÁRIO POPULAR. Desporto – Tenis, Pelotas, n. 284, p. 6, c. 1, ano XLI, dez. 1931.

DIÁRIO POPULAR. Desporto – Esporte Clube Pelotas, Pelotas, n. 47, p. 2, c. 3, ano XLIV, fev. 1934a.

DIÁRIO POPULAR. Taça Continental, Pelotas, n. 74, p. 6, c. 2-3, ano XLIV, abr. 1934b.

DIÁRIO POPULAR. Campeonato Estadual de Tênis, Pelotas, n. 209, p. 8, C. 1, ano XLIV, set. 1934c.

DIÁRIO POPULAR. Desporto, Pelotas, n. 209, p. 8, c. 1, ano XLIV, set. 1934d.

DIÁRIO POPULAR. Coluna “Vida Esportiva” - O Esporte Clube Pelotas completa hoje o seu 26º Aniversário, Pelotas, n. 228, p. 3, c. 3-4, ano XLIV, out. 1934e.

DIÁRIO POPULAR. Desporto, Pelotas, n. 206, p. 5, c. 3-4, ano XLVIII, set. 1937.

DIÁRIO POPULAR. Desporto, Pelotas, n. 129, p. 5, c. 3-4, ano 60, jan. 1950.

DIÁRIO POPULAR. Desporto, Pelotas, n. 50, p. 5, ano 62, mar. 1952a.

DIÁRIO POPULAR. Desporto, Pelotas, n. 77, p. 5, ano 62, abr. 1952b.

DUNAS CLUBE. Ata n°. 80, S.O.D., out. 1960.

ESPORTE CLUBE PELOTAS. Folheto anunciando demonstração de tênis, Pelotas, mar. 1941.

GONÇALVES, G. H. T.; ASSMANN, A. B.; GINCIENE, G.; BALBINOTTI, C. A. A.; MAZO, J. Z. Uma história do tênis no Brasil: apontamentos sobre os clubes esportivos e seus métodos de ensino. Educación Física y Ciencia, La Plata, v. 20, n. 3, p. 1-14, 2018.

MAZO, J. Z. A emergência e a expansão do Associativismo Desportivo em Porto Alegre (1867-1945): espaço de representações da identidade cultural brasileira. 2003. 376f. Tese (Doutorado em Ciência do Desporto) - Universidade do Porto, Porto, 2003.

MAZO, J. Z.; REPPOLD FILHO, A. (Orgs.). Atlas do Esporte no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: CREF2/RS, 1 CD-ROM, 2005.

MAZO, J. Z.; BALBINOTTI, C. A. A. A história do tênis na era moderna. In: BALBINOTTI, C. A. A. (Org.). O ensino do tênis: novas perspectivas de aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2009. p. 267-282.

PAIVA, M. P.; GÓIS JUNIOR, E.; HONORATO, T. O tênis no Brasil: De Maria Esther Bueno a Gustavo Kuerten. Recorde, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 1-8, 2014.

PELOTAS. O Pelotas. Edição Comemorativa do 60º aniversário, Pelotas, p. s/p, out. 1968.

PEREIRA, E. L.; MAZO, J. Z.; BALBINOTTI, C. A. A. Federação Rio-Grandense de Tênis: mudanças impostas pelo Decreto-Lei n° 3.199 de 1941. Recorde, Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 1-27, 2010.

TÊNIS BAHIA. Homenagem ao Professor Ernesto Petersen. Julho, 2014. Disponível em: <http://www.tenisbahia.com/noticias/ler/Homenagem-ao-Professor-Ernesto-Petersen/33>. Acessado em: 22 de março de 2020.

TICIANELLI, G. G. Uma mulher no esporte: diálogos e rupturas de Maria Esther Bueno. 2019. 99f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2019.

VAMPLEW, W. História do esporte no cenário internacional: visão geral. Tempo, Niterói, v. 19, n. 34, p. 5-17, 2013.

Downloads

Publicado

16-06-2020

Como Citar

MAZO, J. Z.; BEGOSSI, T. D.; DE OLIVEIRA, R. V.; GONÇALVES, G. H. T.; BALBINOTTI, C. A. A. Primeiras competições de tênis no Rio Grande do Sul (1920-1960): das disputas entre clubes ao campeonato estadual. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 18, n. 2, p. 45–50, 2020. DOI: 10.36453/2318-5104.2020.v18.n2.p45. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/24344. Acesso em: 29 nov. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Esportes de Raquete

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)