Atividade física e deficiência física: preferências, motivações e barreiras para a prática de atividade física

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/2318-5104.2020.v18.n2.p145

Palavras-chave:

Deficiência Física, Motivação, Barreiras, Preferências.

Resumo


OBJETIVO: Objetivou-se identificar as preferências, barreiras e motivações para a prática de atividade física por pessoas com deficiência física. MÉTODOS: A pesquisa é de caráter qualitativo, do tipo descritivo. Participaram do estudo 34 indivíduos com deficiência física, 27 eram ativos e 7 inativos, com média de idades de 35,5 anos. Para as coletas dos dados, utilizaram-se questionários sobre preferência, motivações e barreiras para prática de atividade física. RESULTADOS: A partir dos resultados, as preferências identificadas envolvem a prática esportiva, especialmente, o basquetebol em cadeira de rodas. Sobre as motivações, a dimensão saúde se sobressaiu como o fator motivacional mais citado. Quanto às barreiras, a falta de equipamentos disponíveis e adaptados foi a mais evidenciada para a prática de atividades físicas. CONCLUSÃO: Estes resultados subsidiam a criação de atividades específicas considerando as preferências e as motivações apresentadas pelas pessoas com deficiência física, aliado à tentativa de minimizar as barreiras para esta prática.ABSTRACT. Physical activity and physical disability: preferences, motivations and barriers for the practice of physical activity.OBJECTIVE: The objective was to identify preferences, barriers and motivations for the practice of physical activity by people with physical disabilities. METHODS: The research is qualitative, of the descriptive type. Thirty-four individuals with physical disability participated in the study, 27 were active and 7 were inactive, with an average age of 35.5 years. For data collection, questionnaires were used on preferences, motivations and barriers for the practice of physical activity. RESULTS: From the results, the identified preferences involve the sports practice, mainly, the wheelchair basketball. On the motivations, the health dimension stood out as the most cited motivational factor, both by the active and the inactive subjects. As for the barriers, the lack of equipment available and adapted was the most evidenced for the practice of physical activities. CONCLUSION: These results subsidize the creation of specific activities considering the preferences and motivations presented by people with physical disabilities, along with the attempt to minimize the barriers for this practice.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, P. F. Desporto adaptado no Brasil. São Paulo: Phorte, 2011.

BALBINOTTI, M. A. A.; BARBOSA, M. L. L. inventário de motivação à pratica regular de atividade física (IMPRAF-54). Laboratório de Psicologia do Esporte. Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Porto Alegre, 2006.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Diário Oficial da União, 2015. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm>. Acessado em: 28 de julho de 2019.

BROWN, S. A. Measuring perceived benefits and perceived barriers for physical activity. American Journal of Health Behavior, Oak Ridge, v. 29, n. 2, p. 107-116, 2005.

CARDOSO, V. D.; PALMA, L. E; ZANELLA, A. K. A motivação de pessoas com deficiência para a prática do esporte adaptado. Lecturas: Educación Física y Deportes, Revista Digital, Buenos Aires, v. 15, n. 146, 2010. Disponível em: <https://www.efdeportes.com/efd146/a-motivacao-para-esporte-adaptado.htm>. Acessado em: 29 de julho de 2019.

CESCHINI, F. L.; FIGUEIRA JUNIOR, A. Barreiras e determinantes para a prática de atividade física em adolescentes. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 15, n. 1, p. 29-36, 2008.

CHIAVENATO, I. Comportamento organizacional: a dinâmica do sucesso das organizações. Barueri: Manole, 2005.

CRATTY, B. J. Psicologia no esporte. Rio de Janeiro: Prentice-all, 1984.

FERRAZ, M. A. A preferência pela prática de atividades físicas e esportivas: uma abordagem psicofísica. 2005. 198 f. Tese (Doutorado em Ciências) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

FRONTERA, W. R. Exercício físico e reabilitação. São Paulo: Artmed, 2001.

GIL, A. C. Como elaborar projeto de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GREGUOL, M. Atividades físicas e esportivas e pessoas com deficiência. In: BOLZON, A.; GONZALEZ, J.; VELASCO, A.; OLIVEIRA, A. P. de; MANOEL, E. D. J.; IMPOLCETTO, F. M.; ...; DANTAS, L. E. P. B. T. Movimento é vida: atividades físicas e esportivas para todas as pessoas. Relatório De Desenvolvimento Humano do Brasil – PNUD. Brasília, 2017. p.16-375.

LOVISOLO, H. R. Estética, esporte e educação física. Rio de Janeiro: Sprint, 1997.

MACHADO, A. A. Psicologia do esporte: temas emergentes. Jundiaí: Ápice, 1997.

MARMELEIRA, J. F. F.; FERNANDES, J. M. G. A.; RIBEIRO, N. C.; TEIXEIRA, J. A.; GUTIERRES FILHO, P. J. B. Barreiras para a prática de atividade física em pessoas com deficiência visual. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Brasília, v. 40, n. 2, p. 197-204, 2018.

MARTINS, M. O.; PETROSKI, E. L. Mensuração da percepção de barreiras para a prática de atividades físicas: uma proposta de instrumento. Revista Brasileira Cineantropometria e Desempenho Humano, Florianópolis, v. 2, n. 1, p. 58-65, 2000.

MELO, A. C. R.; LÓPEZ, R. F. A. O Esporte Adaptado. Lecturas: Educación Física y Deportes, Revista Digital, Buenos Aires, v. 8, n. 51, 2002. Disponível em: <https://www.efdeportes.com/efd51/esporte.htm>. Acessado em: 06 de novembro de 2018.

MINATTO, G.; GINAR, S.; FARES, D.; SANTOS, S. G. População e amostra/sujeitos da pesquisa. In: SANTOS, S. G (Org.). Métodos e técnicas de pesquisa quantitativa aplicada a educação física. Florianópolis: Tribo da Ilha, 2011. p. 129-140.

NAHAS, M. V. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. Londrina: Midiograf, 2006.

NAHAS, M. V.; GARCIA, L. M. T. Um pouco de história, desenvolvimentos recentes e perspectivas para a pesquisa em atividade física e saúde no Brasil. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 24, n. 1, p. 135-48, 2010.

PAGANI, L. G. Análise motivacional de atletas do paradesporto de nível nacional. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v. 6, n. 34, p. 330-5, 2012.

PALMA, L.; FECK, R.; PATIAS, B.; LONDERO, A.; BAGATINI, G.; DORNELES, M.; MACHADO, V. Aspectos Motivacionais para a prática de Atividade Física por pessoas com deficiência visual. Kinesis, Santa Maria, v. 35, n. 2, p. 43-9, 2017.

PALMA, L. E.; FECK, R. M.; PATIAS, B. C.; FRIEDRICH, F. Tendências competitivas de atletas de basquetebol em cadeira de rodas. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 14, n. 1, p. 51-7, 2016.

SAITO, S. P. D. Motivos que levam indivíduos portadores de deficiência visual a participarem de atividades desportivas adaptadas de alto nível. Revista Mineira de Educação Física, Viçosa, v. 15, n. 2, p. 20-32, 2007.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, M. P. B. Metodologia de pesquisa. São Paulo: McGraw-Hill, 2006.

SAMULSKI, D. Psicologia do esporte: um manual para educação física, fisioterapia e psicologia. São Paulo: Manole, 2002.

SANTOS, S. C.; KNIJNIK, J. D. Motivos de adesão à prática de atividade física na vida adulta intermediária. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 23-34, 2009.

SARRAZIN, P. G.; BOICHÉ, J. C. S.; PELLETIER, L. G. A self-determination approach to sport dropout. In: HAGGER, M.; CHATZISATANTIS, N. (Eds.). Intrinsic motivation and self-determination in exercise and sport. Champaign: Human Kinetics, 2007.

SERON, B. B.; ARRUDA, G. A. de; GREGUOL, M. Facilitadores e barreiras percebidas para a prática de atividade física por pessoas com deficiência motora. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Brasília, v. 37, n. 3, p. 214-21, 2015.

SILVA, F. F.; SILVA, J. A. da; DUIM, G. A. S.; NASCIMENTO JUNIOR, J. R. A.; ARAÚJO, P. F. de. Orientação motivacional de atletas usuários de cadeira de rodas. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 17, n. 2, p. 13-19, 2019.

SOUZA, M. M. de; AIRES, H.; GONÇALVES, G. H. T.; BALBINOTTI, C. A. A. Mulheres no futsal: motivos que levam à prática. Kinesis, Rio Claro, v. 35, n. 3, p. 101-8, 2017.

THOMAS, J.R.; NELSON, J. K.; SILVERMAN, S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. Porto Alegre: Artmed Editora, 2009.

TORRALBA, M. A.; VIEIRA, M. B.; E RUBIO, M. J. Motivos de La prácticadeportiva de atletas paralímpicos españoles. Revista de Psicología Del Deporte, Cerdanyola del Vallès, v. 26, n. 1, p. 49-60, 2017.

VASUDEVAN, V.; RIMMER, J. H.; KVIZ, F. Development of the barriers to physical activity questionnaire for people with mobility impairments. Disability and Health Journal, Amsterdam, v. 8, p. 547-56, 2015.

WHO. World Health Organization. International Classification of Functioning, Disability and Health (ICF). The World Bank, 2016. Disponível em: . Acesso em: 14 de junho de 2020.

Downloads

Publicado

07-08-2020

Como Citar

ERINA PALMA, L.; CONTERATO PATIAS, B.; MAROSTEGA FECK, R. Atividade física e deficiência física: preferências, motivações e barreiras para a prática de atividade física. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 18, n. 2, p. 145–151, 2020. DOI: 10.36453/2318-5104.2020.v18.n2.p145. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/24825. Acesso em: 29 nov. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)