A legitimação da educação física escolar: a cultura corporal de movimento como linguagem e condição de possiblidade de conhecimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/cefe.2021.n3.27089

Palavras-chave:

Cultura Corporal de Movimento, Educação, Educação Física, Legitimação.

Resumo


INTRODUÇÃO: A Educação Física escolar construiu-se por meio de diferentes influências pedagógicas históricas que produziram interferências marcantes na escola, no fazer pedagógico dos profissionais imersos nesse contexto, e consequentemente, contribuíram para um estado de crise identitária da Educação Física. OBJETIVO: Diante este cenário o objetivo principal deste estudo é a reflexão acerca da legitimidade da Educação Física como componente do currículo escolar. MÉTODOS: Trata-se de um ensaio teórico que propõe a problematização da Educação Física escolar, com destaque para as intervenções pedagógicas dos conteúdos da cultura corporal de movimento. Primeiramente fez-se uma reflexão e discussão sobre o objeto de estudo da Educação Física, posteriormente sobre a sua relevância, seu lugar de pertencimento no sistema de ensino como componente curricular, e por último, sobre as suas condições de possibilidade de conhecimento a partir do saber científico e do saber do senso comum. RESULTADOS: A possibilidade de conhecimento da Educação Física e por conseguinte, sua legitimação, dar-se-á pela harmonização entre aquilo que a diferencia e aquilo que a integra, ou seja, do arranjo entre diferentes manifestações da cultura corporal do movimento e a linguagem. CONCLUSÃO: É importante destacar que não se pretendeu produzir respostas prescritivas, porém é necessário produzir e discutir acerca da responsabilidade curricular da Educação Física como disciplina, trazendo à tona maiores esclarecimentos do universo representativo dessa área do saber. Para além, tem-se consciência que este estudo não colocará um ponto final em toda esta temática. Antes pelo contrário, é um ponto de partida para que se possa realizar novas investigações e intervenções pedagógicas que consigam explorar os conteúdos da cultura corporal de movimento nas aulas de Educação Física. ABSTRACT. The legitimization of physical education at school: the body culture of movement as a language and condition for the possibility of knowledgeBACKGROUND: School Physical Education was built through different historical pedagogical influences that produced marked interferences in the school, in the pedagogical practice of professionals immersed in this context, and, consequently, contributed to a state of identity crisis in Physical Education. OBJECTIVE: In view of this scenario, the main objective of this study is to reflect on the legitimacy of Physical Education as a component of the school curriculum. METHODS: This is a theoretical essay that proposes the problematization of school Physical Education, with emphasis on pedagogical interventions on the contents of body culture of movement. Firstly, there was a reflection and discussion about the object of study of Physical Education, later about its relevance, its place of belonging in the education system as a curricular component, and finally, about its conditions of possibility of knowledge from the scientific knowledge and common sense knowledge. RESULTS: The possibility of knowledge of Physical Education and, therefore, its legitimation, will occur through the harmonization between what differentiates it and what integrates it, that is, the arrangement between different manifestations of the movement’s body culture and language. CONCLUSION: It is important to highlight that it was not intended to produce prescriptive responses, but it is necessary to produce and discuss the curricular responsibility of Physical Education as a discipline, bringing to the fore further clarifications from the representative universe of this area of knowledge. In addition, we are aware that this study will not put an end to this whole theme. On the contrary, it is a starting point for new investigations and pedagogical interventions that can explore the contents of body culture of movement in Physical Education classes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Eugênio Martiny, Universidade de Coimbra (UC)

Graduação em Educação Física (Licenciatura e Bacharelado) pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (2004). Especialista em Treinamento dos Jogos Esportivos pela UNIJUÍ (2009). Mestre em Educação Física pelo Programa Associado de Pós-graduação em Educação Física UPE - UFPB, linha de pesquisa Formação docente e práticas pedagógicas (2012). Doutorando Universidade de Coimbra- Portugal. Integrante do Grupo de estudo e pesquisa em Educação Física: Iniciação a Docência e Formação continuada. Professor efetivo do IFRN - campus Canguaretama.

Larissa Zanetti Theil, Universidade de Coimbra (UC) Instituto Federal Farroupilha (IFFAR), Santo Ângelo

Possui graduação em Educação Física pela Universidade Federal de Pelotas - Rio Grande do Sul/Brasil (2007). Pós-Graduação em Desporto Coletivo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - Rio Grande do Sul/Brasil (2009). Mestrado em Educação Física pela Universidade Federal de Pelotas - Rio Grande do Sul/Brasil (2016). Atualmente cursa o Doutoramento em Ciência do Desporto na Universidade de Coimbra - Portugal. Atua como Professora de Educação Física, Dança e expressão Corporal. Coordenadora e colaboradora de projetos de pesquisa, ensino e extensão junto ao Instituto Federal Farroupilha. Membro dos grupos de pesquisas em: Educação Física e Educação, da Universidade Federal de Pelotas/Rs – Brasil, Estudos Culturais em Educação Física, da Universidade Federal de Pelotas/Rs – Brasil e do Grupo de Pesquisa em Atividade Física e Saúde, do Instituto Federal Farroupilha/ RS - Brasil. Áreas de pesquisa e atuação: Educação Física Escolar; Dança; Práticas Corporais na Escola; Atividade Física e Saúde; Memória, Educação Estética e Cultura.

Eloy Maciel Neto, Universidade de Coimbra (UC)

Possui graduação em LICENCIATURA EM EDUCAÇAO FISICA pela Universidade de Pernambuco (1990), graduação em LICENCIATURA EM CIENCIAS BIOLOGICAS pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (1991) e mestrado em MESTRADO EM TREINO DESPORTIVO PARA CRIANÇAS E JOVENS pela Universidade de Coimbra (2010). Doutorando em Ciência do Desporto e Educação Física pela Universidade de Coimbra. Atua principalmente nos seguintes temas: interdisciplinariedade, projetos, attitudes e orientaçao motivacional.

Referências

AHLERT, A. Corporeidade e educação: o corpo e os novos paradigmas da complexidade. Caderno de Educação Física, Marechal Cândido Rondon, v. 9, n. 17, p. 113-26, 2010.

ASSMANN, H. Paradigmas educacionais e corporeidade. 2. ed. Piracicaba: UNIMEP, 1994.

BARROS FILHO, C.; MEUCCI, A. A vida que vale a pena ser vivida. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

BETTI, M. A janela de vidro. Campinas: Papirus, 1998.

BETTI, M. Educação física. In: GONZELEZ, F. J.; FENSTERSEIFER, P. E. Dicionários crítico de educação física. Ijuí: Unijuí, 2005. p. 144-50.

BRACHT, V. Cultura corporal, cultura de movimento ou cultura corporal de Movimento: In: SOUZA JÚNIOR, M. (Org.). Educação física escolar: teoria e política curricular, saberes escolares e proposta pedagógica. Recife: Edupe, 2005. p. 97-106.

BRACHT, V. Educação física & ciência: cenas de um casamento (in) feliz. 2. ed. Ijuí: Unijuí, 2003.

BRACHT, V. Educação física escolar: saber e legitimidade: In: BRACHT, V. (Org.). Pesquisa em ação: educação física na escola. Ijuí: Unijuí, 2003. p. 51-59.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acessado em: 22 de julho de 2021.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física. Brasília. MEC, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acessado em: 22 de julho de 2021.

CASTELLANI FILHO, L. Política educacional e educação física. Campinas: Autores Associados, 1998.

CHEVALLARD, Y. La transposición didáctica: del saber sabio al saber enseñado. 3. ed. Buenos Aires: AIQUE, 1998.

COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do ensino de educação física. São Paulo: Cortez, 1992.

CONFEF. Conselho Federal de Educação Física. Personal training: respeito às individualidades e limitações. Revista E. F., Rio de Janeiro, v. 5, n. 15, p. 1-10, 2005.

CSIKSZENTMIHALYI, M. The evolving self: a psychology for the third milenium. New York: Harp and Colins, 1993.

DAOLIO, J. Da cultura do corpo. Campinas: Papirus,1995.

DARIDO, S.C. Os conteúdos da educação física escolar: Influências, dificuldades e possibilidades. Perspectivas em Educação Fiísica Escolar, Niterói, v. 2, n. 1 (Suplemento), p. 5-21, 2001.

FENSTERSEIFER, P. E. A tarefa educacional na especificidade da escola. Ijuí: Unijuí, 2005.

FENSTERSEIFER, P. E. A educação física na crise da modernidade. Ijuí: Unijuí, 2001.

GALLARDO, J. S. P. Educação física escolar: do berçário ao ensino médio. 2. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.

GONÇALVES, M. A. S. Sentir, pensar, agir: corporeidade e educação. Campinas: Papirus, 1994.

GONZALEZ, F. J.; FENSTERSEIFER, P. E. Dicionário crítico da educação física. Ijuí: Unijuí. 2005.

GONZALEZ, F. J.; FRAGA, A. Afazeres da educação física na escola: planejar, ensinar, partilhar. Porto Alegre: Edelbra, 2012.

GRESPAN, M. R. Educação Física no ensino fundamental: primeiro ciclo. Campinas: Papirus, 2002.

GUIRALDELLI JÚNIOR, P. Educação física progressista: a pedagogia crítico-social dos conteúdos e a educação física brasileira. 2. ed. São Paulo: Loyola, 1989.

KUNZ, E. Transformação Didático-pedagógica do esporte. Ijuí: Unijuí, 1994.

LEITE, M. S. Recontextualização e transposição didática: introdução à leitura de Basil Bernstein e Yves Chevallard. Araraquara: Junqueira & Marin, 2007.

MARTINY, L. E. A transposição didática na educação física escolar: a prática pedagógica dos professores em formação inicial e a relação com seus saberes docentes. 2012. 173f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Estadual de Pernambuco/Universidade Federal da Paraíba, Recife/João Pessoa, 2012.

MARTINY, L.; SAMPAIO, A. K.; SAWITZKI, R. A transposição didática na educação física escolar: In: SAWITZKI, R.; MARTINY, L.; JAEGER, A. (Org.). Vida, vivência e experiencia de professores de educação física. Coleção educação física escolar. Curitiba: CRV, 2019. p. 125-42.

MARTINY, L.; SAWITZKI, R.; GASPAR, P. As práticas inovadoras na educação física como condições de possibilidades para um estado de gratificação na docência: In: SAWITZKI, R.; BORGES, R.; MARTINY, L. (Org.). Vida, vivência e experiencia de professores de educação física. Coleção educação física escolar. Curitiba: CRV, 2020. p. 21-42.

MATURANA, H. Emoções e linguagem na educação e na política. Belo Horizonte: UFMG, 2002.

PAIVA, F. S. L. Campo da Educação Física. In: GONZÁLEZ, F. J.; FENSTERSEIFER, P. E. Dicionários crítico de educação física. Ijuí: Unijuí, 2005. p. 54-56.

PERES, L. S. Corporeidade e sua relação com a educação física: um breve resgate histórico para entendimento. Caderno de Educação Física, Marechal Cândido Rondon, v. 8, n. 15, p. 53-61, 2009.

PERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002.

PICH, S. Cultura corporal de movimento. In: GONZÁLEZ, F. J.; FENSTERSEIFER, P. E. Dicionário crítico de educação física. Ijuí: Unijuí, 2005. p. 108-111.

POPPER, K. Conhecimento objetivo: uma abordagem evolucionária. Belo Horizonte: Itatiaia, 1999.

SANTOS, B. S. Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre a ciências revisitado. São Paulo: Cortez, 2006.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. São Paulo: Cortez, 2003.

SAVATER, F. O valor de educar. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

SOARES, C. L. Educação física escolar: conhecimento e especificidade. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, Suplemento 2, p. 6-12, 1996.

SOBRAL, F. Cientismo e credulidade ou a patologia do saber em ciências do desporto. Movimento, Porto Alegre, v. 2, n. 3, p. 7-16, 1995.

SOUZA JÚNIOR, M. (Org.). Educação física escolar: teoria e política curricular, saberes escolares e proposta pedagógica. Recife: Edupe, 2005.

SOUZA JÚNIOR, M. O saber e o fazer pedagógico da educação física na cultura escolar: o que é um componente curricular? In: CAPARRÓZ, F. E. (Org.). Educação Física Escolar: política, investigação e intervenção. Vitória: Proteoria, 2001. p. 81-91.

VARGAS-LLOSA, M. A civilização do espetáculo: uma radiografia do nosso tempo e da nossa cultura. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013.

Downloads

Publicado

01-09-2021

Como Citar

MARTINY, L. E.; THEIL, L. Z.; MACIEL NETO, E. A legitimação da educação física escolar: a cultura corporal de movimento como linguagem e condição de possiblidade de conhecimento. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 19, n. 3, p. 1–7, 2021. DOI: 10.36453/cefe.2021.n3.27089. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/27089. Acesso em: 26 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Educação Física Escolar: desafios e possibilidades na atualidade