Uma breve análise das relações entre intermediários e jogadores de futebol menores de 16 anos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/cefe.2021.n2.27215

Palavras-chave:

intermediário de futebol, jogador de futebol, futebol

Resumo


INTRODUÇÃO: As relações entre intermediários e jogadores de futebol de base maiores de 16 anos têm demonstrado maiores relevâncias, principalmente por fatores como o aumento das transferências e no incremento dos salários.
OBJETIVO: Analisar como são iniciadas, sustentadas e encerradas as relações entre intermediários de futebol e jogadores de base menores de 16 anos de idade.
MÉTODOS: Caracteriza-se como uma pesquisa qualitativa com delineamento exploratório,. A seleção da amostra foi não probabilística, de modo intencional, por conveniência. Participaram deste estudo 04 intermediários, homens com idades entre 36 e 42 anos. Para coleta de informações, foram utilizadas entrevistas semiestruturadas, as quais foram gravadas e posteriormente transcritas. 
RESULTADOS: Emergiram das entrevistas 187 unidades de registro, sendo alocadas em categorias e subcategorias, em conformidade com os pressupostos da análise de conteúdo. Considerou-se que as relações se iniciam a partir da análise de jogadores e os primeiros contatos entre agente e família do jogador. Sustentam-se à base da confiança e através da oferta de benefícios materiais e de serviço por parte do intermediário. O encerramento das relações pode ocorrer por motivos alheios antes da celebração do primeiro contrato profissional. 
CONCLUSÃO: Conclui-se que o principal interesse dos intermediários é fidelizar o jogador para lucrar financeiramente quando esse se profissionalizar.

  

TITLE: A brief analysis of the relationship between intermediaries and football players under the age of 16


ABSTRACT 
BACKGROUND: The relations between intermediaries and base football players over 16 years old have shown greater relevance, mainly due to factors such as the increase in transfers and the increase in wages. 
OBJECTIVE: To analyze how the relations between soccer intermediaries and youth players under 16 years old are initiated, sustained and ended. 
METHODS: It is characterized as a qualitative research with an exploratory design, which allowed the interpretation of the results found. The sample selection was non-probabilistic, intentionally, for convenience. Four intermediaries, men, aged between 36 and 42 years, participated in this study. To collect information, semi-structured interviews were used, which were recorded and later transcribed. 
RESULTS: 187 record units emerged from the interviews, being allocated into categories and subcategories, in accordance with the assumptions of content analysis. It was considered that the relationships start from the analysis of players and the first contacts between the player’s agent and family. They are sustained on the basis of trust and through the offer of material benefits and service by the intermediary. The termination of relationships may occur for other reasons before the conclusion of the first professional contract. 
CONCLUSION: The main interest of intermediaries is to retain the player to profit financially when he becomes professional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Walter Reyes Boehl, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre

Mestre em Ciências do Movimento Humano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Licenciado e Bacharel em Educação Física (ESEFID/UFRGS). Bacharel em Comunicação Social, habilitação Jornalismo, pela Faculdade de Comunicação Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Integrante do Grupo de Estudos Socioculturais em Educação Física (GESEF/UFRGS). Membro associado do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (CBCE). Tem experiência na área da história dos esportes, em treinamento físico e ensino de lutas e de futebol. Interessa-se por pedagogia dos esportes, antropologia urbana e do esporte, marketing esportivo, gestão de carreira de atletas de futebol e treinamento desportivo. 

Mauro Myskiw, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre

Graduado em Educação Física pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (1999), mestre em Ciência do Movimento Humano pela Universidade Federal de Santa Maria (2003), mestre em Administração pela Universidade Federal de Santa Maria (2006), doutor em Ciências do Movimento Humano pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professor Adjunto da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professor do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano (PPGCMH/UFRGS). Desenvolve estudos nas áreas de gestão e políticas públicas de esporte e de lazer. 

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1999.

BRASIL. Decreto-Lei Nº 9.615, de 24 de março de 1998. Institui normas gerais sobre o desporto e dá outras providências. Presidência da República, Brasília, 1998. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1998/lei-9615-24-marco-1998-351240-publicacaooriginal-1-pl.html. Acessado em: 02 de maio de 2021.

CARDOSO, N. M. S. Intermediário FIFA: percurso para o sucesso. 2016. 63f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, 2017.

CARVALHO, B. “Arde no bolso”: Sem patrocínio, atletas têm que comprar chuteira própria. UOL. São Paulo, abr. 2018. https://navitrine.blogosfera.uol.com.br/2018/04/20/arde-no-bolso-sem-patrocinio-atletas-tem-que-comprar-chuteira-propria/. Acessado em: 03 de maio de 2018.

CBF. Confederação Brasileira de Futebol. Regulamento Nacional de Intermediários 2018. Disponível em: https://cdn.cbf.com.br/content/201712/20171221163653_0.pdf. Acessado em: 08 de fevereiro de 2018.

EZABELLA, F. L. O agente FIFA à luz do direito civil brasileiro. 2009. 148f. Tese (Doutorado em Direito) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

FRANCIOSI, A. Jorge Machado e Gilmar Veloz: empresários dos milhões. Gaúchazh, Porto Alegre, nov. 2012. Disponível em: https://gauchazh.clicrbs.com.br/esportes/noticia/2012/11/jorge-machado-e-gilmar-veloz-empresarios-dos-milhoes-3946320.html. Acessado em: 10 de março de 2020.

GUERRA, R. A. P.; SOUZA, M. J. Fatores que influenciam a não profissionalização de jovens talentos no futebol. Revista Brasileira de Futebol, Viçosa, v. 1, n. 2, p. 30-37, 2008.

LIMA, D. A. Estrada, L. F. G., MASSA, M., HIROTA, V. B. A maturação sexual e a idade cronológica durante um processo de detecção, seleção e promoção do talento esportivo nas categorias de base do futebol de campo. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 7, n. 3, p. 83-90, 2008.

MYSKIW, M. Marketing esportivo no futebol: um olhar à luz do paradigma do marketing de relacionamento. 2006. 125f. Dissertação (Mestrado em Administração) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2006.

SETO, G. Sem holofotes, empresário contam como atuam no futebol brasileiro. Folha de São Paulo, São Paulo, fev. 2017. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/esporte/2017/02/1860057-empresarios-influentes-explicam-como-atuam-no-futebol-brasileiro.shtml> Acessado em: 03 de maio de 2018.

SOARES, D. N. G. Do agente de jogadores ao intermediário: a problemática da regulação FIFA. 2015. 77f. Dissertação (Mestrado em Gestão do Desporto) - Universidade de Lisboa, Lisboa, 2015.

SPAGGIARI, E. Tem que ter categoria: construção do saber futebolístico. 2009. 265f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

SPAGGIARI, E. Família joga bola: constituição de jovens futebolistas na várzea paulistana. 2014. 470f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

Downloads

Publicado

17.05.2021

Como Citar

BOEHL, W. R.; MYSKIW, M. Uma breve análise das relações entre intermediários e jogadores de futebol menores de 16 anos. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 19, n. 2, p. 27–33, 2021. DOI: 10.36453/cefe.2021.n2.27215. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/27215. Acesso em: 16 maio. 2022.