ELABORAÇÃO DE CRITÉRIOS DE ANÁLISE PARA APLICATIVOS DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS COMO RECURSOS DIDÁTICOS AO ENSINO FORMAL

Autores

  • Gabriela Marçal NUNES Universidade Federal de Santa Catarina
  • Juliana Cristina Faggion BERGMANN Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i35.21571

Palavras-chave:

Aprendizagens Móveis. Aplicativos de línguas estrangeiras. Análise de aplicativos.

Resumo


Ainda que aplicativos com objetivos de aprendizagem de línguas estrangeiras sejam populares e conhecidos por proporcionar ao usuário um aprendizado individual e personalizado, eles também podem tornar-se recursos didáticos no ensino formal, com o intuito de auxiliar o professor e seu grupo a alcançarem seus objetivos. Entretanto, a grande demanda e existência de aplicativos com esse fim pode tornar a escolha do professor um grande desafio. Por essa razão, o presente artigo apresenta critérios de análise de aplicativos de LE com base no documento Marco Común Europeo de Referencia (2002) e outros autores, com a finalidade de auxiliar o professor na avaliação e escolha do aplicativo mais adequado. Como resultado, o professor poderá avaliar pontos dos aplicativos que vão além da aquisição linguística, como a sua interface gráfica, o desenvolvimento da habilidade comunicativa, questões de acessibilidade, interatividade e feedback.


Referências:

CONSEJO DE EUROPA (2002). Marco Común Europeo de Referencia para lenguas: aprendizaje, enseñanza, evaluación (MCER). Madrid: Anaya (Disponível em: http://cvc.cervantes.es/obref/marco).

CRESCENZI, Lucrezia; GRANÉ, Mariona. Ficha de Análisis del contenido y el diseño interactivo de Apps para Niños. Barcelona: Comunicar, 2016

GAVARRI, Sandra Lorena. El aprendizaje de lenguas extranjeras mediado por las TIC: Aprender Inglés con Duolingo. In: El Toldo de Astier, 7 (12). 2016. En Memoria Académica. P. 56-65

GÓMEZ, Ángel I. Pérez. Educação na Era Digital: A escola educativa. Porto Alegre: Penso, 2015. 192 p.

LEFFA, Vilson J. A aprendizagem de línguas mediada por computador. In: Vilson J. Leffa. (Org.). Pesquisa em linguística aplicada: temas e métodos. Pelotas: Educat, 2006a, p. 11-36.

LEFFA, Vilson J.; IRALA, Valesca B. O ensino de outra(s) língua(s) na contemporaneidade: questões conceituais e metodológicas. In: LEFFA, Vilson J.; IRALA, Valesca B. Uma Espiadinha na Sala de Aula: Ensinando Línguas Adicionais no Brasil. Pelotas: Educat, 2014. p. 21-48.

LEFFA, Vilson J. Interação simulada: um estudo da transposição da sala de aula para o ambiente virtual. In: LEFFA, Vilson J. A interação na Aprendizagem das Línguas. 2. Ed. Pelotas: Educat, 2006b. Cap. 8. P. 175-218.

MOURA, Adelina. Aplicativos para aprendizagem baseada em projetos. In: COUTO, Edvaldo; PORTO, Cristiane; SANTOS, Edméa. App-Learning: Experiências de pesquisa e formação. Salvador: Edufba, 2016. Cap. 9. p. 163-178.

OLIVEIRA, Carloney Alves de; MERCADO, Luís Paulo Leopoldo. Ensino de matemática utilizando o aplicativo QR Code no contexto das tecnologias móveis. In: COUTO, Edvaldo; PORTO, Cristiane; SANTOS, Edméa. App-Learning: Experiências de pesquisa e formação. Salvador: Edufba, 2016. Cap. 12. p. 211-226.

PAIVA, Vera Lúcia Menezes de Oliveira e. Feedback em ambiente virtual. In: LEFFA, Vilson J. A interação na Aprendizagem das Línguas. 2. Ed. Pelotas: Educat, 2006. Cap. 9. P. 219-254.

PORTO, Cristiane de Magalhães; OLIVEIRA, Kaio Eduardo de Jesus; GAMA NETO, Edilberto Marcelino da. Realidade aumentada e a potencialidade educacional do aplicativo MAR. In: COUTO, Edvaldo; PORTO, Cristiane; SANTOS, Edméa. App-Learning: Experiências de pesquisa e formação. Salvador: Edufba, 2016. Cap. 7. p. 127-144.

SANTAELLA, L. Desafios da ubiqüidade para a educação. Novas Mídias e o Ensino Superior, São Paulo, p 19-29, abr. 2013

SANTOS, Edméa; MADDALENA, Tania Lucía; ROSSINI, Tatiana Stofella Sodré. Diário Hipertextual Online de Pesquisa: uma experiência com o aplicativo Evernote. In: COUTO, Edvaldo; PORTO, Cristiane; SANTOS, Edméa. App-Learning: Experiências de pesquisa e formação. Salvador: Edufba, 2016. p. 93-108.

SONEGO, Anna Helena Silveira; BEHAR, Patrícia Alejandra. M-learning: reflexões e perspectivas com o uso de aplicativos educacionais. In: Nuevas ideias em Informatica Educativa: memorias XVII Congreso Internacional de Informática Educativa, TISE. Santiago: Universidade do Chile, 2015. p. 521-526. v. 8.

SOUZA, Joana Dourado França de; COUTO, Edvaldo Souza. Snapchat: viver e aprender em meio a mensagens autodestrutivas. In: COUTO, Edvaldo; PORTO, Cristiane; SANTOS, Edméa. App-Learning: Experiências de pesquisa e formação. Salvador: Edufba, 2016. Cap. 1. p. 23-37.

UNESCO, Organização das Nações Unidas para Educação, a Ciência, e a Cultura. Diretrizes de Políticas da UNESCO para a aprendizagem móvel. França, 2013.

 

 

Recebido em 18-01-2019.

Aceito em 22-042019.

Biografia do Autor

Gabriela Marçal NUNES, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestranda em Educação no Programa de Pós Graduação em Educação - UFSC na linha Educação e Comunicação. Graduada em Letras Espanhol pela Universidade Federal de Santa Catarina (Licenciatura e Bacharelado). Graduanda em Pedagogia pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Juliana Cristina Faggion BERGMANN, Universidade Federal de Santa Catarina

Juliana Cristina Faggion Bergmann é professora do Departamento de Metodologia de Ensino (MEN) da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), onde atua na área de Metodologia do Ensino de Línguas Estrangeiras, Linguística e Produção de Materiais Didáticos; e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFSC), na linha Educação e Comunicação (ECO). É líder do Grupo de Pesquisa TEMA DIDÁTICO - Tecnologia, Educação e Materiais Didáticos (CNPq/UFSC) e pesquisadora do Grupo Comunic (CNPq/UFSC).

Downloads

Publicado

24-06-2019

Como Citar

NUNES, G. M.; BERGMANN, J. C. F. ELABORAÇÃO DE CRITÉRIOS DE ANÁLISE PARA APLICATIVOS DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS COMO RECURSOS DIDÁTICOS AO ENSINO FORMAL. Trama, [S. l.], v. 15, n. 35, p. 70–78, 2019. DOI: 10.48075/rt.v15i35.21571. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/21571. Acesso em: 10 ago. 2022.

Edição

Seção

Gêneros digitais e o ensino