FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ESTÁGIO DE LÍNGUA INGLESA: OS MOMENTOS DE ORIENTAÇÃO COM O PROFESSOR UNIVERSITÁRIO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v17i41.26804

Palavras-chave:

Formação de professores, Estágio Curricular Supervisionado, Formação inicial

Resumo


O Estágio Curricular Supervisionado é uma política educacional, na qual os alunos-professores realizam a prática pedagógica em sua área profissional em uma escola de educação básica, sob a responsabilidade de um profissional já habilitado. Com base em pesquisa qualitativa interpretativa (ERICKSON, 1990; MASON, 1996) de orientação etnográfica (HAMMERSLEY; ATKINSON, 2007), neste trabalho analisamos como ocorrem os momentos de orientação entre uma professora universitária e uma dupla de alunos-professores em uma turma de Estágio de Inglês. Os dados foram gerados em uma universidade pública federal localizada no sul do Brasil por meio de anotações de campo, gravações em áudio e vídeo, pesquisa documental e entrevistas semiestruturadas. Os dados apontam que, no cenário investigado, há quatro tipos de orientação ao longo do semestre: orientação a distância, orientação em grupo, feedback pós-observação e encontros individuais. Identificamos que, nas orientações, a prática pedagógica dos alunos-professores era tanto o ponto de partida quanto o de chegada (PÉREZ-GÓMEZ, 1995). Além disso, verificou-se que, nessas interações, os alunos-professores, conjuntamente com as professoras orientadoras, refletiam sobre sua própria ação (SCHÖN, 1983), considerando retrospectivamente e prospectivamente a sua prática (PERRENOUD, 2002). Por fim, há evidências de que os momentos de orientação entre a professora universitária e os alunos-professores provocaram mudanças em seus conhecimentos, suas práticas e atitudes profissionais e, há indícios de que essas mudanças repercutiram positivamente no aprendizado dos alunos da escola. Assim, no contexto analisado, convites à participação, reflexões sobre soluções para situações enfrentadas pelos licenciandos na sua prática docente, o estabelecimento de uma relação de colaboração, bem como o fornecimento de exemplos concretos de como levar a cabo as sugestões, contribuíram para a formação desses alunos-professores.Referências:BIAZI, T. M.; GIMENEZ, T.; STUTZ, L. O Papel da Observação de Aulas Durante o Estágio Supervisionado de Inglês. SIGNUM: Estud. Ling., n. 14, p. 57-78, 2011.CARDOSO, P. C. S. The myth of nativity: a case study on how identities are co-constructed in a language classroom. 2011. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Letras), Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2011.CELANI, M. A. A. Ensino de línguas estrangeiras: ocupação ou profissão?. In: LEFFA, V. J. O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. 2. ed., Pelotas: EDUCAT, 2008, p. 23-43.CHAMBERLIN, C. R. TESL Degree Candidates’ Perceptions of Trust in Supervisors. TESOL Quarterly, v. 34, n. 4, p. 653-673, 2000.COPLAND, F.; MA, G.; MANN; S. Reflecting in and on post-observation feedback in initial teacher training on certificate courses. English Language Teacher Education and Development (ELTED), v. 12, p. 14-23, 2009.DREY, R. F.; GUIMARÃES, A. M. M. Reflexões sobre a formação inicial e a constituição da profissionalidade docente. D.E.L.T.A., v. 32, n. 1, p. 23-44, 2016.ERICKSON, F. Qualitative methods. In: LINN, R. L.; ERICKSON, F. (Orgs.). Quantitative methods. New York: Macmillan, 1990. p. 75-194.FEIMAN-NEMSER, S. Helping novices learn to teach lessons from an exemplary support teacher. Journal of Teacher Education, v. 52, n. 1, p. 17-30, 2001.GARCEZ, P. M. A organização da fala-em-interação na sala de aula: controle social, reprodução de conhecimento, construção conjunta de conhecimento. Calidoscópio, v. 4, n. 1, p. 66-80, 2006.GARCEZ, P. M.; SCHLATTER, M. Professores-autores-formadores: Princípios e experiências para a formação de profissionais de educação linguística. In: MATEUS, E.; TONELLI, J. R. A. (Orgs.). Diálogos (im)pertinentes entre formação de professores e aprendizagem de línguas. São Paulo: Blucher, 2017. p. 13-36.GIMENEZ, T.; CRISTOVÃO, V. L. L. Derrubando paredes e construindo pontes: formação de professores de língua inglesa na atualidade. Rev. Brasileira de Linguística Aplicada, v. 4, n. 2, p. 85-95, 2004.GIMENEZ, T.; RAMOS, S. G. M.  Planejamento e implementação de curso online como atividade de estágio curricular na área de inglês. Ilha do Desterro, n. 66, p. 101-131, 2014.HAMMERSLEY, M.; ATKINSON, P. Ethnography: Principles in Practice. 3. ed. Routledge: London, 2007.JEFFERSON, G. Glossary of transcript symbols with an introduction. In: LERNER, G. H. (Ed.). Conversation analysis: studies from the first generation. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins Publishing, 2004, p. 13-31.MASON, J. Qualitative researching. Londres: Sage, 1996.NÓVOA, A. Professores: Imagens do futuro presente. Lisboa: Educa, 2009.PÉREZ-GÓMEZ, A. O pensamento prático do professor: a formação do professor como profissional reflexivo. In: NÓVOA, A. Os professores e a sua formação. 2. ed. Lisboa: Dom Quixote, 1995. p. 93-114.PERRENOUD, P. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artmed, 2002.PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade entre teoria e prática?. Cad. Pesq., n. 94, p. 58-73, 1995.PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e Docência. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012.REICHMANN, C. L. A professora regente disse que aprendeu muito: a voz do outro e o trabalho do professor iniciante no estágio. Raído, v.8 , n.15, p. 33-44, 2014.________. Práticas de letramento docente no estágio supervisionado de letras estrangeiras. Rev. Brasileira de Linguística Aplicada, v. 12, n. 4, p. 933-954, 2012.RICHTER, D. et al. How different mentoring approaches affect beginning teachers’ development in the first years of practice. Teaching and Teacher Education, v. 36, p. 166-177, 2013.SALDAÑA, J. The Coding Manual for Qualitative Researchers. Thousand Oaks, CA: Sage Publications, 2009.SCHÖN, D. The reflective practitioner: how professionals think in action. New York: Basic Books, 1983.SINCLAIR, J.; COULTHARD, M. Towards an analysis of discourse. In: COULTHARD, M. Advances in Spoken Discourse Analysis. Londres: Routledge, 1992, p. 1-34.TONELLI, J. R. A. Contextos (In)Explorados no Estágio Supervisionado nas Licenciaturas em Letras/Inglês: o lugar da observação de aulas nos dizeres de alunos-mestres. SIGNUM: Estudos da linguagem, v. 19, n. 2, p. 35-65, 2016.Recebido em 25-01-2021Revisões requeridas em 31-03-2021Aceito em 21-04-2021

Biografia do Autor

Paula Cortezi Schefer Cardoso SCHARDONG, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutoranda em Letras, com ênfase em Linguística Aplicada, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É mestre em Linguística Aplicada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2016). Possui graduação em Letras, habilitação em Língua Inglesa, pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2011).

Simone SARMENTO, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

É professora associada da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Possui doutorado em Terminologia e Lexicografia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008), Mestrado em Estudos da Linguagem pela Lancaster University (2005) e Mestrado em Linguística Aplicada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001). Atualmente é Coordenadora substituta do Programa de Pós-Graduação em Letras da UFRGS e bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq nível 2 2020/2023.

Downloads

Publicado

01-06-2021

Como Citar

SCHARDONG, P. C. S. C.; SARMENTO, S. FORMAÇÃO DE PROFESSORES NO ESTÁGIO DE LÍNGUA INGLESA: OS MOMENTOS DE ORIENTAÇÃO COM O PROFESSOR UNIVERSITÁRIO. Trama, [S. l.], v. 17, n. 41, p. 134–149, 2021. DOI: 10.48075/rt.v17i41.26804. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/26804. Acesso em: 16 out. 2021.

Edição

Seção

Práticas de Estágio(s) em Discussão