O ENSINO DE ALEMÃO ENQUANTO ATO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES A PARTIR DE UM ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NA UNIVERSIDADE

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v17i41.26839

Palavras-chave:

Estágio em docência, Ensino Superior, Formação de professores de alemão

Resumo


Este ensaio relata uma experiência de estágio em docência do Ensino Superior na Universidade de São Paulo (USP), e tem como objetivo principal discutir a formação de professores de alemão sob uma perspectiva crítica e decolonial. Essa discussão serve como pano de fundo para uma reflexão sobre o aperfeiçoamento político-pedagógico de uma doutoranda em um estágio de docência sob condições atípicas. A introdução traz um rápido panorama do ensino de alemão no Brasil e das possibilidades para a formação de professores. Em seguida, apresenta-se o funcionamento do curso de Letras com Habilitação em Alemão na USP, com enfoque nas incumbências do bacharelado e da licenciatura. A seção a seguir descreve o Programa de Aperfeiçoamento de Ensino da USP, no âmbito do qual foi realizado o estágio em docência do ensino superior que deu origem a este relato. Então, introduz-se a disciplina de Metodologia do Ensino de Língua Alemã, na qual foi realizado o estágio. Posteriormente, são retomadas as especificidades do ensino universitário ao longo do ano de 2020, caracterizado pela substituição das aulas presenciais pelas remotas, devido à pandemia do covid-19. Por fim, amplia-se a discussão sobre a dimensão política na formação de professores de alemão no Brasil, e as considerações finais defendem que se retome essa dimensão, para que os futuros professores de alemão ajam de maneira cada vez mais autônoma e consciente. Pretende-se, assim, mostrar que a formação docente é feita em etapas diferentes, na graduação e na pós-graduação, e defender que um entendimento melhor desse mosaico é imprescindível para quem se prepara para atuar como formadora de professores.Referências:ALMEIDA FILHO, José Carlos Paes de; FERNÁNDEZ, Gretel Eres Fernández (Orgs.). RENIDE. Referencial de níveis de desempenho em línguas estrangeiras. Campinas: Pontes, 2019.BARBOSA, José Roberto Alves. Aspectos da interlíngua: contribuições para a aquisição de L2. Anais da XX Jornada do GELNE: João Pessoa, 2004. Disponível em: <http://www.gelne.com.br/arquivos/anais/gelne-2004/PDF/Jos%E9%20Roberto%20Alves%20Barbosa.pdf>. Acesso em 29/1/2021.BRASIL. Parecer CNE/CP 9/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Distrito Federal: Ministério da Educação, 2001. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/009.pdf>. Acesso em 19/1/2021.CANATO, Juliana Bonsi Corrêa; ROZENFELD, Cibele Cecílio de Faria. A motivação de alunos de alemão e prática de multiletramentos em um CEL. Revista Pandaemonium Germanicum, v. 20, n. 30, 2017, pp. 86-111.CHRIST, Herbert. Sprachenpolitische Perspektiven. In: BAUSCH, Karl-Heinz; CHRIST, Herbert; HÜLLEN, Werner (Orgs.). Handbuch Fremdsprachenunterricht. Tübingen/Basel: Francke, 1995, pp. 75-81.CONSELHO DA EUROPA. Quadro europeu comum de referência para línguas: aprendizagem, ensino, avaliação. Trad. de ROSÁRIO, M. J. P.; SOARES, N. V. Porto: Edições ASA, 2001.FERRAZ, D. M. Multiletramentos: Epistemologias, ontologias ou pedagogias? Ou tudo isso ao mesmo tempo?. In: GUALBERTO, Clarice Lage; PIMENTA, Sônia Maria de Oliveira; SANTOS, Záira Bomfante (Orgs.). Multimodalidade e ensino: múltiplas perspectivas. São Paulo: Pimenta Cultural, 2018.FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia. Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz & Terra, 2019 [1996].GOODWIN, A. Lin. Globalization and the preparation of quality teachers: rethinking knowledge domains for teaching. Teaching Education, v. 21, n. 1, 2010, pp. 19-32.GRILLI, Marina. Passado, presente e futuro do ensino de línguas no Brasil: métodos e políticas. Linguagens – Revista de Letras, Artes e Comunicação, v. 12, n. 3, 2018, pp. 415-435.NOGARO, A.; GRANELLA, E. O erro no processo de ensino e aprendizagem. Revista de Ciências Humanas, v. 5, n. 5, 2004, pp. 31-56.PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE LETRAS. São Paulo: FFLCH/USP, 2013.                PUH, Milan. Políticas Linguísticas, Decolonialidade e Materiais Didáticos no Brasil. In: BERGER, I. R.; REDEL, E. (Org.). Políticas de gestão do multilinguismo: práticas e debates. São Paulo: Pontes Editores, 2020, pp. 207-231.PUH, Milan; SAMPAIO, Ivanete. Da teoria para a prática: propostas formativas interculturais e decoloniais para quem ensina(rá) línguas no Brasil. In: FIGUEIREDO, Cristina (Org). Línguas em movimento. Salvador: EDUFBA, 2020, pp. 107-125.ROZENFELD, Cibele Cecílio de Faria. Investigação das crenças (Capítulo 2.1). In: Crenças sobre uma língua e cultura-alvo (alemã) em dimensão intercultural de ensino de língua estrangeira. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos, 2007.SOUSA SANTOS, Boaventura de. O fim do império cognitivo. A afirmação das epistemologias do Sul. Belo Horizonte: Autêntica, 2019.SARTESCHI, Rosangela; ORTALE, Fernanda; CENCI, Denise; SOUZA SILVA, Daniel. Guia do aluno de Licenciatura. São Paulo: FFLCH, 2016.SILVEIRA, Ana Clara Neves; VASCONCELOS, Alice Pellegrini; FEITOSA, Mariana de Lima. "Me conhecendo em alemão”: um estudo de caso da avaliação enquanto reflexão docente. Revista Iniciação & Formação Docente, v. 7, n. 4, 2020, pp. 882-903.SILVEIRA, Ana Clara Neves; UPHOFF, Dörthe. Unterrichtsplanung als Ausbildungsgegenstand an der USP: Erfahrungen und Möglichkeiten. Revista Projekt (Curitiba), 2020, n. 59, pp. 10-16.SIMÕES, José da Silva. A formação inicial de professores de alemão e a investigação de processos cognitivos da aquisição, da aprendizagem e do ensino de Alemão como Língua Estrangeira na Universidade de São Paulo. In: UPHOFF, Dörthe; FISCHER, Eliana; AZENHA, João; PEREZ, Juliana P. (Orgs.). 75 anos de alemão na USP: reflexões sobre uma germanística brasileira. São Paulo: Humanitas, 2015, pp. 243-273. Disponível em <http://www.livrosabertos.sibi.usp.br/portaldelivrosUSP/catalog/book/426>. Acesso em 23/1/2021.UPHOFF, Dörthe. A área de Alemão como Língua Estrangeira: desenvolvimento histórico e perspectivas atuais. Pandaemonium Germanicum, v. 16, n. 22, 2013, pp. 219-241.WELP, A. K. S. A ansiedade e o aprendizado de língua estrangeira. In: Letras de Hoje 44, p.70-77, 2009. Recebido em 30-01-2021Revisões requeridas em 31-03-2021Aceito em 27-04-2021

Biografia do Autor

Marina GRILLI, Universidade de São Paulo (USP)

Mestra em Letras (2018) e doutoranda em Educação pela USP, professora de inglês e alemão.

Milan PUH, Universidade de São Paulo (USP)

Professor da Faculdade de Educação da USP, doutor em Educação (2017) e mestre em Língua e Filologia (2012) pela mesma Universidade.

Downloads

Publicado

01-06-2021

Como Citar

GRILLI, M.; PUH, M. O ENSINO DE ALEMÃO ENQUANTO ATO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: REFLEXÕES A PARTIR DE UM ESTÁGIO DE DOCÊNCIA NA UNIVERSIDADE. Trama, [S. l.], v. 17, n. 41, p. 123–133, 2021. DOI: 10.48075/rt.v17i41.26839. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/26839. Acesso em: 7 dez. 2021.

Edição

Seção

Práticas de Estágio(s) em Discussão