A PRODUÇÃO ESCRITA DE GRADUANDOS COMO GÊNESE DA PESQUISA QUALITATIVA NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v17i41.26843

Palavras-chave:

Letras, Linguística, Teoria do Discurso, Ensino

Resumo


Este artigo discute a gênese da pesquisa qualitativa sobre o ensino no Estágio Supervisionado a partir de produções escritas de graduandos do Curso de Licenciatura em Letras do PARFOR/UFPA. O objetivo é compreender a prova escrita como uma atividade didática de linguagem que contribui para a construção do sentido da pesquisa no Estágio. A fundamentação teórica deste estudo se baseia nas seguintes noções: Estágio com pesquisa (GHEDIN, 2015; GHEDIN; FRANCO, 2011), dialogismo (BAKHTIN, 2009; BRAIT, 2005), sessão de diálogo reflexivo e ações de linguagem (MAGALHÃES, 2004; GERALDI, 2004). Os dados são fragmentos de provas escritas produzidas por graduandos de Letras, refletindo sobre o ensino de Língua Portuguesa, em diálogo com os registros nos diários de aula dos professores-formadores. A metodologia de análise desses dados acontece em dois episódios, considerando os dois momentos da sessão de diálogo reflexivo, junto aos graduandos, sobre seus escritos. Com a análise desses fragmentos a partir das seções de diálogo reflexivo, pode-se perceber que, na superfície textual, os graduandos deixam marcas de suas dificuldades em inscrever, em seu dizer, a articulação entre as ideias dos textos-base e sua posição enunciativa sobre o campo do ensino. Por meio da experiência aqui analisada, os licenciandos puderam refletir sobre seus textos e seu processo de aprendizagem da escrita acadêmica para se posicionarem sobre o ensino de Língua Portuguesa.

Referências:

ANDRÉ, E.D.A. & LUDKE, Menga. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU,1986.

ANDRÉ, M. E. D. A. Etnografia da prática escolar. Campinas, SP: Papirus, 1995.

ANTUNES, Irandé. Aula de Português: encontros e interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

BACHELARD, Gaston. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Tradução de Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BAKHTIN, Mikhail (Volochinov). Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução de M. Lahud e Y. F. Vieira. 6. ed. São Paulo: Hucitec, 2009.

BRAIT, Beth. Bakhtin e a natureza constitutivamente dialógica da linguagem. In: BRAIT, Beth (org.). Bakhtin, dialogismo e construção do sentido. Campinas, SP: Editora Unicamp, 2005, p. 87-98.

CONSEPE-UFPA. Resolução nº 4.128 de 25 de maio de 2011. Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Licenciatura em Letras, adaptado para o PARFOR. Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão. 2011.

CURSO DE LETRAS – PARFOR – UFPA. Instrumento Normativo do Estágio 02/2012, do Curso de Letras –Língua Portuguesa – PARFOR/UFPA. 2012.

FUCHS, C. A paráfrase linguística: equivalência, sinonímia ou reformulação? Tradução de João W. Geraldi. Cadernos de estudos linguísticos, Campinas: Editora da Unicamp, n. 8, p. 129-134, 1985.

GERALDI, João Wanderley. O professor leitor do texto do aluno. In: MARTINS, Maria Helena (org.). Questões de Linguagem. 7. ed. São Paulo: Contexto, 2004, p.47-53.

_________. Portos de Passagem. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

_________. Unidades Básicas do Ensino de Língua Portuguesa. In: Geraldi, João Wanderley (org.). O texto na sala de aula. 4.ed. São Paulo: Ática, 2006, p.59-79.

GHEDIN, Evandro; FRANCO, Maria Amélia Santoro. Questões de Método na Construção da Pesquisa em Educação. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2011.

GHEDIN, Evandro. Estágio com Pesquisa. São Paulo: Cortez, 2015.

INSTITUTO DE LETRAS E COMUNICAÇÃO. Projeto Político Pedagógico do Curso de Letras – PARFOR Letras - UFPA. Instituto de Letras e Comunicação – UFPA. 2010.

LEFFA, Vilson J. Como produzir materiais para ensino de línguas. In: LEFFA, Vilson J. Produção de Materiais de Ensino: práticas e teoria. Pelotas: Educat, 2008, p.15-41.

MAGALHÃES, Maria Cecilia Camargo. A Linguagem na Formação de Professores Reflexivos e Críticos. In: ____(org.) A Formação do Professor como um profissional crítico: linguagem e reflexão. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2004, 59-86.

TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Planejamento de Textos para sua Produção. In: COELHO, Fábio André; PALOMANES, Roza. Ensino de Produção Textual. São Paulo: Contexto, 2016, p. 87-108.

UFPA; SEDUC. Relatório do Plano Decenal de Formação do Estado do Pará. Universidade Federal do Pará e Secretaria de Estado de Educação do Pará. 2008.

ZABALZA, Miguel A. Diários de aula: um instrumento de pesquisa e o desenvolvimento profissional. Tradução de Ernani Rosa. Porto Alegre: Artmed, 2004.

Recebido em 30-01-2021

Revisões requeridas em 10-05-2021

Aceito em 20-05-2021

Biografia do Autor

Herodoto Ezequiel Fonseca da SILVA, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará

Doutor em Letras pela Universidade Federal do Pará. Docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará. Membro dos Grupos de Pesquisa Linguagem, Literatura e Tecnologias na Amazônia (IFPA) e Discurso, Sujeito e Ensino (UFPA). Contato: heroezq@yahoo.com.br.

Márcio Oliveiros Alves da SILVA, Universidade do Estado do Pará.

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Pará. Docente da Universidade do Estado do Pará. Contato: haybe28@yahoo.com.br.

Downloads

Publicado

01-06-2021

Como Citar

SILVA, H. E. F. da; SILVA, M. O. A. da. A PRODUÇÃO ESCRITA DE GRADUANDOS COMO GÊNESE DA PESQUISA QUALITATIVA NO ESTÁGIO SUPERVISIONADO. Trama, [S. l.], v. 17, n. 41, p. 59–72, 2021. DOI: 10.48075/rt.v17i41.26843. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/26843. Acesso em: 9 dez. 2021.

Edição

Seção

Práticas de Estágio(s) em Discussão