ENSINO DE INGLÊS PARA CRIANÇAS: O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO CAMPO DE PRÁXIS EMERGENTES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v17i41.26848

Palavras-chave:

Ensino de inglês, Estágio Supervisionado, Educação infantil, Necessidades Educacionais Especiais

Resumo


Neste artigo problematizamos a importância do estágio nos cursos de licenciaturas em letras, mais especificamente, no âmbito do ensino de inglês para crianças. Analisamos os resultados da aplicação de uma sequência didática (SD) desenvolvida nas aulas de estágio supervisionado, a qual foi elaborada colaborativamente e aplicada em um centro de educação infantil da rede estadual de ensino, junto a uma turma do nível P5, com a presença de alunos de inclusão. Foram analisadas atividades arroladas na SD a partir de referenciais teóricos que abordam o ensino de inglês por meio de gêneros textuais bem como aqueles que tratam da importância da disciplina de estágio supervisionado na formação docente. Os resultados indicam que as reuniões de estágio se constituíram em espaços fundamentais no processo de elaboração das atividades e da organização do material didático utilizado. Além disso, as análises evidenciam que as atividades idealizadas pelos/as estagiários/as criaram possibilidades para o desenvolvimento linguístico das crianças, também para aquelas em contexto de inclusão, tendo em vista o fato de que todas as crianças da turma participaram da produção final e da apresentação do projeto de classe da SD, reafirmando a importância das reflexões realizadas durante a elaboração do material nas reuniões de estágio supervisionado.Referências:AMMER, Christine. The Facts on File dictionary of music. 4th edition. New York: Facts on File Inc., 2004.BARCELOS, A. M. F. Formação de professores de línguas em tempos críticos: desafios e possibilidades sustentados na amorosidade. In: SILVA, W. M.; SILVA, W. R. CAMPOS, D. M. (Orgs). Desafios da formação de professores na linguística aplicada. Campinas, SP: Pontes Editores, 2019, p. 43-58.BAKHTIN, M. M. Estética da criação verbal. Tradução da edição em russo: Paulo Bezerra. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2003.BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Educação é a Base. Brasília, Ministério da Educação (MEC), 2017. Disponível em: <568 http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf>. Acesso em: 05 jan. 2021.BRITO, C. C. P.; RIBAS, F. C. Estágio supervisionado em Língua Inglesa como espaço de (trans)formação de professores. Entrepalavras, Fortaleza, v. 8, n. 3, p. 244-263, out/dez. 2018. Disponível em http://www.entrepalavras.ufc.br/revista/index.php/Revista/article/view/1241. Acesso em: 20 jan. 2021.BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, textos e discurso: por um interacionismo sociodiscursivo. 2 ed. 2. reimpr. São Paulo: EDUC, 2012.BUOSE, V. L. O. P. O uso de sequência didática em práticas de língua inglesa com crianças do programa Mais Educação. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Universidade do Estado de Mato Grosso, Cáceres/MT, 2016.CHEVALLARD, Y. La transposición didáctica: del saber sabio al saber enseñado. Buenos Aires: Aique Grupo Editor, 1994.CIRINO, D. R. S.; DENARDI, D. A. C. Há espaço para o ensino de Inglês para crianças no currículo de cursos de Letras Português-Inglês? Semina. Ciências Sociais E Humanas (online), v. 40, p. 209-224, 2019. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1676-54432019000200006&lng=pt&nrm=isso. Acesso em: 20 jan. 2021.CRISTOVÃO, V. L. L.; STUTZ, L. Sequências didáticas: semelhanças e especificidades no conteúdo francófono como L1 e no contexto brasileiro como LE. In: Szundy, P.T.C.; Araújo, J. C.; Nicolaides, C. S; SILVA, R. A. (Orgs.). Linguística aplicada e sociedade: ensino e aprendizagem de línguas no contexto brasileiro. Campinas: Pontes Editores, 2011, v1, p.17-40.CRISTOVÃO, V. L. L. Gêneros e ensino de leitura em LE: modelos didáticos de gêneros na construção e avaliação de material didático. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada e Estudos da Linguagem) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2001.CARNEIRO, R. U. C., Educação Inclusiva na Educação Infantil. Práxis Educacional, v. 8, p. 81-95, 2012. Disponível em https://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/688. Acesso em: 20 jan. 2021.DENZIN, N.; LINCOLN, Y. A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. IN: DENZIN, N.; LINCOLN, Y. e col. O Planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: ArtMed, 2006, p.15-41.DOLZ, J.; NOVERRAZ, M.; SCHNEUWLY, B. Sequências didáticas para o oral e a escrita: apresentação de um procedimento. In: SCHNEUWLY, B. DOLZ, J. (Orgs) Gêneros orais e escritos na escola. Trad. de Roxane Rojo e Glaís Sales Cordeiro. Campinas: Mercado de Letras, 2004. P.95 128.DOLZ, J. Os cinco grandes desafios da formação docente de línguas. Apresentação oral, SIGET, Caxias do Sul, 2009.DOLZ, J.; PASQUIER, A.; BRONCKART, J. P. L’acquisition des discours: émergence d’une compétence ou apprentissage de capacités langagières? Études de Linguistique Appliquée, n. 102, p. 23-37, 1993. Disponível em https://archive-ouverte.unige.ch/unige:37333.  Acesso em: 20 jan. 2021.FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17a. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários a prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.FONSECA, A. L. S. B. A imposição do Inglês como política linguística: na contramão do plurilinguismo. 110 fls. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Sergipe. Sergipe, 2018.GONÇALVES, T. G. G. L. Escolarização de alunos com deficiência na educação de jovens e adultos: uma análise dos indicadores educacionais brasileiros. 72 fls. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2012.KAWACHI-FURLAN, C.; ROSA, M. M. Mitologia do ensino-aprendizagem de inglês para crianças. Revisa Estudos em Letras, v. 1, n.1, 2020, p. 7-20. Disponível em https://periodicosonline.uems.br/index.php/estudosletras/article/view/5191. Acesso em 29 jan. 2021.LENHARO, R. I. Participação social por meio da música e da aprendizagem da língua inglesa em um contexto de vulnerabilidade social. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Centro de Letras e Ciências Humanas, Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem. Londrina, 2016.MASTRELA-DE-ANDRADE, M. R. Esforços decoloniais e o desejo de romper com binarismos e hegemonias na relação escola-universidade. In: MASTRELA-DE-ANDRADE, M. R. (Org.) (De)Colonialidades na relação Escola-Universidade para a formação de professoras(es) de línguas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2020, p. 13-20.MEDRADO, B. P.; DANTAS, R. Docência e inclusão: o braille virtual como ferramenta na formação de professores. Linguagem: Estudos e Pesquisas, v. 22, n. 1, p. 247-265, jan/jun 2018.Disponível em https://www.revistas.ufg.br/lep/article/view/54491. Acesso em 20 jan. 2021.MERLO, M. C. R. Quanto mais cedo, melhor?: implicações epistemológicas para a educação linguística de crianças. PERcursos Linguísticos, Vitória, ES, v. 9, n. 23, p. 78-88, 2019. Disponível em https://periodicos.ufes.br/percursos/article/view/27965. Acesso em 20 jan. 2021.SILVA, E. C. O. Modelo didático do gênero Rimas de Enigma para o ensino de inglesa no Fundamental I. 273f. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2020.OLIVEIRA, I. W.; WIELEWICKI, H. G. Desafios e perspectivas para a formação de professores de língua estrangeira: em foco a produção do material didático. In: GIMENEZ, T. (Org.) Ensinando e aprendendo inglês na universidade: formação de professores em tempo de mudança. Londrina: MORIÁ, 2003, p. 147 – 152. PENNINGTON, B. F. 1946 – Diagnósticos de distúrbios de aprendizagem: um referencial neuropsicológico. São Paulo: Pioneira, 1997.PEREIRA, N. M. Nursery rhymes e a correspondência formal e funcional na tradução de poesia infantil. Cadernos De Literatura Em Tradução, v. 12, p. 153-172, 2011. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/clt/article/view/49538. Acesso em: 28 de jan. de 2021.SANCHES, I.; TEODORO, A. Da integração à inclusão escolar: cruzando perspectivas e conceitos. Revista Lusófona de Educação, v. 8, p. 63-83, 2006. Disponível em https://revistas.ulusofona.pt/index.php/rleducacao/article/view/691. Acesso em: 20 jan. 2021.SANTOS, L. I. S. Língua inglesa em anos iniciais do ensino fundamental: fazer pedagógico e formação docente. 2009. 198 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, 2009.SANTOS, J. P. C. Uso dos flashcards para o aumento da motivação (compreensão da gramática) na aprendizagem de uma língua estrangeira: será que os flashcards podem facilitar a apresentação e prática da gramática? 2011. 153 fls. Dissertação (Mestrado em Ensino do Inglês e do Alemão em Ensino Básico). Universidade do Porto, Porto, 2011.TANACA, J. J. C. Aprendizagem expansiva em espaços híbridos de formação continuada de professoras de inglês para crianças no Projeto Londrina Global. 255 f. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2017.TONELLI, J. R. A. Histórias infantis no ensino da língua inglesa para crianças. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2005.TONELLI, J. R. A.; CRISTOVÃO, V. L. L. O papel dos cursos de Letras na formação de professores de inglês para crianças. Calidoscopio. V. 8, nº 1, p. 65-76, jan/abr 2010. Disponível em http://revistas.unisinos.br/index.php/calidoscopio/article/view/159. Acesso em: 29 jan. 2021.TONELLI, J. R. A. Contextos (In)explorados no estágio supervisionado nas licenciaturas em Letras/Inglês: o lugar da observação de aulas nos dizeres de alunos-mestres. Signum: Estudos da Linguagem, Londrina, n. 19/2, p. 35-65, dez. 2016. Disponível em http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/signum/article/view/23218. Acesso em: 20 jan. 2021.TONELLI, J. R. A.; FERREIRA, O. H. S. Adaptação de sequência didática para o ensino de inglês a uma criança com transtorno do espectro do autismo. In: Maria Antonieta Alba Celani; Betânia Passos Medrado. (Orgs.). Diálogos sobre inclusão: das políticas às práticas na formação de professores de línguas estrangeiras. 1 ed. Campinas: Pontes, 2017, v. 1, p. 201-228.TONELLI, J. R. A.; FERREIRA, O. H.; BELO-CORDEIRO, A. E. Remendo novo em vestido velho: uma reflexão sobre os cursos de letras-inglês. REVELLI – Revista de Educação, Língua e Literatura, Inhumas/GO, v. 9. p. 124-141. 2017. Disponível em https://www.revista.ueg.br/index.php/revelli/article/view/5666. Acesso em: 20 jan. 2021.TONELLI, J. R. A.; ÁVILA, P. A. A inserção de línguas estrangeiras nos anos iniciais de escolarização e a base nacional comum curricular: silenciamento inocente ou omissão proposital? Revista X, v. 15, p. 243-266, 2020. Disponível em https://revistas.ufpr.br/revistax/article/view/73340/41884. Acesso em: 20 jan. 2021.TONELLI, J. R. A.; BROSSI, G. C.; FURIO, M. O agir de professores de inglês para crianças em formação inicial: conhecendo dois contextos. In: SILVA, A. P. P.; SANTOS, L. I. S.; PHILIPSEN, N. I. (Orgs.). Formação, docência e práticas pedagógicas em linguagens: diferentes contextos em diálogo. Vol. I. Campinas, SP: Pontes Editores, 2018, p. 231 – 266.TUTIDA, A. F. Ensino de língua inglesa para crianças: questões sobre formação de professores e os saberes da prática. Dissertação (Mestrado em Estudos da Linguagem) – Universidade Estadual de Londrina, Centro de Letras e Ciências Humanas, Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem, 2016. 339 f.WOLFENBERGER, W. The principle of normalization in human services. National Institute on Mental Retardation (N.I.M.R.), Toronto, Canadá, janeiro de 1972.VYGOTSKY, L. S. Psicologia pedagógica. São Paulo: Martins Fontes, 2001.VYGOTSKY, L. S. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São Paulo: Ícone/Edusp, 1988.Recebido em 30-01-2021Revisões requeridas em 31-03-2021Aceito em 28-04-2021

Biografia do Autor

Otto Henrique Silva FERREIRA, Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Mestrando no Centro de Letras e Ciências Humanas - Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem (UEL).Membro do Grupo de Pesquisa FELICE/ CAPES-CNPq (Formação de professores e ensino de línguas para crianças).

Juliana Reichert Assunção TONELLI, Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Programa de Pós-graduação em Estudos da Linguagem; Mestrado Profissional em Letras Estrangeiras Modernas.Membro do Grupo de Pesquisa FELICE/CAPES-CNPq (Formação de professores e ensino de línguas para crianças).

Downloads

Publicado

01-06-2021

Como Citar

FERREIRA, O. H. S.; TONELLI, J. R. A. ENSINO DE INGLÊS PARA CRIANÇAS: O ESTÁGIO SUPERVISIONADO COMO CAMPO DE PRÁXIS EMERGENTES. Trama, [S. l.], v. 17, n. 41, p. 150–161, 2021. DOI: 10.48075/rt.v17i41.26848. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/26848. Acesso em: 1 dez. 2021.

Edição

Seção

Práticas de Estágio(s) em Discussão