PSEUDO-ATIVIDADE EM A PAIXÃO SEGUNDO G.H. (1964), DE CLARICE LISPECTOR

Autores

  • Thays Pretti
  • Marisa Corrêa Silva

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v9i17.8212

Palavras-chave:

Clarice Lispector, Materialismo Lacaniano, Falsa atividade.

Resumo


Este trabalho é uma análise de A paixão segundo G.H. (1964), de Clarice Lispector, a partir do viés do Materialismo Lacaniano. Nosso interesse se concentra no primeiro dos trinta e três capítulos que compõem a obra, o qual relacionamos com o conceito de falsa atividade, ou pseudo-atividade, de acordo com Slavoj Žižek. A principal conclusão à qual chegamos a partir da análise realizada é a de que o uso da falsa atividade como recurso estilístico potencializa a sensação de trauma e de deslocamento que o texto veicula por meio da narradora, em relação aos fatos narrados na obra.  

Downloads

Publicado

28-05-2013

Como Citar

PRETTI, T.; CORRÊA SILVA, M. PSEUDO-ATIVIDADE EM A PAIXÃO SEGUNDO G.H. (1964), DE CLARICE LISPECTOR. Trama, [S. l.], v. 9, n. 17, p. 167–176, 2013. DOI: 10.48075/rt.v9i17.8212. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/8212. Acesso em: 18 jan. 2022.

Edição

Seção

ARTIGO