“Meninos carvoeiros”: a linguagem prosaica como embate no palco das pulsões individuais e das coerções sociais

Autores

  • Gládiston de Souza Coelho

Palavras-chave:

Manuel Bandeira, Meninos carvoeiros, Modernidade, Poesia, Prosaico

Resumo


O escopo do presente artigo é a análise da malha poética do poema “Meninos carvoeiros”, de Manuel Bandeira, no qual se observa o embate travado pela linguagem prosaica com o sistema linguístico, que materializa o trágico que perpassa o fio condutor do poema: o ritmo do trabalho duro dos pequenos carvoeiros amenizado pela leveza da linguagem com que o autor constrói sua lírica.

Referências

BANDEIRA. Manuel. Carnaval. Rio de janeiro: edição do autor, 1919; Rio de janeiro: Nova Fronteira / casa de Rui Barbosa (edição crítica), 1986.

______. De poetas e poesia. Rio, MEC (1954). Col. “Cadernos de Cultura”, n° 64.

CALVINO, Ítalo. Seis propostas para o próximo milênio: lições americanas. Trad. Ivo Barroso. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

HEGEL, G.W.F. Cursos de estética. Vol. IV. Trad. Marco Aurélio Werle, Oliver Tolle. Consultoria de Victor Knoll. São Paulo: editora da Universidade de São Paulo, 2004. (Clássicos; 26).

KOSÍK, Karel. Dialética do concreto. Trad. Célia Neves e Aldorico Toríbio. 2. Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.

MORSON, Gary Saul; EMERSON, Caryl. Mikhail Bakhtin: criação de uma prosaística. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.

PAZ, Octavio. A outra voz. São Paulo: Siciliano, 2001.

THOMSON, George. Marxismo e poesia. Lisboa: Editorial Teorema, 1997.

Downloads

Publicado

01-07-2016

Como Citar

COELHO, G. de S. “Meninos carvoeiros”: a linguagem prosaica como embate no palco das pulsões individuais e das coerções sociais. Travessias, Cascavel, v. 10, n. 2, p. 1–13, 2016. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/12695. Acesso em: 25 out. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: LITERATURA, LEITORES, TEXTOS PRETEXTOS E DESTERRITORIALIDADES.