Precursora da crítica feminista? Quem foi Juana Inés de La Cruz

Autores

Palavras-chave:

Literatura Comparada, Estudos de Gênero, Sóror Juana Inés de la Cruz.

Resumo


Este artigo possui o propósito de refletir sobre o trabalho de Sóror Juana Inés de la Cruz, e assim construir pontes entre a linguagem literária e as interfaces sociológicas, principalmente no que se refere a estudos de Gênero e a literatura. Para tanto, buscou-se descrever o contexto sócio-histórico da poetisa e dramaturga que foi muito além do seu tempo. Seu trabalho provocou efeitos, não apenas na sociedade mexicana do século XVII, mas inaugura o pensamento feminista, compreendido no sentido de preconizar e ampliar os direitos civis e políticos da mulher. Para abarcar o tema supracitado, será utilizado como fonte primária o material produzido por Octavio Paz, intitulado “Sóror Juana Inés de la Cruz”, uma obra que não aborda apenas os aspectos biográficos da poetisa, mas acentua também o caráter histórico, antropológico e uma crítica literária de toda sua obra. Autores como Freud (1969), Cassirer (2013), e Eliade (2016) também subsidiaram esta construção. O referencial teórico-metodológico da Sociocrítica, bem como da Literatura Comparada constitui uma excelente ferramenta que possibilita a tessitura de uma análise do material, promovendo um diálogo frutífero entre as poesias a serem analisadas e o referencial teórico da Psicanálise. Juana Inés de La Cruz ao invés de falar sobre o outro, produziu um espaço fecundo para que esse outro pudesse se expressar, e se tornou, não apenas a primeira figura literária feminina marcante daquele período, como também contribuiu para a construção de novos sentidos para a mulher e seu existir, muito além da literatura.

Biografia do Autor

Adriana Goreti de Oliveira Lopes, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Em doutoramento em Literatura Comparada - UNIOESTE- Analista Junguiana. Membro do Instituto Junguiano do Paraná (2016), Membro da Associação Junguiana do Brasil (AJB) e International Association for Analytical Psychology (IAAP), Mestre em Saúde Coletiva - UERJ (2009), Psicóloga Clínica - Unipar (2004). Docente em cursos de pós-graduação em áreas de Psicologia e afins.

Acir Dias Da Silva, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Doutorado em Educação

UNICAMP/SP

Ano de titulação: 2004

Curriculo Lattes: http://lattes.cnpq.br/6902191554348937

Referências

CASSIRER, Ernest. Linguagem e Mito. [Tradução J. Guinsburg, Miriam Schanaiderman]. São Paulo: Perspectiva, 2013.

ELIADE, Mircea. Mito e Realidade. [Tradução Pola Civelli]. São Paulo: Perspectiva, 2016.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 8. Ed. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: A vontade de saber. 16. Ed. Rio de Janeiro: Graal, 2005.

FREUD, Sigmund. Observações Adicionais Sobre as Psiconeuroses de Defesa. In: J. Strachey (Ed. e J. Salomão, Trad.), Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. (Vol. III, pp. 159-183). Rio de Janeiro: Imago. (Original publicado em 1896).1969.

HISTORY. Morre Sóror Juana Inés de la Cruz. Disponível em : < https://seuhistory.com/hoje-na-historia/morre-soror-juana-ines-de-la-cruz > Acesso em 22 de abr. 2018.

PAZ, Octavio. Sóror Juana Inés de la cruz: as armadilhas da fé. [Tradução Wladir Dupont]. São Paulo: Mandarim. 1998.

WENTH, Renata. Alquimia a Arte do Tempo. Cadernos Junguianos. nº 1, 2005. 88.103, p. 91, apud de Von-Franz, 1997, p. 65.

ZOLIN, Lúcia Osana. Crítica Feminista. In: BONNICI, Thomas; Zolin, Lúcia Osana. Teoria Literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. 3. ed. rev. E ampl. – Maringá: Eduem, 2009.

Downloads

Publicado

29-12-2018

Como Citar

LOPES, A. G. de O.; DA SILVA, A. D. Precursora da crítica feminista? Quem foi Juana Inés de La Cruz. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 4, p. 149–162, 2018. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/21270. Acesso em: 25 maio. 2022.

Edição

Seção

LITERÁRIA