Seres e saberes em evolução:

metodologias participativas e mídias na educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i3.27715

Palavras-chave:

BNCC, Ensino Híbrido, Metodologias Participativas, Mídias na Educação.

Resumo


Tomando como alicerce a linguagem como prática de interação social preconizada pela Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o ensino por metodologias participativas aplicadas em consonância ao modelo de Ensino Híbrido (EH), imprescindível nos dias atuais, apresentamos, neste artigo, a experiência vivenciada em um colégio estadual cívico militar do estado do Paraná, ancorada na aplicação de atividades didático-pedagógicas distintas, por nós elaboradas, capazes de garantir a aprendência por meio do contato direto com a Tecnologia de Comunicação Digital (TCD), a partir da utilização das mídias. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, sustentada na teoria da Linguística Aplicada (LA), a qual, em conformidade com a BNCC, tem por objeto de estudo, a linguagem como prática social, pois, assim como Dal Molin (2003), Moita Lopes (2006) e Serres (2013), os quais versam sobre a urgência de mudanças do modelo de ensino tradicional e instigam a busca de modelos mais condizentes com a atual demanda de alunos, nascidos na era digital, afiançamos que a aprendência concretiza-se mais eficazmente a partir da motivação e do protagonismo dos alunos em constante busca pela construção do conhecimento. Tais atividades nos levaram a concluir que as metodologias participativas em consonância com as mídias digitais são cruciais para o desenvolvimento de diversas competências apontadas pela BNCC, bem como para a apropriação das linguagens multimodais presentes nas plataformas midiáticas e para o aprendizado oriundo das interações sociais, sob uma visão crítica do que estabelece a BNCC e o que a realidade nos oferece em termos de exequibilidade.

Biografia do Autor

Iara Mikal Holland Olizaroski, Universidade do Oeste do Paraná (Unioeste)

Aluna da Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras, Área de Concentração em Linguagem e Sociedade, Nível de Doutorado, da Universidade do Oeste do Paraná (Unioeste), de Cascavel-PR. Mestra em Letras, pela mesma Universidade (2017). Pós-graduada em AEE – Atendimento Educacional Especializado e Educação Inclusiva (2020), Educação Especial (2009) e em Língua Portuguesa (2002). Graduada em Letras - Licenciatura Plena em Português e Inglês (1997). Docente no curso de Letras Libras/Libras - Licenciatura e Bacharelado do NEaDUNI/Unioeste/UAB, na Rede Estadual de Educação do Paraná (Seed) e na Rede Municipal de Educação de Cascavel-PR (Semed).

Cleuza Maria Reichert, Universidade do Oeste do Paraná (Unioeste)

Aluna da Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras, Área de Concentração em Linguagem e Sociedade, Nível de Mestrado, da Universidade do Oeste do Paraná (Unioeste), de Cascavel-PR. Mestra em Ciências de La Educación, pela Universidad Técnica de Comercialización y Desarrollo (UTCD) (2012). Graduada em Letras – Licenciatura Plena em Português e Inglês (2006). Pós-graduada em Educação Infantil (2003). Graduada em Serviço Social (2002). Docente da Rede Estadual de Educação do Paraná (Seed).

Andreia Jaqueline Bach, Secretaria de Estado da Educação do Paraná (SEED)

Especialista em Psicopedagogia Institucional e Clínica pela Faculdade de Ensino Superior de Marechal Cândido Rondon (2003). Especialista em Neuroaprendizagem pela Faculdade São Braz (2016). Graduada em Letras - Português pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste (2002). Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual de Maringá(UEM) 2018. Docente da rede municipal de ensino de Marechal Cândido Rondon- PR,  desde 2003, atualmente exercendo a função de assessora pedagógica na Secretaria de Educação desde 2017. Docente de língua portuguesa da rede estadual de ensino do Estado do Paraná desde 2015. Articuladora local do Programa de Inovação Educação Conectada do MEC desde 2018.

Beatriz Helena Dal Molin, Universidade do Oeste do Paraná (Unioeste)

Professora titular da Universidade do Oeste do Paraná (Unioeste), de Cascavel-PR, nos cursos de Graduação e Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras, Área de Concentração em Linguagem e Sociedade, Nível de Mestrado e Doutorado. Coordenadora do Núcleo de Educação a Distância do NEaDUNI/UaB. Pós-doutorado no programa de Engenharia e Gestão do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina (USFC). Doutora em Engenharia de Produção na área de Mídia e Conhecimento (2003). Mestre em Linguística na área de Análise do Discurso (1994). Graduada em Letras- Francês (1977).

Referências

ASSMANN, Hugo. Reencantar a Educação: Rumo à Sociedade Aprendente. Petrópolis: Vozes, 1998.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a Base. Brasília: MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/. Acesso em: 20 mar. 2021.

BRASIL. Resolução nº 2, de 22 de dezembro de 2017. Institui e orienta a implantação da Base Nacional Comum Curricular, a ser respeitada obrigatoriamente ao longo das etapas e respectivas modalidades no âmbito da Educação Básica. Brasília: MEC/CNE/CP, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/RESOLUCAOCNE_CP222DEDEZEMBRODE2017.pdf. Acesso em: 27 mar. 2021.

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO (Paraná). Deliberação nº 01, de 05 de fevereiro de 2021. Normas para a organização do ensino híbrido e outras providências, em vista do caráter excepcional, no ano letivo de 2021, no Sistema Estadual de Ensino do Estado do Paraná. Paraná: CEE/PR, 2021. Disponível em: http://www.cee.pr.gov.br/Pagina/2021-Deliberacoes. Acesso em: 19 jun. 2021.

DAL MOLIN, Beatriz Helena; OLIZAROSKI, Iara Mikal Holland; REICHERT, Cleuza Maria. Novos tempos, novos seres, novos saberes: uma proposta didático-pedagógica por meio de metodologias ativas no ensino híbrido. p. 592-617. In: HABOWSKI, Adilson Cristiano; CONTE, Elaine (org.). Imagens do pensamento: sociedade hiper complexa e educação remota. São Paulo: Pimenta Cultural, 2020.

DAL MOLIN, Beatriz Helena. Do tear a tela: uma tessitura de linguagens e sentidos para o processo de Aprendência. 2003. 237 f. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção). Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Florianópolis, SC, 2003.

MENEZES, Vera Lúcia; SILVA, Marina Morena dos Santos; GOMES, Iran Felipe Alvarenga. Sessenta anos de Linguística Aplicada: de onde viemos e para onde vamos. In: PEREIRA, Regina Celi; ROCA, Pilar. Linguística Aplicada: um caminho com diferentes acessos. São Paulo: Contexto, 2009.

MOITA LOPES, Luiz Paulo. Uma linguística aplicada mestiça e ideológica: interrogado o campo como linguística aplicado. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo (org.). Por uma Linguística Aplicada INdisciplinar. São Paulo: Parábola, 2006. p. 13-44.

MORAN, José Manuel. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias. Informática na Educação: Teoria & Prática. Porto Alegre, v. 3, n. 1, set. 2000. p. 137-144.

MORAN, José Manuel. Educação Híbrida: Um conceito-chave para a educação, hoje. In: BACICH, Lilian; TANZI NETO, Adolfo; TREVISANI, Fernando de Mello (org.) Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015. p. 1-14. Disponível em: http://www2.eca.usp.br/moran/wp-content/uploads/2021/01/educa%C3%A7%C3%A3o_h%C3%ADbrida.pdf. Acesso em: 15 maio 2020.

PARANÁ. Decreto nº 4.230, de 16 de março de 2020. Dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do Coronavírus – COVID-19. Paraná, 2020. Disponível em: https://www.legisweb.com.br/legislacao/?id=390948. Acesso em: 27 maio 2020.

SERRES, Michel. Polegarzinha. Tradução de Jorge Bastos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

RODRIGUES, Raquel Timponi Pereira. Modos de leitura do jovem brasileiro contemporâneo: um estudo dos audiolivros e dos livroclipes. 2015. 401 f. Tese (Doutorado em Comunicação Social). Programa de Pós-Graduação da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro, RJ, 2015. Disponível em: http://www.pos.eco.ufrj.br/site/teses_dissertacoes_interna.php?tease=16. Acesso em: 18 maio 2020.

Downloads

Publicado

20-12-2021

Como Citar

HOLLAND OLIZAROSKI, I. M.; REICHERT, C. M.; BACH, A. J.; DAL MOLIN, B. H. Seres e saberes em evolução:: metodologias participativas e mídias na educação . Travessias, Cascavel, v. 15, n. 3, p. 83–98, 2021. DOI: 10.48075/rt.v15i3.27715. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/27715. Acesso em: 22 jan. 2022.

Edição

Seção

EDUCAÇÃO