Tire seus padrões do meu corpo

a dinâmica complexa de discursos de resistência no Instagram

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v16i1.28114

Palavras-chave:

Instagram, #corpolivre, Teoria dos Sistemas Dinâmicos Complexos

Resumo


As redes sociais digitais são, naturalmente, constitutivas das práticas sociais contemporâneas e se estabelecem como espaços importantes de construção e reconstrução de significações de ordem histórica, cultural, ideológica, discursiva e estética para os sujeitos que nelas se inscrevem. Essas redes se configuram, portanto, como espaços complexos e dinâmicos, e dependentes das relações discursivas e de linguagem em todas as suas modalidades e plasticidades. Neste contexto, aquilo que é discursivamente produzido nestas redes passa por um processo de complexificação e assume papéis importantes na vida das pessoas. Assim, esta pesquisa, de orientação metodológica exploratória e qualitativa, possui o objetivo de compreender a dinâmica complexa dos funcionamentos discursivos instituídos pela hashtag #corpolivre na rede social Instagram. Para isso, nos ancoramos na indisciplinaridade (MOITA LOPES, 2006), na transgressividade (PENNYCOOK, 2006) e na criticidade (RAJAGOPALAN, 2003) da Linguística Aplicada e utilizamos a Teoria dos Sistemas Dinâmicos Complexos para a realização das análises, fazendo-nos crer que a rede social em questão é um sistema orgânico de práticas de linguagem propiciador de condições para a emergência de padrões que complexificam os entendimentos éticos e estéticos do corpo enquanto um agente de resistência e de (re)existência que, discursivamente, se agrega e se dilata nas redes sociais por meio da incorporação da hashtag #corpolivre.

Biografia do Autor

Renan Monezi Lemes, Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat)

Graduado em Licenciatura plena em Letras- Português/Inglês- Universidade do Estado de Mato Grosso; Atualmente cursa Mestrado em Linguística no Programa de Pós Graduação em Linguística- PPGL da Universidade do Estado de Mato Grosso. Atuante na área de Linguística Aplicada, com enfoque em práticas de ensino-aprendizagem de segunda língua, língua adicional, língua estrangeira, PLAc- Português como Língua de Acolhimento e Teoria da Complexidade e do Caos.

Sanny Kellen Anjos Cavalcante Canuto, Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat)

Doutoranda em Linguística (UNEMAT). Mestre em Linguística (UNEMAT). Graduada em Letras (UEA). Especialista em Linguística Aplicada na Educação (Faculdade Única). Participou do Programa de Iniciação Científica (PAIC), (2014 -2016), e do Programa de Monitoria (PROGRAD) de 2016-2017. Possui experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Infantojuvenil, Linguística, Linguística Aplicada e Pragmática. Atualmente, o interesse de pesquisa recai sobre posicionamentos negros e quilombolas em ambientes digitais, identidades quilombolas, ações afirmativas e populações consideradas marginalizadas. É integrante o Grupo de Pesquisa CNPq: Linguagem, Tecnologia e Contemporaneidade em Linguística Aplicada (LINTECLA).

Rodrigo de Santana Silva, Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat)

Doutor e Mestre em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da UNEMAT. Graduado em Letras pela Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT). Professor Efetivo de Língua Inglesa na Secretaria de Estado de Educação, Esporte e Lazer de Mato Grosso. Atua no Grupo de pesquisa Linguagem Tecnologia e Contemporaneidade em Linguística Aplicada - LINTECLA e desenvolve pesquisas em Linguagem, Tecnologia e Ensino. Editor Científico na Revista de Estudos Acadêmicos de Letras, da Universidade do Estado de Mato Grosso.

Referências

BAKHTIN, M. Freudismo: um esboço crítico. 2. ed. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Perspectiva, 2014.

BAKHTIN, M. Questões de Literatura e Estética: a teoria do romance. Trad. Aurora Bernardini e outros. São Paulo: Ed. UNESP, 1998.

BARTOON, D. LEE. C. Linguagem Online: textos e práticas digitais. 1. ed. Trad. Milton Camargo Mota. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

BAUMAN. Z. Individualidade. In: BAUMAN. Z. Modernidade Líquida. 1. ed. Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001. p. 64-106.

MESQUITA, G. Gordofobia ou pressão estética? Revista Trip, 2019. Disponível em: https://bit.ly/Gordofobia2. Acesso em: 11 maio 2021.

LARSEN-FREEMAN, D.; CAMMERON, L. Complex Systems and Applied Linguistics. Oxford: Oxford University Press, 2008.

MOITA LOPES. L. P. Uma linguística aplicada mestiça e ideológica. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. 1. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 13-42.

NERY, J. O.; SANTIAGO, A. Gordofobia: discursos e estratégias de empoderamento de mulheres gordas ao preconceito. In: ENCONTRO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNI7, 13., 2018, Fortaleza. Anais [...]. Fortaleza: Uni7, 2018.

OLIVEIRA, J. D. F. Tradução, adaptação cultural e validação da “Body Image Guilt and Shame Scale” (BIGSS) para a língua portuguesa no Brasil. 2015. 146 f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2015.

PAIVA, V. L. M. O. Narrativas multimídia de aprendizagem de Língua inglesa: um gênero emergente. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS DE GÊNEROS TEXTUAIS, 4., 2007, Santa Catarina. Anais [...]. Florianópolis: Unisul, 2007. p. 1968-1977, 2007. Disponível em: https://bit.ly/2zPYEDK. Acesso em: 04 ago. 2021.

PAIVA, V. L. M. O. Facebook: um estado atrator na internet. In: ARAÚJO; J. LEFFA; V. (org.). Redes Sociais e ensino de línguas: o que temos de aprender? São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

PENNYCOOK, A. Uma Linguística Aplicada Transgressiva. In: MOITA LOPES, L. P. (org.). Por uma Linguística Aplicada Indisciplinar. 1. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 67-83.

PIZA, M. V. O fenômeno Instagram: considerações sob a perspectiva tecnológica. 2012. 48 f. Monografia (Graduação em Sociologia) – Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

RAJAGOPALAN. K. Por uma linguística crítica: linguagem, identidade e questão ética. São Paulo: Parábola, 2003.

RECUERO, R. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Sulina, 2009.

SANTOS; N. M. O. O Limite das Exposições nas Redes Sociais e o Direito à Liberdade de Expressão: um estudo sobre os efeitos negativos da superexposição das pessoas nas redes sociais e seus impactos no ordenamento jurídico. 2020. 56 f. Monografia (Graduação em Direito) – Fundação Educacional do Município de Assis – FEMA, São Paulo, 2020.

SILVA, V. Grupo como sistema adaptativo complexo: um estudo das práticas de ensino e aprendizagem no contexto do Facebook. In: SILVA. W. M; BORGES. E. F. V. (org.). Complexidade em ambientes de ensino e de aprendizagem de línguas adicionais. Curitiba: CRV, 2016. p. 51-60.

SILVA, V.; SILVA. R. S. Das infovias às ruas: O Facebook e as manifestações sociais na perspectiva da teoria do caos/complexidade. RUA, Campinas, v. 21, n. 2., p. 285-302. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rua/article/view/8642470. Acesso em: 20 ago. 2021.

TOMAÉL, M. I.; MARTELETO, R. M. Redes Sociais: posições dos atores no fluxo da informação. Encontros Bibli, Florianópolis, v. 11, n. 22, p. 75-91, 2006.

TOMASINE, V. Padrões de beleza: pressão estética, consequências e amor próprio. Fala Universidades, por Vitória Prates. 2020. Disponível em: https://bit.ly/Padroesdebeleza. Acesso em: 11 maio 2021.

YARIME, M; KHARRAZI, A. O ambiente como sistema socionatural, dinâmico e complexo: oportunidades e desafios de políticas públicas na promoção da sustentabilidade global. In: FURTADO, B. A.; SAKOWSKI, P. A. M.; TÓVOLLI, M. H. Modelagem de sistemas complexos para políticas públicas. Brasília: IPEA, 2015.

Downloads

Publicado

30-04-2022

Como Citar

LEMES, R. M.; CANUTO, S. K. A. C.; SILVA, R. de S. Tire seus padrões do meu corpo: a dinâmica complexa de discursos de resistência no Instagram . Travessias, Cascavel, v. 16, n. 1, p. 12–29, 2022. DOI: 10.48075/rt.v16i1.28114. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/28114. Acesso em: 14 ago. 2022.

Edição

Seção

LINGUAGEM