A METÁFORA E A EXPRESSIVIDADE DAS CORES EM G. K. CHESTERTON

Autores

  • Lilian Agg Garcia

Palavras-chave:

Literatura, Linguagem, Tradução

Resumo


O presente trabalho realiza uma breve análise descritiva acerca de onze excertos do conto “The Invisible Man” de Gilbert Keith Chesterton traduzido pelos brasileiros Carlos Ancêde Nougué e Lúcia Santaella, com foco na receptividade emocional e / ou intelectual dos leitores brasileiros e nas estratégias de tradução, sob a luz teórica de Van den Broeck e Toury que consideram que a análise da expressão metafórica deve ser feita pelo contexto. A metodologia para análise da tradução é embasada no método proposto por Lambert & Gorp.  O objetivo é atentar à prática tradutória que deve considerar fatores socioculturais condicionantes para alcançar o leitor da cultura-alvo, proporcionando sentido ao texto traduzido e trazendo a obra “original” publicada na Europa em 1914 ao Brasil dos anos de 1997 e de 2006 com marcas socioculturais do leitor-alvo e assim como do leitor-fonte. Palavras-chave: Tradução, Metáforas, Contexto, Leitor-alvo, Estratégias de Tradução.

Downloads

Publicado

04-11-2011

Como Citar

GARCIA, L. A. A METÁFORA E A EXPRESSIVIDADE DAS CORES EM G. K. CHESTERTON. Travessias, Cascavel, v. 5, n. 2, 2011. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/4560. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

TRADUÇÕES