A OBRIGATORIEDADE DO ENSINO DE MÚSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE DO PROCESSO HISTÓRICO-POLÍTICO

Autores

  • Carla Angelica Sella Marianayagam
  • Edaguimar Orquizas Viriato

Palavras-chave:

Políticas Educacionais, Escola Pública, Ensino de Música.

Resumo


Procura-se, neste artigo, contextualizar a inclusão da Música e de seu ensino nas políticas educacionais brasileiras por meio de uma breve retomada histórico-política, analisando os descaminhos da Educação Musical no Brasil, desde a educação jesuítica até o surgimento dos Parâmetros Curriculares Nacionais. Anuncia-se que a legislação educacional estabelece, há décadas, um espaço para a arte, em suas diversas linguagens, nas escolas regulares de Educação Básica; mas que, no entanto, a presença da Música no currículo escolar foi marcada pela indefinição de uma política que garantisse o ensino da Música como conteúdo escolar. Sinaliza-se também a abertura de um novo caminho para a Música na educação escolar, por intermédio da promulgação da Lei 11.769/08, a qual estabelece a obrigatoriedade do Ensino de Música, analisando o processo que culminou com a sanção da referida Lei. Conclui-se com algumas reflexões e questionamentos acerca do ensino da Música nas escolas regulares da Educação Básica e postulando que investigar a situação da Educação Musical, discutindo as possibilidades e limitações da nova legislação que se impõe, faz parte do processo de desbravamento de um novo caminho que se descortina através da possibilidade de democratização do estudo da música.

Downloads

Publicado

03-09-2013

Como Citar

SELLA MARIANAYAGAM, C. A.; VIRIATO, E. O. A OBRIGATORIEDADE DO ENSINO DE MÚSICA NA EDUCAÇÃO BÁSICA BRASILEIRA: UMA ANÁLISE DO PROCESSO HISTÓRICO-POLÍTICO. Travessias, Cascavel, v. 7, n. 1, 2013. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/7793. Acesso em: 21 out. 2021.

Edição

Seção

EDUCAÇÃO