Autoeficácia dos formandos de bacharelado de educação física em relação ao exercício profissional

Ana Luiza Barbosa Anversa, Thais da Fonseca Mesquita

Resumo

Objetivo: analisar as crenças de autoeficácia dos formandos de Educação Física Bacharelado em relação ao exercício profissional. Métodos: adotou-se a metodologia quantitativa do tipo descritiva e inferencial. Participaram da amostra 44 acadêmicos de Educação Física Bacharelado regulamente matriculados no último ano do curso de uma instituição de ensino superior privada de Maringá (PR). Para coleta de dados foi utilizado a Escala de Autoeficácia na Formação Superior e um questionário sociodemográfico. Para verificar o nível de associação entre autoeficácia geral e variável sociodemográfica utilizou-se o teste de qui-quadrado, sendo que, para os demais dados foi utilizado a estatística descritiva. Foi adotado o nível de significância de p≤0,05. Resultados: A maioria dos acadêmicos é do sexo masculino (52,3%), do período matutino (59,1%) e estão engajados no estágio remunerado (77,3%) em um período específico do dia (43,2%). Quanto a complementação da formação em ações de pesquisa e extensão nota-se pouca participação dos acadêmicos, apenas 34,1% apontam ter participado de projeto de extensão e 47,7% relatam buscar cursos de atualização frequentemente ou sempre. Sobre os níveis de autoeficácia, nota-se que o maior índice está na regulação de formação profissional (md= 8,43) e o menor índice (md= 7,21) nas ações proativas, demonstrando que os acadêmicos do último ano apresentam dificuldade em aproveitar ou promover oportunidades de formação. Por fim, ao analisar o nível de associação entre a autoeficácia geral dos acadêmicos e as variáveis sócio demográficas investigadas, foi encontrada diferença significativa apenas em relação ao sexo (p≤ 0,05), demonstrando que as mulheres têm maior autoeficácia que os homens. Conclusão: Os acadêmicos apresentaram bons índices de autoeficácia, no entanto carecem de ações que fortaleçam posturas proativas frente às demandas da formação e profissão.

ABSTRACT. Self-efficacy of bachelor’s physical education trainers in relation to the professional exercise. Objective: to analyze the beliefs of self-efficacy in initial training and the expectations of graduates of Physical Education Bachelor in relation to the professional exercise. Methods: the quantitative methodology of the descriptive and inferential type was adopted. The sample was composed of 44 undergraduate students enrolled in the Bachelor of Physical Education course enrolled in the last year of a private higher education institution in Maringá (PR). Data were collected using the Self-efficacy Scale in Higher Education and a sociodemographic questionnaire. To verify the level of association between general self-efficacy and socio-demographic variables, the chi-square test was used, and descriptive statistics were used for the other data. The level of significance of p≤0.05 was adopted. Results: the majority of the students are males (52.3%), of the morning (59.1%) and are engaged in paid work (77.3%) in a specific period of the day (43.2% %). When completing training in research and extension actions, there is little academic participation in these actions, with only 34.1% reporting having participated in an extension project, and only 47.7% reported seeking refresher courses frequently or ever. Regarding the levels of self-efficacy, it is observed that the highest index is in the regulation of professional training (md=8.43) and the lowest index (md=7.21) in proactive actions, showing that last year’s academics have difficulty take advantage of or promote training opportunities. Finally, when analyzing the level of association between the general self-efficacy of the students and the socio-demographic variable, a significant difference was found only in the comparison by sex (p≤0.05), demonstrating that women are more self-efficacious than men. Conclusion:  In general, the students presented good self-efficacy indexes, however, they lack actions that strengthen proactive positions in relation to the demands of the training and profession.

Palavras-chave

Autoeficácia; Formação Inicial; Educação Física.

Texto completo:

PDF

Referências

ANVERSA, A. L. B. A formação acadêmica do bacharel em educação física no Paraná e sua relação com o campo de atuação profissional. 2011. 107f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2011.

ANVERSA, A. L. B. Estágio curricular e a constituição da identidade profissional do bacharel em educação física. 2017. 168f. Tese (Doutorado em Educação Física) - Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2017.

ANVERSA, A. L. B.; BISCONSINI, C. R.; TEIXEIRA, F. C; BARBOSA-RINALDI, I. P.; OLIVEIRA, A. A. B. O estágio curricular em educação física - bacharelado. Kinesis, Santa Maria, v. 33, n. 1, p. 24-39, 2015.

BALDOINO, A. S; VERAS, R. M. Mapeamento de atividades de integração ensino-serviço adotadas em cursos de saúde da UFBA. CIAIQ, Aracajú, v. 1, n. 1, p. 415-20, 2015.

BARROS, M.; SANTOS, A. C. B. Por dentro da autoeficácia: um estudo sobre seus fundamentos teóricos, suas fontes e conceitos correlatos. Revista Espaço Acadêmico, Maringá, v. 1, n. 112, p. 1-9, 2010.

BIONDI, D.; ALVES, G. C. A extensão universitária na formação de estudantes do curso de engenharia florestal – UFPR. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 26, n. 1, p. 209-224, 2011.

BISCONSINI, C. R.; DE OLIVEIRA, A. A. B. A Prática como componente curricular na formação inicial de professores de educação física. Movimento, Porto Alegre, v. 24, n. 2, p. 455-470, 2018.

BRAGA, A. E. S. Estágio supervisionado/prática como componente curricular, 1999. Disponível em: . Acessado em: 12 de novembro de 2018.

BZUNECK, J. A. As crenças de auto-eficácia e o seu papel na motivação do aluno. In: BZUNECK, J. A.; BORUCHOVITCH, E. (Org.) A motivação do aluno: contribuições da psicologia contemporânea. Petropolis: Vozes, 2001. p. 116-33.

DA COSTA FILHO, R. A.; IAOCHITE, R. T. Experiências de ensino no estágio supervisionado e autoeficácia para ensinar educação física na escola. Journal of Physical Education, Maringá, v. 26, n. 2, p. 201-11, 2015.

DACOSTA, L. P. da Formação profissional em Educação Física, esporte e lazer no Brasil: memória, diagnóstico e perspectivas. Blumenau: FURB, 1999.

FREIRE, E. S.; VERENGUER, R. C. G.; REIS, M. C. C. Educação Física: pensando a profissão e a preparação profissional. Revista Mackenzie de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 39-46, 2009.

GERHARDT, T. E. I.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

MARTINS, M.; ONOFRE, M.; COSTA, J. Experiências de formação que tornam o futuro professor de educação física mais confiante no início do estágio. Boletim Sociedade Portuguesa de Educação Física, Linda-a-Velha, v. 1, n. 38, p. 27-43, 2017.

NASCIMENTO, J. V. Formação Profissional em Educação Física: Contextos de desenvolvimento curricular. Montes Claros: Unimontes, 2002.

OURIQUE, L. Autoeficácia e personalidade no planejamento de carreira de universitários. 2010. 85f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade Federal do Rio grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

POLYDORO, S. A. J.; GUERREIRO-CASANOVA, D. C. Escala de Autoeficácia na Formação Superior: Construção e estudo de validação. Avaliação Psicológica, Porto Alegre, v. 9, n. 2, p. 267-278, 2010.

PRADO, M. R. Pesquisa como estratégia de ensino: uma proposta inovadora em faculdades privadas. Revista Ensino Superior, Campinas, v. 1, n. 11, p. 1, 2013.

RAMOS, V.; KUHN, F.; BACKER, A. F.; BARROS, T. E. S.; BRASIL, V. Z.; SOUZA, J. R.; COSTA, M. L.; SOARES, G. F. Percepção de autoeficácia docente: um estudo sobre as experiências de universitários de educação física. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasília, v. 26, n. 3, p. 53-62, 2018.

RAMOS, V.; KUHN, F.; SALLES, W. N.; BOTH, J.; BRASIL, V. Z.; NASCIMENTO, J. V. Percepção de autoeficácia docente: estudo com universitários de educação física. Pensar a Prática, Goiânia, v. 20, n. 2, p. 306-19, 2017.

SALLES, W. N. Autoeficácia discente na formação inicial em educação física. 2015. 162f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

SCHÖN, D. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, A. (Org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p. 77-91.

SILVA JUNIOR, D. I.; FERREIRA, M. C.; VALENTINI, F.; PEREIRA, M. M. Evidências de validade da escala de autoeficácia de professores em amostras brasileiras. Revista Psicologia: Organização e Trabalho, Brasília, v. 18, n. 3, p. 405-11, 2018 .

SILVA, A. J; IAOCHITE, R. T.; AZZI, R. G. Crenças de autoeficácia de licenciandos em educação física. Motriz, Rio Claro, v. 16, n. 4, p. 942-9, 2010.

SILVA, S. A. P. S. Desenvolvimento do pensamento crítico-criativo e os estágios curriculares na área de educação física. Revista Brasileira de Ciência e Movimento, Brasilia, v. 11, n. 3, p. 37-44, 2003.

SORIANO, J. B.; WINTERSTEIN, P. J. Limites e desafios para o estudo da intervenção profissional em educação física a partir da noção de competência. Movimento, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 175-95, 2006.

VEGA, H. B.; CONTRERAS, M. O.; CHÁVEZ, J. F. A.; DELGADO, J. C. G. Autoeficacia percibida en conductas académicas: diferencias entre hombres e mujeres. Revista Mexicana de Investigación Educativa, Cidade do México, v. 17, n. 53, p. 557-71, 2012.

VEIGA, I. P. A. Educação básica e educação superior projeto político pedagógico. Campinas: Papirus, 2004.

VERENGUER, R. C. G. Preparação profissional em educação física em face à regulamentação: a busca da legitimidade social. Revista CREF4/SP, São Paulo, v. 1, n. 2, p. 18-9, 2001.

VILELA, R. A.; BOTH, J; ROCHA, M. A. Influência da participação em projetos de pesquisa na auto percepção de competência profissional dos estudantes do curso de bacharelado em esporte. Revista Mineira de Educação Física, Viçosa, Edição Especial, n. 9, n. 1, p. 965-70, 2013.

WILLIAMS, J. D; TAKAKU, S. Help seeking, self-efficacy, and writing performance among college students. Journal of Writing Research, Antuérpia, v. 3, n. 1, p. 1-18, 2011.

ZABALZA, M. A. O estágio e as práticas em contextos profissionais na formação universitária. São Paulo: Cortez, 2014.

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário
';