Crimes Transnacionais ou Caráter Punitivo? Uma Análise das Mortes Violentas por Execução na Tríplice Fronteira entre Brasil, Paraguai e Argentina

Sandra Cristiana Kleinschmitt

Resumo

A pesquisa tem como foco as representações e os significados das letalidades no espaço conhecido por “Tríplice Fronteira”. Esse espaço abrange seis municípios sendo: Foz do Iguaçu (Brasil); Puerto Iguazú (Argentina); Ciudad del Este, Presidente Franco, Hernandárias e Minga Guazú (Paraguai). O objetivo do presente artigo é introduzir uma discussão sobre as representações das letalidades na Tríplice Fronteira, a partir do olhar das forças culturais dominantes (policiais e jornalistas) e das forças subculturais (rappers). Para a realização da pesquisa com abordagem comparativa entre Brasil, Paraguai e Argentina foram utilizadas duas técnicas de extração de dados: a análise documental e as entrevistas semiestruturadas. Nos jornais do Brasil e do Paraguai, as motivações que prevaleceram foram as “execuções”. Suas motivações foram relacionadas aos mercados ilícitos transnacionais (Brasil) e ao narcotráfico (Paraguai). Por fim, as mortes por “execuções” estão mais para um recurso operacional, do que para uma relação direta e causal com os mercados transnacionais ou ao narcotráfico, como se representa. A execução é um modo de fazer a morte independentemente se o sujeito está envolvido com as práticas ilegais. As mortes podem estar relacionadas ao caráter punitivo, a uma regra não cumprida que nem mesmo a polícia é capaz de detectar e por isso os casos não resolvidos são atribuídos a esses mercados ilícitos transnacionais.

Palavras-chave

Mortes violentas; Mortes por execuções; Tríplice Fronteira.

Texto completo:

PDF