A Literatura na era digital: expansão dos suportes e convergências de mídias

Alinny Rodrigues Pereira Silva

Resumo


Com a diluição da especificidade da literatura houve um alargamento dos horizontes da produção artística, o que de certo modo promoveu a expansão dos suportes, que vão além do livro impresso, juntamente com a convergência das mídias. Neste sentido, o texto literário adquiriu novas parcerias que vão desde a presença de imagens em movimento, músicas, jogos, sonoridades, hiperlinks entre outros recursos multimídia, bem como a democratização do espaço literário com a inserção de novas vozes de representação popular que até então foram historicamente excluídas. Surgem também novos espaços de publicação e divulgação que vão desde blogs, rede sociais entre tantos outros. Há um novo perfil de autor e de publico leitor, pulverizam-se as fronteiras e barreiras, há uma implosão dos limites de modo que ocorre uma aproximação até então, não imaginada entre autor, texto e leitor, por meio das facilidades de acesso, interatividade, múltiplas linguagens e da liberdade de escolhas em relação à condução da leitura. Para a fundamentação teórica citam-se discussões sobre a literatura e sua multiplicidade na contemporaneidade (RESENDE, 2008; GARRAMUÑO, 2014; SCHØLLHAMMER, 2011), sobre a literatura na era digital (SPALDING 2012; DARNTON, 2010), o leitor literário desde o suporte impresso ao digital, (SILVA e COSTA 2012; LEITE 2016 e CHARTIER, 2007).

Palavras-chave


Literatura, era digital, multimídias

Texto completo:

PDF

Referências


AVERBUCK, Clarah. Das coisas esquecidas atrás da estante. Rio de Janeiro: 7Letras, 2003.

BHABHA, H. K. O local da cultura. Tradução Myriam Ávila et al. Belo Horizonte:

UFMG, 1998.

CHARTIER, Roger. As revoluções da leitura no ocidente. In: ABREU, Márcia (Org.). Leitura, história e história da leitura. Campinas/SP: Mercado de Letras/Associação de Leitura do Brasil (ALB); São Paulo: Fapesp, 2007.

CONNOR, S. Cultura pós-moderna: introdução às teorias do contemporâneo. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

DARNTON, Robert. A questão dos livros. Trad. Daniel Pelizzari. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

GARRAMUÑO, Florencia. A experiência opaca: literatura e desencanto. Trad. Paloma Vidal. Rio de Janeiro: Ed UERJ, 2012.

_____. Frutos estranhos: sobre a inespecificidade na estética contemporânea. Trad. Carlos Nougué. Rio de Janeiro: Rocco, 2014.

LEITE, Adoniran Oliveira. Do texto impresso ao hipertexto digital: o fazer literário na era da cibercultura: Revista Travessias. V. 10, n. 01, 26 ed, 2016.

MARCUSCHI, Luiz Antonio. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. 3 ed. São Paulo: Parábola, 2008.

RESENDE, Beatriz. Contemporâneos: expressões da literatura brasileira no século XXI. Rio de Janeiro: Casa da palavra: Biblioteca Nacional, 2008.

SCHØLLHAMMER, Karl Erik. Ficção brasileira contemporânea. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

SILVA, Débora e COSTA, Keila. Leitura de poesia e formação do leitor: do impresso ao digital. In: SILVA, Débora Cristina Santos; CAMARGO, Goiandira Ortiz; GUIMARÃES, Maria Severina Batista. Olhar o poema: Teoria e prática do letramento poético. 1.ed, Goiânia: Cânone editorial, 2012.

SPALDING, Marcelo. Alice do livro impresso ao E-book: adaptação de Alice no país das maravilhas e de através do espelho para Ipad. Porto Alegre: 2012.




Direitos autorais 2017 Autores mantêm os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob CC-BY-NC-SA 4.0 que permite o compartilhamento do trabalho com indicação da autoria e publicação inicial nesta revista

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.