O grotesco contemporâneo no teatro de Matéi Vișniec

Camylla Galante

Resumo

O riso, segundo Bergson, fala à inteligência. Por ser um fenômeno puramente humano, para que o riso aconteça, é preciso que haja a percepção do efeito cômico e a sua compreensão. Algumas vezes aquilo que é insólito também causa o riso, porém pelo efeito de estranhamento que produz e leva muitas vezes à reflexão, como as manifestações do grotesco, presentes em diferentes expressões artísticas e midiáticas. Nas obras do dramaturgo contemporâneo Matéi Vișniec, o qual possui um forte caráter político, o grotesco é frequentemente a fonte do riso suscitado pela obra, mas também aquilo que guia o leitor/espectador ao entendimento da problemática levantada pelo autor. Sendo o dramaturgo um adepto declarado do Teatro do Absurdo, ele recorre com frequência a desfechos inusitados, nos quais o grotesco se sobressai, dando a tônica das obras. É possível encontrar diferentes expressões do grotesco em seus escritos, como no texto Teatro Decomposto ou O homem-lixo (1994/2012). O presente artigo, assentado nas proposições de Cabral e Soares (2002) e Kayser (1986), entre outros teóricos que categorizam e recuperam os diversos sentidos do grotesco, buscou compreender as imagens deste na obra dramática do escritor romeno e os efeitos de sentido advindos do emprego da categoria estética em questão, por meio da reflexão proporcionada por esta. Em Teatro decomposto o grotesco, sob diferentes formas, revela-se como guia para a construção das imagens e alegorias presentes no texto e também para possíveis sentidos que emanam da peça.

Palavras-chave

Grotesco; Matéi Vișniec; Teatro Contemporâneo.

Texto completo:

PDF

Referências

ALENCAR JR., Leão de. Do Cômico, Grotesco, Irônico, Obsceno e Farsesco. Revista de Letras, Fortaleza, v. 1/2, n. 24, p.80-88, jan/dez. 2002. Anual. Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/revletras/article/view/2225. Acesso em: 15 nov. 2018.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. Tradução: Yara Frateschi Vieira. São Paulo: Editora Hucitec, 1987.

CABRAL, Muniz Sodré A.; SOARES, Raquel Paiva de A. O Império do Grotesco. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.

CALAZANS, Selma. Grotesco. IN: CEIA, Carlos. E-Dicionário de Termos Literários. Disponível em: http://edtl.fcsh.unl.pt/encyclopedia/grotesco/. Acesso em: 14 Nov 2018.

CORNIS-POPE, Marcel (ed.). New Literary Hybrids in the Age of Multimedia Expression: Crossing borders, crossing genres. Amsterdã/Filadélfia: John Benjamins Publishing Company, 2014.

DYAKONITSYNA, Anna. Gely Korzhev: I Have the Right. IN: The Tretyakov Gallery Magazine. Disponível em: https://www.tretyakovgallerymagazine.com/articles/3-2016-52/gely-korzhev-i-have-right. Acesso em: 15 nov. 2018.

KAYSER, Wolfgang. O Grotesco. Configuração na Pintura e na Literatura. São Paulo: Perspectiva, 1986.

SILVA, Jason de Lima e. Sobre o horror em Goya: Caprichos e Desastres da Guerra. Artefilosofia: Revista de Estética e Filosofia da Arte do Programa de Pós-graduação em Filosofia - UFOP, Ouro Preto, n. 24, p.132-160, jul. 2018. Semestral. Disponível em: https://www.periodicos.ufop.br/pp/index.php/raf/article/view/862. Acesso em: 15 nov. 2018.

VIȘNIEC, Matéi. Teatro decomposto ou o homem lixo – Textos para um espetáculo-diálogo de monólogos. Tradução: Luiza Jatobá. São Paulo: É Realizações, 2012.

VOLOBUEF, Karin. Victor Hugo e o Grotesco em Notre-Dame de Paris. Lettres Françaises, Araraquara, n.5, p.25-34, 2003. Semestral. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/lettres/article/view/738. Acesso em: 15 nov. 2018.