IDENTIFICAÇÃO DE ENTEROCCO RESISTENTE A VANCOMICINA EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO ESTADO PARANÁ

Maria ANDRIOLO RICHETTI, Debora Cristina Ignácio Alves, Drieli Wawzeniak de Anchieta, Cristina Daiana Bohrer, Amin Ali Mehanna

Resumo

Introdução: O Enterococcus sp bactéria gram positiva, que faz parte da microbiota intestinal normal, é também um dos mais virulento causadores das infecções relacionadas à assistência à saúde (Iras) e a colonização. Indivíduos colonizados, superfícies e equipamentos contaminados por Enterococcus resistente à vancomicina (VRE, do inglês Vancomycin-resistant Enterococcus) são reservatórios potenciais de alto risco para transmissão da bactéria. Por ser resistente à vancomicina e de fácil disseminação em ambiente hospitalar, causando infecção cruzada e surtos intra-hospitalares, a identificação precoce desta bactéria permite as ações preventivas. Objetivo: Identificar as culturas de vigilância positivas de VRE em pacientes transferidos de outros serviços de saúde. Método: Trata-se de estudo epidemiológico retrospectivo e descritivo, baseado na avaliação de 231 culturas de vigilância realizadas em hospital universitário com 205 leitos, entre janeiro de 2016 e maio de 2017, respeitadas as exigências éticas estabelecidas na Resolução 466/2012 Ministério da Saúde. Resultados: Foram identificados dois casos com cultura positiva para VRE e ambos com comprovação fenotipagem vanA Lacen/PR. Conclusão: Foram identificadas culturas positivas de VRE durante o período de estudo, sendo a primeira vez que o VRE foi identificado nas culturas de vigilância do hospital em estudo, orientado precaução de contato e HM.

 

Palavras-chave

Colonização; Multirresistência; Cultura de Vigilância.

Texto completo:

PDF