Efeito da salinidade no desenvolvimento inicial do milho

Autores

  • Bruna de Villa Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel
  • Reginaldo Ferreira Santos Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel
  • Deonir Secco Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel
  • Luiz Antônio Zanão Júnior Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel
  • Luciene Kazue Tokura Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel
  • Maritane Prior Prior Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel
  • Leonardo da Silva Reis Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel
  • Dayani Regina da Silva Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel

DOI:

https://doi.org/10.48075/actaiguaz.v8i3.20043

Palavras-chave:

crescimento, tratamento, massa

Resumo


Como o milho é um dos cereais mais cultivados no mundo, destacando o Brasil como um dos maiores produtores. Desta forma torna-se de suma importância o estudo quanto ao estrese salino, para saber-se o quanto o teor de sal no solo pode estar prejudicando a cultura, seja por meio de irrigação ou diferentes localidades no Brasil. Assim sendo, foi objetivo do trabalho avaliar o efeito de estresse salino no desenvolvimento inicial do milho. O experimento foi realizado nos laboratórios de avaliação de sementes e plantas (LASP) e de física do solo (LAFIS) da UNIOESTE - Cascavel. O milho foi submetido a seis tratamentos de NaCl, juntamente com a testemunha, sendo os tratamentos: T1: 1 g.l-1; T2: 2 g.l-1; T3: 3,2 g.l-1, T4: 4,4 g.l-1, T5: 5,4 g.l-1 e T6: 6,6. Onde avaliou-se a germinação das sementes de milho, e para cada tratamento o crescimento da parte aérea; crescimento do sistema radicular; massa fresca da parte aérea; massa fresca da parte radicular; massa seca da parte aérea e massa seca da parte radicular. O delineamento experimental utilizado foi o inteiramente ao acaso. A análise estatística constou de análise de variância e as médias de tratamentos foram comparadas pelo teste de Tukey a 5% de significância. O aumento da concentração salina inibi/reduz o crescimento aéreo e radicular o que resulta em menor massa nas maiores concentrações de NaCl tanto da parte aérea quanto radicular.

Biografia do Autor

Bruna de Villa, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Energia

Reginaldo Ferreira Santos, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Energia

Deonir Secco, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Energia

Luiz Antônio Zanão Júnior, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Energia

Luciene Kazue Tokura, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Energia

Maritane Prior Prior, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Energia

Leonardo da Silva Reis, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Energia

Dayani Regina da Silva, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Campus de Cascavel

Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Energia

Downloads

Publicado

05-10-2019

Como Citar

DE VILLA, B.; SANTOS, R. F.; SECCO, D.; ZANÃO JÚNIOR, L. A.; TOKURA, L. K.; PRIOR, M. P.; DA SILVA REIS, L.; DA SILVA, D. R. Efeito da salinidade no desenvolvimento inicial do milho. Acta Iguazu, [S. l.], v. 8, n. 3, p. 42–47, 2019. DOI: 10.48075/actaiguaz.v8i3.20043. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/actaiguazu/article/view/20043. Acesso em: 10 ago. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS CIENTÍFICOS