O necrobiopoder sobre o corpo vulnerabilizado no Conjunto Heliópolis: As dimensões da injustiça ambiental no gerenciamento de risco em áreas contaminadas na capital paulista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/amb.v3i1.26746

Palavras-chave:

Justiça Ambiental, Gerenciamento de risco, Áreas contaminadas

Resumo


A produção de áreas contaminadas na cidade de São Paulo e as diversas formas de exclusão da população de baixa renda ao espaço urbano, dentre elas a destituição do acesso à moradia digna em ambientes saudáveis, tem levado a situações de injustiça ambiental por meio da ocupação de áreas inseguras. Em áreas contaminadas, práticas de gerenciamento de risco realizadas por meio de procedimentos técnico-científicos socialmente herméticos, com intervenções pouco contextualizadas à realidade dos grupos ex­postos, tendem a agravar as condições de exclusão dos grupos vulnerabilizados pelo processo de produ­ção do espaço. Este artigo visa identificar e analisar as dimensões da injustiça ambiental vivenciada pelos moradores do Conjunto Heliópolis, construído sobre um lixão no município de São Paulo, à luz da agenda interdisciplinar da Ecologia Política. Como metodologia, realizou-se um estudo de caso com análise quali­tativa crítica por meio da triangulação de dados de entrevistas com moradores da área de estudo, da análise de documentos técnicos sobre o Conjunto Heliópolis e de observações não-participante registra­das em caderno de campo. Os resultados revelam a imbricação das dinâmicas de discriminação e de ex­clusão social na produção capitalista do espaço urbano, nos processos decisórios instituídos por procedi­mentos técnico-científicos em situações de risco e nas relações locais nos territórios afetados. Essa junção desvela o que se denominou como Necrobiopoder patrimonialista, um poder inerente à estruturação da sociedade brasileira e da produção capitalista do espaço urbano paulistano.

Biografia do Autor

Letícia Stevanato Rodrigues, Instituto de Energia e Ambiente, Universidade de São Paulo (USP)

Mestra em Ciência Ambiental pelo Instituto de Energia e Ambiente da Universidade de São Paulo e Bacharela em Gestão Ambiental pela Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo, Brasil.

Referências

ACSELRAD, Henri. Justiça ambiental e construção social do risco. Desenvolvimento e Meio Ambiente, nº 5, pp. 49-60, 2002.

ACSELRAD, Henri. O conhecimento do ambiente e o ambiente do conhecimento: anotações sobre a conjuntura do debate sobre vulnerabilidade. Em pauta, v. 11, nº 32, pp. 115-129, 2013.

ACSELRAD, Henri. Vulnerabilidade ambiental, processos e relações. In: II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais. 2006, Rio de Janeiro. Comunicação [...]. Rio de janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2006.

ÁLVAREZ, Lina; COOLSAET, Brendan. Decolonizing environmental justice studies: a Latin American perspective. Capitalism nature socialism, v. 31, nº 2, pp. 50-69, 2020.

BOCUHY, Carlos; FRIGÉRIO, Eva; TOMMASINI, Heitor Marzagão. Pesquisa preliminar sobre Qualidade Ambiental da Vila Carioca – São Paulo – SP Entrevista com moradores em 21 de junho de 2002. São Paulo: CONSEMA, CADES, 2002. Disponível em: <https://acpo.org.br/arquivos/pagina-biblioteca/agenda-marrom/areas-contaminadas-e-saturadas/brasil/16-vila-carioca-ceac.pdf>. Acesso em 29/01/2019.

BULLARD, Robert D. Dumping in Dixie, Race, Class, and Environmental Quality. 3rd ed. New York: Routledge, 2018.

CREDENDIO, José Ernesto. Teste revela contaminação de moradores na zona sul de São Paulo. Jornal Folha de São Paulo, São Paulo, 20 de jun. 2006. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u122967.shtml>. Acesso em 08/03/2010.

CONSÓRCIO CMVC. Relatório de Impacto Ambiental da Operação Urbana Consorciada Mooca Vila-Carioca. São Paulo: Consórcio CMVC, 2013. Disponível em: <http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/desenvolvimento_urbano/arquivos/eia/rima_rev100813_1.pdf>. Acesso em 29/01/2019.

CONTRERAS, José. Áreas contaminadas na região metropolitana de São Paulo. In: ACSELRAD, Henri; HERCULANO, Selene; PÁDUA, José Augusto. (orgs.). Justiça ambiental e cidadania. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004. p. 271-282.

DI GIULIO, Gabriela Marques; FIGUEIREDO; Bernardino Ribeiro; FERREIRA, Lúcia da Costa; ANJOS, José Ângelo Sebastião Araújo dos. Comunicação e governança do risco: a experiência Brasileira em áreas contaminadas por chumbo. Ambiente & Sociedade, v. 13, nº 2, pp. 283-297, 2010.

ESCALLÓN, Byron Vélez. Para una sobrevivência do latino-americano: encarar a face obliterada da acumulação primitiva. Revista de Estudios Literarios Latinoamericanos, v. 7, nº 8, pp. 111-135, 2020.

FAORO, Raymundo. Os donos do Poder: formação do patronato político brasileiro. Globo: São Paulo, 2001.

FERREIRA, João Sette Whitaker. A cidade para poucos: breve história da propriedade urbana no Brasil. In: Simpósio Interfaces das Representações Urbanas em Tempos de Globalização, 2005, Bauru. Anais [...]. Bauru: UNESP, SESC, 2005. Disponível em: <https://cidadesparaquem.org/textos-acadmicos/2005/8/21/a-cidade-para-poucos-breve-histria-da-propriedade-urbana-no-brasil>. Acesso em 11/01/2021.

FERREIRA, João Sette Whitaker. O patrimonialismo e o urbano no subdesenvolvimento: retomando brevemente a questão do patrimonialismo e da formação nacional. In: FERREIRA, João Sette Whitaker. Memorial Circunstanciado. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. p. 13-18.

FONTES, Maria Cecilia Levy Piza; BRUNA, Gilda Collet. A intervenção do poder público nos projetos de habitação de interesse social. Exacta, v. 7, nº 2, pp. 251-261, 2009.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da Biopolítica: curso dado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. Resumo dos cursos do Collège de France (1970-1982). Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1997.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 42 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

FRASER, Nancy; JAEGGI, Rahel. Capitalismo em debate: uma conversa na teoria crítica. São Paulo: Boitempo, 2020.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 17a ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

HARVEY, David. Cidades Rebeldes: do direito à cidade à revolução urbana. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

HARVEY, David. O trabalho, o capital e o conflito de classes em torno do ambiente construído nas sociedades capitalistas avançadas. Espaço e debates, v. 6, pp. 06-35, 1982.

HEYNEN, Nik; KAIKA, Maria; SWYNGEDOUW, Erik. Urban political ecology: politicizing the production of urban natures. In: HEYNEN, Nik; KAIKA, Maria; SWYNGEDOUW, Erik. (orgs.). In the Nature of Cities: Urban political ecology and the politics of urban metabolism. New York/London: Routledge, 2006. p. 1-19.

HEYNEN, Nik; MCCARTHY, James; PRUDHAM, Scott; ROBBINS, Paul. Introduction: false promises. In: HEYNEN, Nik; MCCARTHY, JAMES; PRUDHAM, Scott; ROBBINS, Paul. (orgs.). Neoliberal Environments. New York: Routledge, 2007. p. 1-23.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Raízes do Brasil. 26a ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

IAMAMOTO, Sue A. S.; LAMAS, Isabela; EMPINOTTI, Vanessa. Apresentação do Dossiê: Diálogos contemporâneos da ecologia política, contribuições desde a América Latina. Revista de Ciências Sociais, v. 51, nº 2, pp. 13-36, 2020.

JOFFE, Hélène. Risk and “the other”. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

KEIL, Roger. An urban political ecology for a world of cities. Urban Studies, v. 57, nº 11, pp. 2357-2370, 2020.

MARICATO, Ermínia. Para entender a crise urbana. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

MARIETTO, Marcio Luiz. Observação participante e não participante: contextualização teórica e sugestão de roteiro para aplicação dos métodos. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 17, nº 4, pp. 5-18, 2018.

MARINI, Rui Mauro. Dialética da dependência. Germinal: marxismo e educação em debate, v. 9, nº 3, pp. 325-356, 2017.

MARTÍNEZ-ALIER, Joan. Conflictos ecológicos y justicia ambiental. Papeles de relaciones ecosociales y cambio global, v. 103, pp. 11-28, 2008.

MARTINS, Paulo Henrique. Boas razões para ser a favor da crítica plural: conversando com Ricardo Regatieri sobre a teoria crítica da colonialidade. REALIS, v. 10, nº 01, pp. 239-251, 2020.

MAY, Tim. Social research: issues, methods and process. New York: Open University Press, 2001.

MBEMBE, Achille. Necropolítica seguido de Sobre el gobierno privado indirecto. Barcelona: Melusina, 2011.

MOERI, Ernesto Niklaus; RODRIGUES, Delcio; NIETERS, Andreas. Áreas contaminadas remediação e revitalização: estudos de casos nacionais e internacionais. São Paulo: Instituto Ekos Brasil, 2008.

MONDARDO, Marcos. O governo bio/necropolítico do agronegócio e os impactos dos agrotóxicos sobre os territórios de vida Guarani e Kaiowá. AMBIENTES: Revista de Geografia e Ecologia Política, v. 1, nº 2, pp. 155-187, 2019.

MOREIRA, Felipe de Freitas. Heliópolis e a produção municipal de moradias populares em favelas. In: Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional – ENANPUR, 8., 2017, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: ANPUR, 2017, pp. 1-22. Disponível em: <http://anpur.org.br/xviienanpur/principal/publicacoes/XVII.ENANPUR_Anais/ST_Sessoes_Tematicas/ST%205/ST%205.8/ST%205.8-04.pdf>. Acesso em 11/01/2021.

MOSCOVICI, Serge. O fenômeno das representações sociais. In: MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em psicologia social. 11a ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2015. p. 29-109.

NATALINI, Gilberto. Dossiê a devastação da mata atlântica no município de São Paulo. 2. ed. São Paulo: Câmara Municipal de São Paulo, 2020. Disponível em: <https://natalini.com.br/em-6-anos-160-areas-desmatadas-em-sp/>. Acesso em 11/01/2021.

O'CONNOR, James. Capitalism, nature, socialism a theoretical introduction. Capitalism Nature Socialism, v. 1, nº 1, pp. 11-38, 1988. Disponível em: <https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1080/10455758809358356>. Acesso em 11/01/2021.

OGATA, Maria Gravina. Resíduos sólidos na organização do espaço e na qualidade do ambiente urbano: uma contribuição geográfica ao estudo do problema na cidade de São Paulo. Rio de Janeiro: IBGE, 1983.

OLIVEIRA, Roberta Gondim. Práticas de saúde em contextos de vulnerabilização e negligência de doenças, sujeitos e territórios: potencialidades e contradições na atenção à saúde de pessoas em situação de rua. Saúde e Sociedade, v. 27, nº1, pp. 37-50, 2018.

PACHECO, Tania; FAUSTINO, Cristiane. A iniludível e desumana prevalência do racismo ambiental nos conflitos do mapa. In: PORTO, Marcelo Firpo Porto; PACHECO, Tania; LEROY, Jean Pierre. (orgs.). Injustiça ambiental e saúde no Brasil: o Mapa de Conflitos. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2013. p. 69-110.

PENIDO, Marina de Oliveira. Bio(necro)política da mineração: quando o desastre atinge o corpo-território. Revista Brasileira de Geografia, v. 63, nº 2, pp. 38-51, 2018.

PINTO, Raquel Giffoni. Conflitos ambientais, corporações e as políticas do risco. Rio de Janeiro: Garamond, 2019.

PORTO, Marcelo Firpo de Souza. Uma Ecologia Política dos Riscos: princípios para integrarmos o local e o global na promoção da saúde e da justiça ambiental. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2012.

PORTO, Marcelo Firpo de Souza; FINAMORE, Renan; ROCHA, Diogo. Saúde como dignidade: riscos, saúde e mobilizações por justiça ambiental. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2018.

PORTO, Marcelo Firpo de Souza; MARTINS, Bruno Sena. Repensando alternativas em Saúde do Trabalhador em uma perspectiva emancipatória. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 44, e16, 2019.

PREGNOLATO, Leonardo Antonio; DULEBA, Wânia; IGARI, Alexandre Toshiro; GONÇALVES-DIAS, Sylmara Lopes Francelino. Poluição, Emergência e Transformação dos Padrões Ambientais: Contribuições da Teoria de Campos de Ação Estratégica. In: DUBELA, Wânia; GONÇALVES-DIAS, Sylmara Lopes Francelino; PAULINO, Sonia Regina. (orgs.). Sustentabilidade e Interdisciplinaridade. São Paulo: Blucher, 2019. p. 153 -174.

PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO (PNUD). Ranking IDHM Municípios 2010. Disponível em: <http://www.br.undp.org/content/brazil/pt/home/idh0/rankings/idhm-municipios-2010.html>. Acesso em 29/04/2021.

RUFINO, Beatriz; WEHBA, Cristina; MAGALHÃES, Ana-Lígia. Quando empreiteiras tornam-se incorporadoras: um olhar sobre as articulações entre produção imobiliária e de infraestruturas na metrópole de São Paulo do século XXI. EURE (Santiago), v. 47, nº 140, pp. 159-177, 2021.

SANTOS, Edson; UNGARI, Helio Cesar Nascimento; SANTOS, Matilde Barga dos. Principais técnicas de remediação e gerenciamento de áreas contaminadas por hidrocarbonetos no Estado de São Paulo. Monografia de Especialização (Gestão Ambiental) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

SECRETARIA MUNICIPAL DE HABITAÇÃO (SEHAB). Superintendência de Habitação Popular. Plano de Contingência Conjunto Habitacional Heliópolis – L1/L2. São Paulo: PMSP/SEHAB/HABI, 2011.

SPINK, Mary Jane. Viver em áreas de risco: reflexões sobre vulnerabilidades socioambientais. São Paulo: EDUC, Terceiro Nome, 2018.

TAVARES, Alexandre Oliveira. Referenciais e modelos de governança dos riscos. In: LOURENÇO, Luciano Fernandes; MATEUS, Manuel Alberto. (orgs.). Riscos naturais, antrópicos e mistos. Homenagem ao Professor Doutor Fernando Rebelo. Coimbra: Departamento de Geografia, Faculdade de Letras, 2013. p. 63-80.

TAVARES, Thiago Roniere Rebouças. Examinando a injustiça ambiental a partir da contaminação do ar e de inundações nos arredores da Companhia Siderúrgica do Atlântico/Ternium, às margens da Baía de Sepetiba (Rio de Janeiro). AMBIENTES: Revista de Geografia e Ecologia Política, v. 1, nº 2, pp. 211-251, 2019.

TV CULTURA. Estrada das Lágrimas, 1400. 1992. Documentário jornalístico. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=BhXtiiWgAYQ>. Acesso em 20/03/2020.

UNIÃO DE NÚCLEOS ASSOCIAÇÕES E SOCIEDADES DE MORADORES DE HELIÓPOLIS E SÃO JOÃO CLÍMACO (UNAS). Heliópolis – maior favela de São Paulo. 2020. Disponível em: <https://www.unas.org.br/heliopolis>. Acesso em 11/01/2021.

VALA, Jorge. Racismos: representações sociais, preconceito racial e pressões normativas. In: JESUÍNO, Jorge Correia; MENDES, Felismina R. P.; LOPES, Manuel José. (orgs.). As representações sociais nas sociedades em mudança. Petrópolis: Editora Vozes, 2015. p. 153-183.

VALENTIM, ‪Luís Sérgio Ozório. Requalificação urbana em áreas de risco à saúde devido a contaminação do solo por substâncias perigosas: em estudo de caso na cidade de São Paulo. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005. Disponível em: <https://repositorio.usp.br/item/001480149>. Acesso em 11/01/2021.‬‬‬‬‬‬‬‬‬‬‬‬‬‬‬

WEBER AMBIENTAL. Relatório técnico: readequação do Plano de intervenção à DD-038/2017 (Sistema de remediação por contenção), Relatório de Implantação, Avaliação e Acompanhamento das medidas de intervenção COHAB HELIÓPOLIS – GLEBA L. São Paulo: WEBER Ambiental, 2018.

WING, Steve. Environmental justice, science and public health. Environmental Health Perspectives, v. 113, pp. 54-63, 2005.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Downloads

Publicado

29-06-2021

Como Citar

RODRIGUES, L. S. O necrobiopoder sobre o corpo vulnerabilizado no Conjunto Heliópolis: As dimensões da injustiça ambiental no gerenciamento de risco em áreas contaminadas na capital paulista. AMBIENTES: Revista de Geografia e Ecologia Política, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 190, 2021. DOI: 10.48075/amb.v3i1.26746. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/ambientes/article/view/26746. Acesso em: 9 dez. 2021.