Autopercepção de competência profissional no estágio curricular supervisionado em educação especial no curso de licenciatura de educação física

Autores

  • Gustavo Schiarolli Universidade Estadual de Londrina (UEL)
  • Nilton Munhoz Gomes Universidade Estadual de Londrina (UEL)
  • Jorge Both Universidade Estadual de Londrina (UEL) https://orcid.org/0000-0002-8238-5682

DOI:

https://doi.org/10.36453/2318-5104.2018.v16.n1.p207

Palavras-chave:

Competência Profissional. Formação Inicial. Educação Física. Licenciatura. Educação Especial.

Resumo


O objetivo do estudo foi de analisar autopercepção da competência profissional de estudantes que realizaram o Estágio Curricular Supervisionado (ECS) em Educação Especial no curso de Licenciatura de Educação Física. O estudo descritivo de corte transversal teve a amostra de 28 acadêmicos que estavam matriculados na disciplina de Estágio Curricular II ofertada no 4° ano do curso de Licenciatura em Educação Física da Universidade Estadual de Londrina. O instrumento de coleta de dados foi composto por questionário sociodemográfico e pela Escala de Autopercepção de Competência Profissional em Educação Física e Desportos. Para a análise dos dados estatísticos empregou-se o teste t e qui-quadrado para grupo único. Considerou-se no estudo o nível de significância de 95% (p<0,05). Os resultados evidenciaram que os estudantes estagiários (EE) demonstraram competência profissional apenas na habilidade de motivação. Além disso, os EE que apresentaram experiência prévia com pessoas com necessidades especiais apresentavam-se maiores índices de autopercepção de competência profissional nos assuntos relacionados a disciplina dos alunos e planejamento de atividades. Os EE que não tinham experiências na regência de classe se sentiam mais competentes nos assuntos disciplinares e de ação pedagógica, na dimensão conhecimentos e na avaliação global da competência profissional. Por fim, os EE que participavam de projetos de ensino eram mais críticos frente o indicador autorreflexão. Por fim, conclui-se que a autopercepção de competência profissional dos EE era baixa, sendo que a experiência de convivência com pessoas com necessidades especiais apresentou impacto positivo frente ao grupo investigado, enquanto que a experiência na regência de classe e participação de projetos de ensino favoreceu no surgimento do senso crítico frente à autopercepção de competência profissional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Schiarolli, Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Licenciado em Educação Física pela Universidade Estadual de Londrina

Nilton Munhoz Gomes, Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Licenciado em Educação Física pela Universidade Estadual de LondrinaEspecialista em em Educação do Portador de Deficiência Mental pela Universidade Estadual de LondrinaMestre em Educação Especial pela Universidade Federal de São CarlosDoutorado em Educação Física pela Universidade Estadual de CampinasProfessor do Departamento de Estudos do Movimento Humano da Universidade Estadual de Londrina

Jorge Both, Universidade Estadual de Londrina (UEL)

Licenciado em Educação Física pela Universidade Estadual do Oeste do ParanáEspecialista em Atividade Física Direcionada à Promoção da Saúde pela Universidade Estadual do Oeste do ParanáMestre em Educação Física pela Universidade Federal de Santa CatarinaDoutor em Educação Física pela Universidade Federal de Santa CatarinaProfessor do Departamento de Educação Física da Universidade Estadual de Londrina

Referências

ARAÚJO, K. T.; GOMES, N. M.; ZEFERINO. J. O reflexo da matriz curricular no estágio em educação física na educação especial: concepções discentes. In: X Seminário Internacional de Educação Física, Lazer e Saúde, 2014, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC/UDESC/UMinho, 2014. p. 339.

BATISTA, P. M. F.; MAROS, Z.; GRAÇA, A. Auto-percepção das competências profissionais em profissionais do desporto: efeito da área de intervenção e da experiência profissional. Revista de Ciencias del Deporte, Porto, v. 7, n. 2, p. 117-31, 2011.

BATISTA, P. M. F.; PEREIRA, A. L.; GRAÇA, A. B. S. A. (Re)configuração da identidade profissional no espaço formativo do estágio profissional. In: NASCIMENTO, J. V.; FARIAS, G. O. (Orgs.). Construção da identidade profissional em educação física: da formação à intervenção. Florianópolis: UDESC, 2012. p. 81-111.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. MEC; SEEP; 2008. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16690-politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva-05122014&Itemid=30192>. Acessado em: 10 de outubro de 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução n.° 2, de 01 de julho de 2015. Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF, 2015.

BURIOLLA, M. A. F. O estágio supervisionado. 4.ed. São Paulo: Cortez, 2006.

COZZA, J.; CAPISTRANO, R.; PINTO, M. G.; SAMPAIO, G. B. S.; TRUSZ, R. D.; FARIAS, G. O. O professor supervisor e o estágio supervisionado em educação física: aproximações e distanciamentos. In: LAWALL, I. T.; CLEMENT, L. (Orgs.). Relatos e reflexões sobre estágio curricular supervisionado: cursos de licenciatura da UDESC. Goiânia: C&A Alfa Comunicação, 2016. p. 185-202.

CYRINO, M. C. C. T.; PASSERINI, G. A. Reflexões sobre o estágio supervisionado do curso de licenciatura em matemática da Universidade Estadual de Londrina. In: SILVA, I. F.; CAINELLI, M. R. (Orgs.). O estágio na licenciatura: a formação de professores e a experiência interdisciplinar na Universidade Estadual de Londrina. Londrina: EDUEL, 2009. p. 125-44.

FARIAS, G. O.; PINTO, M. G.; WERNER, A.; FOLLE, A. PIBID Educação Física: aprender a ser professor na docência. In: MARTINS, R. E. M. W.; ROSSATO, L. (Orgs.). Reflexões sobre as experiências do PIBID na UDESC. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2015. p. 123-34.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GOMES, N. M.; COSMOS, A. C. C. V. P.; ARAÚJO, K. T. Percepção discente sobre o estágio supervisionado em educação especial no curso de educação física. In: X Seminário Internacional de Educação Física, Lazer e Saúde, 2014, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC/UDESC/UMinho, 2014. p. 270.

GOMES, N. M. Análise da disciplina de educação física especial nas instituições de ensino superior públicas do estado do Paraná. 2007. 201f. Tese (Doutorado em Educação Física) - Faculdade de Educação Física, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

HONÓRIO, L. R.; GOMES, N. M. O estágio em educação especial na formação inicial dos professores de educação física. In: Congresso Internacional da Associação Latino-americana de Ciências do Esporte, Educação Física e Dança, v. 2, 2015. Juiz de Fora. Anais... Juiz de Fora: NGIME/UFJF, 2015, p. 177-84.

JANUÁRIO, C. Do pensamento do professor à sala de aula. Coimbra: Livraria Almedina, 1996.

LIMA, L. R. F; RODRIGUES, L.; LIMA, A. A. A compreensão do fenômeno inclusão escolar, sob a perspectiva dos acadêmicos do curso de Educação Física. In: Congresso Norte Paranaense de Educação Física Escolar, v. 2, 2011. Londrina. Anais... Londrina: UEL, 2011. 1 CD-ROM.

MELLO, E. A relação com o saber e a relação com o ensinar no estágio supervisionado em biologia. 2007. 227f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática) - Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2007.

NASCIMENTO, J. V. Escala de auto-percepção de competências profissional em Educação Física e Desportos. Revista Paulista de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 13, n. 1, p. 5-21, 1999.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Relatório mundial sobre a deficiência. The World Bank. São Paulo: SEDPcD, 2012. p. 334.

PEDRINELLI, V. J.; VERENGUER, R. C. G. Educação Física Adaptada: Introdução ao universo das possibilidades. In: GORGATTI, M. G.; COSTA, R. F. (Orgs.). Atividade física adaptada: qualidade de vida para pessoas com necessidades especiais. Barueri: Manole, 2005. p. 1-27.

PIMENTA, S. G. O estágio na formação de professores: unidade teoria e prática? 2.ed. São Paulo: Cortez, 1995.

PIMENTA, S. G.; LIMA, M. S. L. Estágio e docência. São Paulo. Cortez, 2004.

CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID). Fundação CAPES. Ministério da Educação, 2008. Disponível em: <http://www.capes.gov.br/educacao-basica/capespibid>. Acessado em: 19 de Fevereiro de 2016.

RODRIGUES, P. C. Bioestatística. Niterói: EdUFF, 2002.

SILVA JUNIOR, A. P. Configurações e relações estabelecidas no estágio curricular supervisionado na formação inicial de professores de Educação Física. 2016. 233f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2016.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA. Resolução CEPE N° 0255/2009. Reformula o Projeto Político Pedagógico do curso de Educação Física (Habilitação Licenciatura). 2009. Disponível em: <http://www.uel.br/prograd/pp/documentos/2010/resolucao_255_09.pdf>. Acessado em: 20 de julho de 2017.

VIEIRA, L. F.; VIEIRA, J. L. L.; FERNANDES, R. Competência profissional percebida: um estudo com estudantes de Educação Física em formação inicial. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 17, n. 1, p. 95-105, 2006.

VITALIANO, C. R.; MANZINI, E. J. A formação inicial de professores para inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais. In: VITALIANO, C. R. (Org.). Formação de professores para inclusão de alunos com necessidades especiais. Londrina: EDUEL, 2010. p. 51-112.

Downloads

Publicado

23-01-2018

Como Citar

SCHIAROLLI, G.; GOMES, N. M.; BOTH, J. Autopercepção de competência profissional no estágio curricular supervisionado em educação especial no curso de licenciatura de educação física. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 16, n. 1, p. 207–216, 2018. DOI: 10.36453/2318-5104.2018.v16.n1.p207. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/17597. Acesso em: 27 nov. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>