Bullying: percepções no âmbito escolar na visão dos futuros profissionais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/cefe.2021.n3.27502

Palavras-chave:

Bullying, Educação Física, Comportamento.

Resumo


INTRODUÇÃO: O bullying é um fenômeno que sugere atos de violência física e/ou verbal que ocorrem de forma repetitiva com uma ou mais vítimas, tal fenômeno começou a ganhar notoriedade a partir dos estudos publicados em 1980.
OBJETIVO: Identificar dentro do contexto escolar, a partir das falas de acadêmicos o papel da Educação Física em relação ao combate ao bullying.
MÉTODOS: O estudo tem uma abordagem exploratória e qualitativa em que participaram 20 acadêmicos de Educação Física da Universidade do Estado do Pará. A partir da realização de entrevistas, empregou-se a análise de conteúdo.
RESULTADOS: Os resultados mostraram que a prática e a teoria no que se referem a conceitos são alinhados ao combate do bullying, além de refletir que mesmo os agressores por vezes passam por algum tipo de abuso em outros ambientes, entende-se as principais motivações para a prática estão relacionadas ao fenótipo e comportamento e que a Educação Física pode ser uma disciplina a colaborar para a melhoria dos estudantes.
CONCLUSÃO: Conclui-se que o papel da Educação Física no combate ao bullying está diretamente ligada à forma que o professor se posiciona em relação a esta prática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nairana Cristina Santos Freitas, Universidade do Estado de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá

Possui titulação de Técnico em Controle Ambiental na área profissional do meio ambiente pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso (2013), graduação em licenciatura em Educação Física pela Universidade Federal de Mato Grosso (2018), pós graduação em Educação Física Escolar pelo Instituto de Ciência e Tecnologia de Votuporanga (2018), professora na instituição de ensino C.M.E.F José Nogueira de Moraes (2018), Bacharelado em Educação Física pelo Centro de Ensino Superior de Piracanjuba EIRELI EPP - CESUP (2019), professora na escola CEJA Prof Marisa Mariano da Silva (2019). Professora substituta da Universidade Federal de Mato Grosso (2019-2021). Atualmente é aluna de mestrado em Educação Física pelo PPGEF na Universidade Federal de Mato Grosso.

   

Aníbal de Magalhães Neto, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Cuiabá

 Possuo graduação em Educação Física pela Escola Superior de Educação Física de Goiás (1999), mestrado em Educação Física pela Universidade Católica de Brasília (2002), Mestre em Genética e Bioquímica pela Universidade Federal de Uberlândia (2007). Doutor em Genética e Bioquímica pela Universidade Federal de Uberlândia (2011). Professor Associado da Universidade Federal de Mato Grosso. Tenho experiências na área de Educação Física, com ênfase em Atividade Física, atuando principalmente nos seguintes temas: Biomarcadores Salivares, Diabetes, Obesidade e Exercício Físico. Atuei como membro do Time Brasil durante os Jogos Olímpicos de Verão na cidade do Rio de Janeiro em Agosto de 2016. No projeto Alterações no metaboloma de atletas de alto-rendimento: uma ferramenta para a compreensão de estados hipermetabólicos, sendo supervisionado por L.C.Cameron. E também na Educação Física escolar: Com as práticas corporais de aventura (Esporte de orientação) e suas nuances nas habilidades cognitivas de alunos em diversas fases do ensino básico, fundamental e médio. Membro do Grupo de Pesquisa (Fronteiras, Culturas, Identidades: espaço de diálogo com povos indígenas do Araguaia/Xingu (Foco na interação Indígenas e esporte) dentro e fora da Escola. 

Patrícia Chaves de Araújo do Socorro, Universidade do Estado do Pará (UEPA), Belém

Doutoranda em Educação Física do Programa de Pós-Graduação Associado em Educação Física (UEM/UEL) -Linha de Pesquisa - Trabalho e Formação em Educação Física. Possui Graduação (licenciatura Plena) em Educação Física pela Universidade do Estado do Pará (UEPA - 1994), Graduação em Pedagogia pela Universidade da Amazônia (UNAMA - 2000). Possui Especialização em Metodologia do Ensino da Educação Física Escolar (UFPA - 1995). Possui Mestrado em Motricidade Humana pela Universidade do Estado do Pará ( UEPA-2004). Possui Doutorado em Pedagogia da Educação Física (PUC-2012). Atualmente é professora da Universidade do Estado do Pará. Professora do Núcleo de Esporte e Lazer (SEDUC /NEL), Membro do Grupo de Pesquisa em Estudos de Lazer (GEL) Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Lazer, atuando principalmente nos seguintes temas: lazer, educação física, educação, metodologia e ensino

Referências

ALMEIDA, K. L.; CAVALCANTE, A.; SILVA, J. S. C. Importância da identificação precoce da ocorrência do bullying: uma revisão de literatura. Revista de Pediatria [s.l.], v. 9, n. 1, p. 8-16, 2008.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 3. ed. São Paulo: Edições 70, 2016.

BOTELHO, R.; SOUZA, J. M. C. Bullying e educação física na escola: características, casos, consequências e estratégias de intervenção. Revista de Educação Física, Rio de Janeiro, v. 139, p. 58-70, 2007.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília: Senado Federal, Subsecretaria de Edições Técnicas, 2005. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm>. Acessado em: 24 de setembro de 2021.

CRESPAN, A. G.; AHLERT, A. Agressividade e violência na escola: olhares sobre a educação física. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 13, n. 2, p. 71-84, 2015.

FANTE, C. Fenômeno bullying: como prevenir a violência nas escolas e educar para a paz. Campinas: Verus, 2005.

FERNANDES, G.; YUNES, M. A. M.; TASCHETTO, L. R. Bullying no ambiente escolar: o papel do professor e da escola como promotores de resiliência. Revista Sociais e Humanas, Santa Maria, v. 30, n. 3, p. 141-54, 2017.

FORLIM, B. G.; STELKO-PEREIRA, A. C.; WILLIAMS, L. C. de A. Relação entre bullying e sintomas depressivos em estudantes do ensino fundamental. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 31, n. 3, p. 367-75, 2014.

FREIRE, P. Pedagogia da tolerância. São Paulo: Paz e Terra, 2016.

FREIRE, P. Professora, sim; tia, não: cartas a quem ousa ensinar. São Paulo, Paz e Terra, 2015.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GIORDANI, J. P.; SEFFNER, F.; DELL’AGLIO, D. D. Violência escolar: percepções de alunos e professores de uma escola pública. Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 103-111, 2017.

LOPES NETO, A. A. Bullying: comportamento agressivo entre estudantes. Jornal de Pediatria, São Paulo, v. 81, n. 5, p. s164-s72, 2005.

MARTINS, M. J. D. O problema da violência escolar: uma clarificação e diferenciação de vários conceitos relacionados. Revista Portuguesa de Educação, Braga, v. 18, n. 1, p. 93-115, 2005.

MATOS, K. dos S.; ZOBOLI, F.; MEZZAROBA, C. O bullying nas aulas de educação física escolar: corpo, obesidade e estigma. Atos de Pesquisa em Educação, Blumenau, v. 7, n. 2, p. 272-95, 2012.

MELIM, F. M. O.; PEREIRA, M. B. F. L. de O. Prática desportiva, um meio de prevenção do bullying na escola? Movimento, Porto Alegre, v. 19, n. 2, p. 55-77, 2013.

MELIM, F. M. O.; PEREIRA, M. B. F. L. de O. A influência da educação física no bullying escolar: a solução ou parte do problema? Revista Ibero Americana de Educación, Madrid, v. 67, n. 1, p. 65-84, 2015.

MELLO, F. C. M.; SILVA, J. L. D.; OLIVEIRA, W. A. D.; PRADO, R. R. D.; MALTA, D. C.; SILVA, M. A. A prática de bullying entre escolares brasileiros e fatores associados, Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar 2015. Ciência & Saúde Coletiva, São Paulo, v. 22, p. 2939-48. 2017.

SALMIVALLI, C. Participant role approach to school bullying: Implications for interventions. Journal of Adolescence, Amsterdam, v. 22, n. 4, p. 453-9, 1999.

SCHMITT, M. Â. Ação-reflexão-ação: a prática reflexiva como elemento transformador do cotidiano educativo. Protestantismo em Revista, São Leopoldo, v. 25, p. 59-65, 2011.

SILVA, J. L. D.; OLIVEIRA, W. A. D.; MELLO, F. C. D. M.; PRADO, R. R. D.; SILVA, M. A. I.; MALTA, D. C. Prevalência da prática de bullying referida por estudantes brasileiros: dados da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar, 2015. Epidemiologia e Serviços de Saúde, São Paulo, v. 28, p. e2018178, 2019.

VIANNA, J. A.; SOUZA, S. M. de; REIS, K. P. dos. Bullying nas aulas de Educação Física: a percepção dos alunos no Ensino Médio. Ensaio: avaliação e políticas públicas em educação, Rio de Janeiro, v. 23, n. 86, p. 73-93, 2015.

ZEQUINÃO, M. A.; MEDEIROS, P. D.; PEREIRA, B.; CARDOSO, F. Bullying escolar: um fenômeno multifacetado. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 42, p. 181-98, 2016.

Downloads

Publicado

16-11-2021

Como Citar

FREITAS, N. C. S.; MORAES, R. R.; NETO, A. de M.; DO SOCORRO, P. C. de A. Bullying: percepções no âmbito escolar na visão dos futuros profissionais. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 19, n. 3, p. 1–7, 2021. DOI: 10.36453/cefe.2021.n3.27502. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/27502. Acesso em: 8 dez. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Educação Física Escolar: desafios e possibilidades na atualidade