Influências, implicações e resquícios das proposições didático-pedagógicas críticas da Educação Física escolar brasileira na Base Nacional Comum Curricular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/cefe.2021.n3.27511

Palavras-chave:

Educação física escolar, proposições didático-pedagógicas, Base Nacional Comum Curricular

Resumo


OBJETIVO: Analisar as possíveis convergências e dissonâncias entre as proposições didático-pedagógicas críticas da Educação Física (EF) e a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), buscando compreender se há alguma influência das proposições na formulação deste documento.
MÉTODOS: Utilizou-se da pesquisa de cunho qualitativo do tipo análise documental com caráter descritivo-exploratório.
RESULTADOS: A partir do que analisamos no decorrer da pesquisa obtivemos resultados com relação às semelhanças entre a BNCC e as proposições críticas, tais como a organização dos conteúdos, a necessidade de problematização do esporte, a educação integral, a interdisciplinaridade e os eixos norteadores do processo de aula, como as dimensões do conhecimento, habilidades e competências. Para além disso, também foram identificadas algumas diferenças, como a visão crítica de mundo, apresentada pelas proposições e a visão voltada para o mundo do trabalho, proposta pela BNCC, além da ausência da participação dos alunos na construção das aulas na BNCC e a falta de procedimentos metodológicos no documento.
CONCLUSÃO: Em suma, podemos perceber ao longo da BNCC os resquícios e contribuições das proposições críticas, entretanto, é possível notar a falta de elementos da EF construídos historicamente pelas proposições. A BNCC se apresenta como um avanço no que se refere às normativas educacionais, porém pode ser vista como um retrocesso em relação às conquistas históricas no campo da EF.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Gandarela, Universidade Federal de Sergipe (UFSE), Aracajú

Graduanda em Educação Física/Licenciatura, pela Universidade Federal de Sergipe. Bolsista do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC), pelo CNPq. Membro do Grupo de Pesquisa Projeto Erguer - Investigando Relação Entre Atividade Física, Comportamento Sedentário e Desempenho Cognitivo em Escolares e membro do Centro de Investigação em Saúde, Atividade Física e Esporte (SAFE). Graduada em Tecnologia em Eventos, pelo Instituto Federal da Bahia - IFBA (2017)

Bianca Raquel dos Santos Silveira, Universidade Federal de Sergipe (UFSE), Aracajú

Graduanda em Educação Física Licenciatura, pela Universidade Federal de Sergipe. E-mail: biancarssilveira@gmail.com

Beatriz Barreto e Silva, Universidade Federal de Sergipe (UFSE), Aracajú

Graduanda do curso de Licenciatura em Educação Física pela Universidade Federal de Sergipe. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas Sociedade, Cultura e Educação Física - GEPESCEF, da Universidade Federal de Sergipe. Bolsista de Iniciação Científica (COPES/UFS/CNPq).

Josefa Graziele Santos Santana, Universidade Federal de Sergipe (UFSE), Aracajú

Graduanda em Educação Física (Licenciatura) , pela Universidade Federal de Sergipe. Membro do projeto de Pesquisa - Projeto Erguer, investigando relação entre atividade física, comportamento sedentário e desempenho cognitivo em escolares. Participa atualmente de dois grupos de pesquisa, sendo eles o Centro de Investigação em Saúde, Atividade Física e Esporte (SAFE) e o Grupo de Pesquisa em Avaliação, Política, Gestão e Organização da Educação ( APOGEU)

Laís Vitória Souza Silva Santos, Universidade Federal de Sergipe (UFSE), Aracajú

Graduanda em Educação Física Licenciatura, pela Universidade Federal de Sergipe.

Cristiano Mezzaroba, Universidade Federal de Sergipe (UFSE), Aracajú

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Professor do Departamento de Educação Física da Universidade Federal de Sergipe e do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED/UFS). Coordenador do GEPESCEF – Grupo de Estudos e Pesquisas Sociedade, Cultura e Educação Física/UFS. Aracaju – SE, Brasil. Também atua como pesquisador no Laboratório de Pesquisas Sociológicas Pierre Bourdieu (LAPSB/UFSC) e no Núcleo de Estudos e Pesquisas Educação e Sociedade Contemporânea (UFSC/CNPq).

Referências

BETTI, M. O que a semiótica inspira ao ensino da educação física. Discorpo, São Paulo, n. 3, p. 25-45, 1994.

BRACHT, V. Educação física e aprendizagem social. 2. ed. Porto Alegre: Magister, 1992.

BRACHT, V. A constituição das teorias pedagógicas da educação física. Caderno CEDES, São Paulo, v. 19, n. 48, p. 69-88, 1999.

BRASIL. Constituição da República Federal do Brasil de 1988. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acessado em: 12 maio 2021.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acessado em: 11 de maio de 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/CONSED, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acessado em: 11 de maio de 2021.

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa diretrizes e bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 12 ago. 1971. Disponível em: <https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html>. Acessado em: 11 de maio de 2021.

BOSCATTO, J. D.; IMPOLCETTO, F. M.; DARIDO, S. C. A Base Nacional Comum Curricular: uma proposição necessária para a educação física? Motrivivência, Florianópolis, v. 28, n. 48, p. 96-112, 2016.

CALLAI, A. N. A.; BECKER, E. P.; SAWITZKI, R. L. Considerações acerca da educação física escolar a partir da BNCC. Conexões, Campinas, v. 17, p. 1-16, 2019.

CASSIO, F. L. Base Nacional Comum Curricular: ponto de saturação e retrocesso na educação. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 12, n. 23, p. 239-53, 2018.

DAOLIO, J. Educação física e o conceito de cultura. Campinas: Autores Associados, 2004.

DARIDO, S. C. Educação física na escola: questões e reflexões. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2003.

GRUPO DE TRABALHO PEDAGÓGICO UFPE-UFSM. Visão didática da educação física: análises críticas e exemplos práticos de aulas. Rio de Janeiro: Livro Técnico, 1991.

HILDEBRANDT-STRAMANN, R.; LAGING, R. Concepções abertas no ensino da educação física. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 1986.

HILDEBRANDT-STRAMANN, R.; LAGING, R. Concepções abertas ao ensino da educação física. 2. ed. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico, 2005.

HIRAI, R. T.; CARDOSO, L. C. Possibilidades para o ensino orientado na problematização: para a realização da concepção de “aulas abertas às experiências”. Movimento, Porto Alegre, v. 15, n. 1, p. 1-18, 2009.

IMPOLCETTO, F. M.; DARIDO, S. C. Organização curricular na educação física escolar. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 601-17, 2017.

KUNZ, E. Educação física: ensino & mudanças. Ijui: Unijui, 1991.

KUNZ, E. Transformação didático-pedagógica do esporte. 5. ed. Ijui: Unijui, 1994.

LIRA NETO, J. F. Relações entre a proposta das concepções abertas no ensino da educação física e o método Paulo Freire. Conexões, Campinas, v. 6, n. 2, p. 62-81, 2008.

MARTINELI, T. A. P.; MAGALHÃES, C. H.; MILESKI, K. G.; ALMEIDA, E. M. de. A educação física na BNCC: concepções e fundamentos políticos e pedagógicos. Motrivivência, Florianópolis, v. 28, n. 48, p. 76-95, 2016.

MINAYO, M. C. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21.ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

NEIRA, M. G. Incoerências e inconsistências da BNCC de educação física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, São Paulo, v. 40, n. 3, p. 216-23, 2018.

NEIRA, M. G.; SOUZA JUNIOR, M. S. A Educação física na BNCC: procedimentos, concepções e efeitos. Motrivivência, v. 28, n. 48, p. 188-206, 2016.

NEIRA, M. G.; ALVIANO JUNIOR, W. A.; ALMEIDA D. F. de. A primeira e segunda versões da BNCC: construção, intenções e condicionantes. EccoS, São Paulo, n. 41, p. 31-44, 2016.

PERRENOUD, P. O que fazer da ambiguidade dos programas escolares orientados para as competências. Pátio Revista Pedagógica, Porto Alegre, v. 23, p. 8-11, 2002.

PINHEIRO, E. G. A Educação física escolar na Base Nacional Comum Curricular: dinâmicas de um movimento em construção. 2018. 381f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2018.

ROCHA, M.; SILVA, H.; SILVA, D. Educação integral e escola em tempo integral: em busca da formação emancipadora. Revista de Pesquisa Interdisciplinar, Cajazeiras, n. 2, Sup., p. 354-65, 2017.

SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, M. E. M. P.; CASTELLLANI FILHO, L.; ESCOBAR, M. O.; BRACHT, V. Metodologia do ensino de educação física. São Paulo: Cortez, 1992.

SOARES, C. L.; TAFFAREL, C. N. Z.; VARJAL, M. E. M. P.; CASTELLLANI FILHO, L.; ESCOBAR, M. O.; BRACHT, V. Metodologia do ensino de educação física. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

TRICHES, E. de F; ARANDA, M. A. de M. A formulação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) como ação da política educacional: breve levantamento bibliográfico (2014-2016). Revista Online de Extensão e Cultura Realização, Dourados, v. 3, n. 5, p. 81-98, 2016.

VAGO, T. M. O “esporte na escola” e o “esporte da escola”: da negação radical para uma relação de tensão permanente - Um diálogo com Valter Bracht. Movimento, Porto Alegre, v. 3, n. 5, p. 4-17, 1996.

Downloads

Publicado

18-11-2021

Como Citar

GANDARELA, L.; SILVEIRA, B. R. dos S.; SILVA, B. B. e; SANTANA, J. G. S.; SANTOS, L. V. S. S.; MEZZAROBA, C. Influências, implicações e resquícios das proposições didático-pedagógicas críticas da Educação Física escolar brasileira na Base Nacional Comum Curricular. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 19, n. 3, p. 1–9, 2021. DOI: 10.36453/cefe.2021.n3.27511. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/27511. Acesso em: 8 dez. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Educação Física Escolar: desafios e possibilidades na atualidade