A percepção dos gestores das escolas de ensino médio em Fortaleza sobre a importância da educação física como componente curricular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/cefe.2021.n3.27514

Palavras-chave:

Gestores, Educação Física, Ensino Médio.

Resumo


INTRODUÇÃO: A Educação Básica no Brasil passou por momentos bem conturbados durante a década de 2010. Dentre esses momentos pode-se destacar a evolução da MP n° 746/2016 para a Lei 13.415/2017 e a instituição do Novo Ensino Médio. A partir desta Lei, a Educação Física (EF) poderia ser excluída do rol de disciplinas curriculares obrigatórias da Educação Básica. Em meio a esse cenário, vários movimentos foram realizados para manter a EF como obrigatória na etapa do Ensino Médio na escola. OBJETIVO: Verificar a percepção dos gestores de escolas de ensino médio, pertencentes a rede pública do estado do Ceará, sobre a importância das aulas de EF.  MÉTODOS: O estudo caracteriza-se como uma pesquisa de campo e exploratória, com caráter transversal quanti-qualitativo, com a aplicação de um questionário do tipo Likert, com itens de múltipla escolha acerca de cada pergunta, variando as opções entre “discordo total”, “discordo parcialmente”, “concordo parcialmente” e “concordo totalmente”.  Participaram do estudo gestores de escolas regulares e profissionalizantes. A amostra do estudo foi composta por 40 gestores de escolas regulares e de tempo integral de um total de 119 escolas, perfazendo 33% das escolas elencadas como público para o atual estudo. A coleta de dados ocorreu dentre os anos de 2018 e 2019. RESULTADOS: Foi achado que os gestores consideram a EF como importante à formação integral do estudante (92,5%), que a carga horária semanal deveria ser aumentada (62,5%) e que a disciplina contribui para uma melhoria da prática de atividade física dos estudantes. CONCLUSÃO: A partir da percepção dos gestores das escolas estaduais da cidade de Fortaleza (CE), o componente curricular EF é importante para a formação dos estudantes. Bem como, eles consideram que a carga horária da disciplina poderia ser aumentada por conta da importante influência da disciplina sobre a prática de atividade física.ABSTRACT. Perception of high school managers in Fortaleza on the importance of physical education as curriculum component.BACKGROUND: The Basic Education in Brazil has been through hard moments during 2010 decade. Among these moments, can be put in the spotlight the advance from the MP n° 746/2016 into 13.415/2017 Law and the institutionalization of the New High School level in Brazil. Through this new law, the Physical Education could be excluded from the group of essencial disciplines in the Basic Education. Due to this, many struggling movements took place in order to maintain the Physical Education as an essencial discipline in Basic Education. OBJECTIVE: The research investigated the perception of managers of high schools, belonging to the public network of the state of Ceará, Brazil, on the importance of PE classes. METHODS: The study is characterized as a field and exploratory research, with a quantitative and qualitative cross-sectional character, with the application of a Likert-type questionnaire, with multiple choice items about each question, varying the options between “total disagree”, “Partially disagree”, “partially agree” and “totally agree”. Managers of regular and professional schools participated in the study. Thus, the sample of the present study was composed of 40 regular and full-time school managers from a total of 119 schools, making up 33% of the schools listed as public for the current study. Data collection took place between the years 2018 and 2019. RESULTS: The managers consider the PE important in contribution to the student´s integral formation (92,5%), the workload should be increased (62,5%) and that the discipline contributes to an increase in the amount of the student´s physical activity practice. CONCLUSION: Based on the perception of managers of state schools in the city of Fortaleza-CE, the Physical Education curricular component is important for the formation of students. As well, they consider that the workload of the discipline could be increased due to the important influence of the discipline on the practice of physical activity.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danilo Bastos Moreno, Centro Universitário UniFanor (UniFanor)

Mestre em Atividade Física e Saúde (FADEUP-PT); Especialista em Artes Marciais, Esportes de Combate e Lutas (UECE) e Especialista em Fisiologia e Biomecânica dos Movimentos (FIC-CE);Licenciatura Plena em Educação Física;Coordenador do Laboratório de Estudos e Pesquisas em Educação Física e Ensino Médio - LEPEFEM;Componente do Grupo de Pesquisas em Artes Marciais, Esportes de Combate e Lutas - GAMA.Professor de Educação Física da Educação Básica vinculado à SEDUC-CE;Professor universitário de Educação Física.

César Augusto Barroso de Andrade, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Especialista em Educação Física Escolar;Docente da Universidade Regional do Cariri - Iguatu (CE).

Referências

ARAÚJO, G. M.; MOURA, T. N. B. A divisão de gênero nas aulas de educação física. Revista Form@ re-Parfor, Teresina, v. 4, n. 1, p. 18-21, 2016.

BRASIL. Lei nº 10.328, de 12 de dezembro de 2001. Introduz a palavra “obrigatório” após a expressão “curricular”, constante do § 3° do art. 26 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília/DF, 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10328.htm. Acessado em: 05 de abril de 2021

BRASIL. Medida Provisória nº 746, de 22 de setembro de 2016. Institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral, altera a Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e a Lei nº 11.494 de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, e dá outras providências. Brasília/DF, 2016. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/medpro/2016/medidaprovisoria-746-22 setembro-2016-783654-publicacaooriginal-151123-pe.html. Acessado em: 10 de março de 2021

BRASIL. Ministério da Educação. A Base Nacional Comum Curricular: educação é a base. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acessado em: 30 de junho de 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei De Diretrizes e Bases da Educação – LDB - Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Governo Federal, Ministério da Educação, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acessado em: 10 de março de 2021.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Educação Física, Brasília: MEC, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf. Acessado em: 10 de março de 2021.

BRASIL. Secretaria de Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio), Brasília: MEC, 2000. Disponível em: Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf/BasesLegais.pdf. Acessado em: 10 de março de 2021.

CARRANO, P. Um “novo” ensino médio é imposto aos jovens no Brasil. Anped, 2017. Disponível em: http://www.anped.org.br/news/um-novo-ensino-medio-e-imposto-aos-jovens-nobrasil. Acessado em: 30 de setembro de 2018

CEARÁ. Secretaria da Educação. Metodologias de Apoio: matrizes curriculares para ensino médio. – Fortaleza: SEDUC, 2009. (Coleção Escola Aprendente - Volume 1). Disponível em: https://www.seduc.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/37/2010/05/livro_matrizes_curriculares.pdf. Acessado em: 10 de março de 2021.

DARIDO, S. C.; DINIZ, I. Educação física no ensino médio: luxo ou necessidade. Rio Claro: Unesp, 2016.

FERNANDES, A.; RODRIGUES, H. A.; NARDON, T. A. A inserção dos conteúdos de Educação Física no ENEM: entre a valorização do componente curricular e as contradições da democracia. Motrivivência, Florianópolis, v. 25, n. 40, p. 13-24, 2013.

GASPAROTTO, G. S.; BICHELS, A.; SZEREMETA, T. P.; VAGETTI, G. C.; OLIVEIRA, V. Desempenho acadêmico de estudantes do ensino médio associado a aspectos psicológicos, práticas corporais e atividade física. Journal of Physical Education, Maringá, v. 31, e3137, 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Coordenação de População e Indicadores Sociais. Pesquisa nacional de saúde do escolar: 2015. Rio de Janeiro, IBGE, 2016. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/educacao/9134-pesquisa-nacional-de-saude-do-escolar.html?=&t=o-que-e. Acessado em: 10 de março de 2021.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Estatísticas Sociais. Falta de tempo e de interesse são os principais motivos para não se praticar esportes no Brasil. 2017. Disponível em: https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/15128-falta-de-tempo-e-de-interesse-sao-os-principais-motivos-para-nao-se-praticar-esportes-no-brasil. Acessado em: 12 de outubro de 2020.

KNUTH, A.; LOCH, M. “Saúde é o que interessa, o resto não tem pressa”? Um ensaio sobre educação física e saúde na escola. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde, Florianópolis, v. 19, n. 4, p. 429-40, 2014.

LÜCK, H. Dimensões da gestão escolar e suas competências. Curitiba: Editora Positivo, v. 1, 2009.

MARTINS, R. M.; FERREIRA, D. A.; POMPEU, M.; SILVA, M. E. H. Análise da matriz curricular de educação física para o ensino médio do estado do Ceará: um olhar sobre a organização curricular. Motriz, Rio Claro, v. 21, Suplemento I, p. S189, 2015

MATTOS, M. G.; NEIRA, M. G. Educação física na adolescência: construindo o conhecimento na escola. São Paulo: Phorte, 2013.

MOLINA NETO, V.; FONSECA, D. G.; OLIVEIRA, L.; LOPES, R. A.; WITTIZORECKI, E. S. Educação física no ensino médio ou para entender a era do gelo. Motrivivência, Florianópolis, v. 29, n. 52, p. 87-105, 2017.

NEIRA, M. G. Incoerências e inconsistências da BNCC de educação física. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Brasília, v. 40, n. 3, p. 215-23, 2018.

RIGO, L. C.; SANTOLIN, C. B. Combate à obesidade: uma análise da legislação brasileira. Movimento, Porto Alegre, v. 18, n. 2, p. 279-96, 2012.

RUFINO, L. G. B.; SOUZA NETO, S. Saberes docentes e formação de professores de educação física: análise da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) na perspectiva da profissionalização do ensino. Motrivivência, Florianópolis, v. 28, n. 48, p. 42-60, 2016.

SANTOS, N.; SANTOS, A. D.; RODRIGUES, A.; ASSIS, M.; NASS, P.; CAPRARO, A. Gêneros e educação física escolar: notas gerais sobre a formação cultural no decorrer da história. Lecturas: Educación Física y Deportes, Revista Digital, Buenos Aires, v. 12, p. 112, 2007. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd112/generos-e-educacao-fisica-escolar.htm. Acessado em: 30 de junho de 2021.

SANTOS, O. J. G.; SILVA, M. C. Teoria e prática: as implicações nas aulas de educação física escolar. Lecturas: Educación Física y Deportes, Revista Digital, Buenos Aires, v. 17, n. 170, 2012. Disponível em: https://www.efdeportes.com/efd170/teoria-e-pratica-nas-aulas-de-educacao-fisica.htm. Acessado em: 05 de abril de 2021.

SEDUC. Secretaria da Educação do Estado do Ceará. Resolução Nº 412/2006. Dispõe sobre o tratamento a ser dado à Educação Física nos currículos das escolas de educação básica. Fortaleza, CE, 21 jun. 2006. Seção 1, p. 01-06. Disponível em: https://www.cee.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/49/2011/08/RES-0412-2006. Acessado em: 30 de junho de 2021.

SEVERINO, C. D.; SILVA, B. M. Educação física escolar e a promoção da saúde: um ponto de vista. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 12, n. 2, p. 77-86, 2014.

SILVA ILHA, F. R.; KRUG, H. N. As contribuições da gestão escolar para o desenvolvimento profissional de professores de educação física. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 7, n. 13, p. 9-17, 2008.

SILVA JÚNIOR, S. D.; COSTA F. J. Mensuração e escalas de verificação: uma análise comparativa das escalas de Likert e Phrase Completion – PMKT. Revista Brasileira de Pesquisas de Marketing, Opinião e Mídia, São Paulo, v. 15, p. 1-16, 2014.

WHO. World Health Organization. World Health Statistics 2018: Monitoring health for the SDGs. Geneva: 2018. Disponível em: https://www.who.int/gho/publications/world_health_statistics/2018/en/. Acessado em: 30 de junho de 2021.

Downloads

Publicado

01-09-2021

Como Citar

MORENO, D. B.; ANDRADE, C. A. B. de; ALVES, M. E. C.; RODRIGUES, L. C. A percepção dos gestores das escolas de ensino médio em Fortaleza sobre a importância da educação física como componente curricular. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 19, n. 3, p. 1–6, 2021. DOI: 10.36453/cefe.2021.n3.27514. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/27514. Acesso em: 26 out. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Educação Física Escolar: desafios e possibilidades na atualidade