Itinerância, intensificação e condições de trabalho de professores de educação física escolar como condicionante de motivação e bem-estar docente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/cefe.2021.n3.27654

Palavras-chave:

Itinerância, Docência, Educação Física.

Resumo


INTRODUÇÃO: As crescentes demandas do trabalho docente, a itinerância entre escolas desencadeiam processos de intensificação e precarização da função laboral docente. 
OBJETIVO: Analisar situações de itinerância, intensificação e condições de trabalho e suas consequências à motivação, carreira e condições de bem-estar de um grupo de professores de Educação Física de um município do extremo oeste do Estado do Paraná, Brasil. 
MÉTODOS: É um estudo qualitativo, de corte transversal e de cunho descritivo desenvolvido com dez professores de Educação Física de escolas públicas estaduais e municipais de um município do extremo oeste do Estado do Paraná. Foram utilizados na coleta de dados um questionário sociodemográfico para caracterização dos participantes e uma entrevista semiestruturada, com roteiro referente às condições laborais e suas relações com itinerância entre escolas e intensificação do trabalho docente. As análises dos resultados foram realizadas com base no plano de análise de conteúdo proposto por Bardin (2011). 
RESULTADOS: O estudo levantou dados que evidenciam a motivação para a docência, embora as manifestações de instabilidade de vínculo empregatício, a constante necessidade de itinerância entre escolas e a limitação e fragmentação de suas atribuições profissionais. Tais entraves aparecem como desencadeantes da intensificação, limitação e fragmentação do trabalho docente sendo fator determinante para o estresse excessivo, desajuste no nível de integração com ambiente de trabalho, no modo com que enfrentamento de demandas profissionais e desenvolvimento na carreira. 
CONCLUSÃO: A itinerância dos professores entre escolas acentua um quadro de intensificação e precarização do trabalho docente, com potencialidade para impactar em sua motivação e bem-estar docente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adelar Aparecido Sampaio, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste), Marechal Cândido Rondon

Atua nas áreas de formação docente inicial e continuada, desenvolvendo estudos, oficinas e cursos nos seguintes temas: bem-estar docente, mal-estar docente, formação inicial e continuada de professores e Educação Física escolar. É pesquisador dos grupos de pesquisas: Mal-estar e Bem-estar na Docência da PUCRS; Grupo de Estudos e Pesquisa em Educação Física Escolar e Grupo de Pesquisa Educação Física e Saúde, da Unioeste

Referências

ABONIZIO, G. Precarização do trabalho docente: apontamentos a partir de uma análise bibliográfica. Ensino de Sociologia em Debate, Londrina, v. 1, n.1, p. 1-28, 2012.

ANDRÉ, M. E. D. A. Estudo de caso em pesquisa e em avaliação educacional. Brasília: Líber, 2005.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 2015.

AZEVEDO, J. L. A educação como política pública. 3. ed. Campinas: Autores Associados, 2004.

BALL, S.; BAILEY, P.; MENA, P.; DEL MONTE, P.; SANTORI, D.; TSENG, C.; YOUNG, H.; OLMEDO, A. A constituição da subjetividade docente no Brasil: um contexto global. Educação em Questão, Natal, v. 46, n. 32, p. 9-36, 2013.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BELL-RODRIGUES, R. F. Comprensión del ciclo para la inclusión educativa en la educación superior ecuatoriana. Revista Electrónica Educare, Heredia, v. 24, n. 1, p. 70-90, 2020.

BOING, L. A. Os sentidos do trabalho de professores itinerantes. 2008. 191f. Tese (Doutorado em Educação) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.

BOTH, J.; NASCIMENTO, J. V. Condições de vida do trabalhador docente em educação física do magistério público municipal de Florianópolis. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 9, n. 16, p. 11-28, 2010.

DAVOGLIO, T. R.; SPAGNOLO, C.; SANTOS, B. S. Motivação para a permanência na profissão: a percepção dos docentes universitários. Psicologia Escolar e Educacional, São Paulo, v. 21, n. 2, p. 175-82, 2017.

DRUCK, G. Trabalho, precarização e resistências: novos e velhos desafios? Caderno CRH, Salvador, v. 24, n. 1, p. 37-57, 2011.

FLORES, M. A. Tendências e tensões no trabalho docente: reflexões a partir da voz dos professores. Perspectiva, Florianópolis, v. 29, n. 1, 161-191, 2011.

FONTES, V. Capitalismo em tempos de uberização: do emprego ao trabalho. Marx e o Marxismo, Rio de Janeiro, v. 5, n. 8, p. 1-23, 2017.

GATTI, B. A.; BARRETO, E. S. de S. Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 2009.

GUIMARÃES, A. I. R. A Transversalidade da motivação na docência. 2013. 119f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Escola Superior de Educação de Paula Franssinetti, Porto, 2013.

KRAWCZYK, N. R.; VIEIRA, V. L. Homogeneidade e heterogeneidade nos sistemas educacionais: Argentina, Brasil, Chile e México. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 36, n. 129, p. 673-704, 2006.

KRUG, H. N. A precarização do trabalho docente em educação física na educação básica. Gestão Universitária, Belo Horizonte, v. 8, n. 1, p. 1-12, 2017.

KRUG, N.; KRUG, R. R.; CONCEIÇÃO, V. J. S. Dar voz aos professores de educação física: as histórias de vida sobre os momentos significativos em relação as fases da carreira docente. Interfaces da Educação, Paranaíba, v. 4, n. 10, p. 109-33, 2013.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

MAROSTICA, D.; SAMPAIO, A. A. Estresse em professores de educação física: potenciais causas e estratégias de enfrentamento. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 13, n. 2, p. 45-60, 2015.

MILANI, N. Z.; FIOD, E. G. M. Precarização do trabalho docente nas escolas públicas do Paraná. Roteiro, Joaçaba, v. 33, n. 1, p. 77-100, 2008.

NASCIMENTO, R. K.; BOTH, J.; GUIMARÃES, J. R. S.; BENITES, C. L.; FOLLE, A. Perfis de satisfação no trabalho: um estudo com professores de educação física. Retos, San Javier, n. 42, p. 220-27, 2021.

OLIVEIRA, D. A. A Reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1127-44, 2004.

PELOSI, M. B.; NUNES, L. R. O. Caracterização dos professores itinerantes, suas ações na área de tecnologia assistiva e seu papel como agente de inclusão escolar. Revista Brasileira de Educalção Especial, Marília, v. 15, n. 1, p. 141-54, 2009.

PEREZ GOMEZ, A. A cultura escolar na sociedade neoliberal. Porto Alegre: Artemed, 2001.

PINTO, G. A. A organização do trabalho no século 20: taylorismo, fordismo e toyotismo. 2. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

PINTO, S. G.; ROSADO, D. G. Motivação docente: reflexões acerca de sua importância no processo de ensino-aprendizagem. FIEP Bulletin On-line, Foz do Iguaçu, v. 82, Edição Especial, p. 1-7, 2012.

QUADROS, L. R.; JUNIOR, S. de O.; CONCEIÇÃO, V. J. S.; WITTIZORECKI, E. S. O trabalho docente de professores de Educação Física iniciantes na carreira: um estudo na região sul de Santa Catarina. Biomotriz, Cruz Alta, v. 12, n. 2, p. 259-72, 2018.

RUFINO, L. G. B.; BENITES, L. C.; SOUZA NETO, S. Os desafios para o desenvolvimento do trabalho docente na perspectiva de professores de educação física. Corpoconsciência, Cuiabá, v. 21, n. 3 p. 55-65, 2017.

SAMPAIO, A. A.; STOBAUS, C. D. O apoio pedagógico na formação inicial: perspectivas para o bem-estar docente e desenvolvimento profissional. Espaço Pedagógico, Passo Fundo, v. 22, n. 2, p. 371-91, 2015.

SAMPAIO, M. das M. F; MARIN, A. J. Precarização do trabalho docente e seus efeitos sobre as práticas curriculares. Educação e Sociedade, Campinas, v. 25, n. 89, p. 1203-25, 2004.

SEKI, A. K.; SOUZA, A. G.; GOMES, F. A.; EVANGELISTA, O. Professor temporário: um passageiro permanente na educação básica brasileira. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 12, n. 3, p. 942-59, 2017.

SHIROMA, E. O.; MORAES, M. C. M.; EVANGELISTA, O. Política educacional. 4. ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

SILVA, O. O. N.; SOUZA, G. A. MIRANDA, T. G. BORDAS, M. A. G. B. O trabalho do professor de educação especial itinerante: Uma revisão sistemática. Educação, Psicologia e Interfaces, Ponta Porã, v. 4, n. 2, p. 51-66, 2020.

SILVA, M. R.; ABREU, C. B. M. Reformas pra quê? As políticas educacionais nos anos de 1990, o “novo projeto de formação” e os resultados das avaliações nacionais. Perspectiva, Florianópolis, v. 26, n. 2, p. 523-50, 2008.

SILVA, R. A. O.; GUILLO, L. A. Condições de trabalho e estresse: um estudo com professores da Educação Básica. Trabalho e Educação, Belo Horizonte, v. 24, p. 153-66, 2015.

SILVA, R. A. O.; GUILLO, L. A. Trabalho docente e saúde: um estudo com professores da educação básica do sudeste goiano. Revista Itinerarius Reflectionis, Jataí, v. 11, n. 2, p. 1-17, 2015.

STOBÄUS, C. D.; MOSQUERA, J. J. M.; SANTOS, B. S. Grupo de Pesquisa mal-estar e bem-estar na docência. Educação, Porto Alegre, v. 30, n. especial, p. 259-72, 2007.

VENTORIM, S.; ASTORI, F, B, da S.; BITENCOURT, J. F. O desmonte das políticas de formação de professores confrontado pelas entidades acadêmico-científicas. Jornal de Políticas Educacionais, Curitiba, v. 14, n. 22, p. 1-20, 2020.

VIEIRA, J. S.; GONÇALVES, V. B.; MARTINS, M. F. D. Trabalho docente e saúde das professoras de educação infantil de Pelotas, Rio Grande do Sul. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p. 559-74, 2016.

WITTIZORECKI, E. S. Mudanças sociais e o trabalho docente do professorado de educação física na escola de ensino fundamental: um estudo na rede municipal de ensino de Porto Alegre. 2009. 227f. Tese (Doutorado em Ciências do Movimento Humano) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

WITTIZORECKI, E. S.; MOLINA NETO, V.; BOSSLE, F. Mudanças sociais e o trabalho docente de professores de Educação Física na escola: estudo a partir de histórias de vida. Movimento, Porto Alegre, v. 18, n. 1, p. 149-69, 2012.

Downloads

Publicado

25-11-2021

Como Citar

HAHN, S.; SILVA JUNIOR, A. P. da; SEIBERT, C.; LIMA, D. F. de; BOTH, J.; MAZZARDO, O.; SAMPAIO, A. A. Itinerância, intensificação e condições de trabalho de professores de educação física escolar como condicionante de motivação e bem-estar docente. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 19, n. 3, p. 1–8, 2021. DOI: 10.36453/cefe.2021.n3.27654. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/27654. Acesso em: 8 dez. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Educação Física Escolar: desafios e possibilidades na atualidade

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 3 4 5 > >>