Jogada ensaiada: representações sociais da figura do goleiro no futebol brasileiro pós Barbosa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/cefe.2021.n2.27702

Palavras-chave:

Futebol, Goleiro, Representações

Resumo


INTRODUÇÃO: Este ensaio aborda as representações sociais em torno do papel do goleiro no contexto do futebol brasileiro. O marco temporal é a Copa do Mundo de 1950 pelo impacto histórico e sociocultural que a derrota da seleção brasileira na final no Maracanã teve no cenário nacional à época. 
OBJETIVO: Analisa dados e informações de alguns autores sobre a Copa do mundo daquele ano, especialmente sobre a falha do goleiro Barbosa, que foi culpado pela derrota brasileira na final daquela Copa. 
MÉTODOS: Análise interpretativa de discursos sobre goleiros na ótica da Teoria do Espaço de Representação do Futebol. 
CONCLUSÃO: Conclui que no Brasil, desde o episódio Barbosa, construiu-se uma representação de fundo racista sobre a confiabilidade de goleiros negros, assim como uma exacerbada valorização de goleiros estrangeiros. Discute possíveis caminhos a serem seguidos em pesquisas futuras nesta temática.


ABSTRACT. Set piece: social representations of the goalkeeper figure in Brazilian football post-Barbosa


BACKGROUND: TThis essay addresses the social representations surrounding the role of the goalkeeper in the context of Brazilian football. The time frame is the 1950 World Cup due to the historical and sociocultural impact that the defeat of the Brazilian team in the final at Maracanã Stadium had on the national scene at the time. 
OBJECTIVE: It analyzes data and information from some authors about the World Cup of that year, especially about the failure of goalkeeper Barbosa, who was held responsible for the Brazilian defeat in the final of that Cup. 
METHODS: Interpretative analysis of discourses about goalkeepers from the perspective of the Football Representation Space Theory. 
CONCLUSION: It concludes that in Brazil, since the Barbosa episode, a representation of racist background has been built on the reliability of black goalkeepers, as well as an exacerbated appreciation of foreign goalkeepers. It discusses possible paths to be followed in future research on this topic.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Freddo Breunig, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Possui graduação em Educação Física - Bacharelado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS (2011). Possui especialização em Educação e Saúde Mental Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS (2013). Possui Residência Integrada em Saúde Mental Coletiva pela Escola de Saúde Pública do Estado do Rio Grande do Sul - ESP/RS (2014). Possui especialização em Musicoterapia pela Faculdade de Candeias (2018). Atuou enquanto profissional de Educação Física na Rede de Atenção Psicossocial de Sapucaia do Sul/RS (2013 a 2019). Atuou enquanto preceptor de Campo na Residência Integrada em Saúde - Saúde Mental Coletiva da ESP/RS (2017 a 2019). Atualmente é Responsável Técnico em um Serviço Residencial Terapêutico da Rede de Atenção Psicossocial do município de Natal/RN. Atualmente é mestrando do Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), linha de pesquisa estudos sócio filosóficos sobre o corpo e o movimento humano. Atua principalmente nos seguintes temas: Educação Física, Atenção Psicossocial, Desinstitucionalização e Musicoterapia.

Douglas Meyer Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Formado em Educação Física - Licenciatura Plena no Centro Universitário Metodista - IPA Formado em Educação Física - Bacharelado na Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS 

Alex Branco Fraga, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Licenciado em Educação Física pelo Instituto Porto Alegre da Igreja Metodista (IPA), Mestre e Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Professor Titular da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança (ESEFID) e do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano (PPGCMH) da UFRGS. Editor-chefe da Revista Movimento (Porto Alegre); coordenador do Grupo de Pesquisa Políticas de Formação em Educação Física e Saúde (POLIFES), membro da Comissão Assessora de Apoio à Edição de Periódicos Científicos da UFRGS e coordenador do NDE Licenciatura em Educação Física UFRGS. Desde janeiro de 2016 está credenciado como Assistant Professor (status-only) na Faculty of Kinesiology & Physical Education FKPE da University of Toronto (UofT) e desde fevereiro de 2018 é Advisory Board Member do Centre for Critical Qualitative Health Research (CCQHR), também na UofT. De março de 2017 a fevereiro de 2018 atuou como Visiting Professor na FKPE e também no Centre for Critical Qualitative Health Research (CCQHR), ambos da UofT. Desde novembro de 2018 é editor honorário da Revista Brasileira de Ciências do Esporte (RBCE). Dentre as atividades já desenvolvidas na UFRGS, cabe destacar a atuação como Coordenador da Comissão de Graduação dos cursos de Educação Física (2007-2008); Coordenador da Comissão de Pesquisa da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança (2009-2012); Tutor do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde - PET-Saúde (2010-2014); Coordenador Substituto do Programa de Pós-Graduação em Ciências do Movimento Humano (2012-2014); Membro da Câmara de Graduação da UFRGS (2014-2016). Entre as atividades não diretamente vinculadas à UFRGS, ressalta-se a atuação como Editor da Revista Brasileira de Ciências do Esporte (2005-2008); Assessor da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação para elaboração das versões 1 e 2 da Base Nacional Comum Curricular (2015-2016); e Avaliador externo da Comisión Sectorial de Investigación Científica da Universidad de la Republica (UDELAR) do Uruguay em duas ocasiões (2010 e 2015). Tem experiência na área de Educação Física em interface com as áreas da Educação e Saúde Coletiva, com ênfase nos seguintes temas: políticas de formação, currículo, educação em saúde, práticas corporais/atividade física e sedentarismo, e comunicação científica. Entre outras produções, é autor do livro Corpo, identidade e bom-mocismo: cotidiano de uma adolescência bem comportada (Autêntica, 2000); e do livro Exercício da informação: governo dos corpos no mercado da vida ativa (Autores Associados, 2006). É um dos autores do Referencial Curricular do Rio Grande do Sul - Lições do Rio Grande (SEC/RS, 2009) e do livro Afazeres da Educação Física na escola: planejar, ensinar, partilhar (Edelbra, 2012), obra selecionada pelo Ministério da Educação do Brasil para o Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE 2013).

Referências

ALMEIDA, S. L. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

CAMPOS, F. R. G. O espaço de representação do futebol: uma apreensão do futebol como um elemento sociocultural e espacial. Curitiba: UFPR, 2006.

CAMPOS, F. R. G. O conceito de espaço de representação do futebol como possibilidade para apreensão do futebol profissional e amador como fenômenos da espacialidade. Boletim de Geografia, Maringá, v. 36, n. 2, p. 1-13, 2018.

COELHO, R. D. Presença de goleiros negros no Brasil salta de 12,5% para 31% em oito anos. UOL, 2012. Disponível em: http://www.uol.com.br/esporte/futebol/ultimas-noticias/2012/11/17/presenca-de-goleiros-negros-aumenta-mas-eles-ainda-sao-minoria.htm. Acessado em: 22 de junho de 2021

FERREIRA, E. Edílson revolta palmeirenses ao opinar sobre Jailson: “Goleiro negão falha”. In: Fox Sports Rádio, 2018. Disponível em: http://uolesportevetv.blogosfera.uol.com.br/2018/02/16/edilson-revolta-palmeirenses-ao-opinar-sobre-jailson-goleiro-negao-falha/. Acessado em: 24 de junho de 2021.

FRANCO JUNIOR, H. F. A dança dos deuses: futebol, cultura, sociedade. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GUILHERME, P. Goleiros: heróis e anti-heróis da camisa 1. São Paulo: Alameda, 2006.

RIBEIRO, D. A vingança de Barbosa: a luta do goleiro negro por respeito. Carta Capital, 2015. Disponível em: http://observatorioracialfutebol.com.br/a-vinganca-de-barbosa-a-luta-do-goleiro-negro-por-respeito/. Acessado em: 24 de junho de 2021.

RODRIGUES, B. Estigma racista do goleiro negro persiste desde derrota na Copa de 1950. Folha de São Paulo, 2020. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/esporte/2020/07/estigma-racista-do-goleiro-negro-persiste-70-anos-apos-maracanazo.shtml. Acessado em 22 de junho de 2021.

RODRIGUES FILHO, M. L. O negro no futebol brasileiro. Rio de Janeiro: Mauad, 2003.

Downloads

Publicado

23.08.2021

Como Citar

BREUNIG, F. F.; OLIVEIRA, D. M.; FRAGA, A. B. Jogada ensaiada: representações sociais da figura do goleiro no futebol brasileiro pós Barbosa. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 19, n. 2, p. 101–106, 2021. DOI: 10.36453/cefe.2021.n2.27702. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/27702. Acesso em: 1 jul. 2022.