Itinerário terapêutico e doença crônica: aproximações necessárias para a Educação Física

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/cefe.2022.28734

Palavras-chave:

práticas corporais, itinerário terapêutico, prática integral de cuidados de saúde

Resumo


INTRODUÇÃO: Itinerário terapêutico pode ser definido como a busca de cuidados em saúde pelo sujeito a partir das dimensões individual e sociocultural. Assim, o objetivo do presente ensaio foi analisar a importância da compreensão da noção de itinerário terapêutico por parte de profissionais de Educação Física para atuar com doentes crônicos.
DESENVOLVIMENTO: Esse texto se ancorou em conceitos e referenciais teórico-metodológicos dos campos da Antropologia e Saúde. Foram resgatadas as noções de illness, disease e sickness a fim de relacioná-las à abordagem do itinerário terapêutico no âmbito da intervenção profissional em Educação Física. Foram utilizadas também as perspectivas de linha de cuidado e de trajetória assistencial com o intuito de problematizar as práticas corporais para as pessoas com doença crônica.
CONCLUSÃO: Destacou-se a importância do profissional de Educação Física se ater à noção de itinerário terapêutico para intervir com as práticas corporais. Discutiu-se a competência profissional de comungar as racionalidades biomédicas e socioculturais que atravessam a história de vida de cada praticante. Avançou-se na urgência da problematização interdisciplinar sobre o cuidado integral da pessoa com doença crônica que realiza as práticas corporais. Por último, foi sugerido um aprofundamento reflexivo e relacional entre o profissional de Educação Física e o praticante com base em seus itinerários terapêuticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alan Camargo Silva, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Rio de Janeiro

Doutor em Saúde Coletiva pelo Instituto de Estudos em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio de Janeiro (IESC/UFRJ). Professor do curso de Pós-graduação Lato sensu em Desportos de Campo e de Quadra e do curso Saberes e Práticas na Educação Básica com Ênfase em Educação Física Escolar na UFRJ. Coordenador do Comitê Científico do Grupo de Trabalho Temático Corpo e Cultura do Colégio Brasileiro de Ciências do Esporte (GTTCC/CBCE)

 

Referências

ALMEIDA FILHO, N. O que é saúde? Rio de Janeiro: Fiocruz, 2011.

ALVES, P. C. B.; SOUZA, I. M. A. Escolha e avaliação de tratamento para problemas de saúde: considerações sobre o itinerário terapêutico. In: RABELO, M. C. M.; ALVES, P. C. B.; SOUZA, I. M. A. (Orgs.) Experiência de doença e narrativa. Rio de Janeiro: Fiocruz, 1999. p. 125-38.

BOLTANSKI, L. As classes sociais e o corpo. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção Primária à Saúde. Departamento de Promoção da Saúde. Guia de Atividade Física para a População Brasileira. Brasília: Ministério da Saúde, 2021. Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/guia_atividade_fisica_populacao_brasileira.pdf>.

BURILLE, A.; GERHARDT, T. E. Doenças crônicas, problemas crônicos: encontros e desencontros com os serviços de saúde em itinerários terapêuticos de homens rurais. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 23, n. 2, p. 664-76, 2014. DOI: <https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000200025>.

BURY, M. Doença crônica como ruptura biográfica. Tempus - Actas de Saúde Coletiva, Brasília, v. 5, n. 2, p. 41-55, 2011. Disponível em: <https://tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/963/905>. Acessado em: 31 de julho de 2022.

CABRAL, A. L. L. V.; MARTINEZ-HEMÁEZ, A.; ANDRADE, E. I. G.; CHERCHIGLIA, M. L. Itinerários terapêuticos: o estado da arte da produção científica no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 16, n. 11, p. 4433-42, 2011. DOI: <https://doi.org/10.1590/S1413-8123201100120001>.

COSTA, G. M. C.; GUALDA, D. M. R. Antropologia, etnografia e narrativa: caminhos que se cruzam na compreensão do processo saúde-doença. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 17, n. 4, p. 925-37, 2010. DOI: <https://doi.org/10.1590/S0104-59702010000400005>.

CRUZ, J. V.; OLIVEIRA, R. C. Percepção do papel de professor para profissionais de Educação Física recém-formados atuantes em academias de ginástica. Comunicações, Piracicaba, v. 28, n. 2, p. 77-92, 2021. DOI: <https://doi.org/10.15600/2238-121X/comunicacoes.v28n2p77-92>.

DEMÉTRIO, F.; SANTANA, E. R.; PEREIRA-SANTOS, M. O Itinerário Terapêutico no Brasil: revisão sistemática e metassíntese a partir das concepções negativa e positiva de saúde. Saúde em Debate, Rio de Janeiro, v. 43, n. Esp. 7, p. 204-21, 2019. DOI: <https://doi.org/10.1590/0103-11042019S716>.

DURKHEIM, E. As regras do método sociológico. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ERIKSEN, T. H.; NIELSEN, F. S. A history of anthropology. London: Pluto Press, 2013.

EVANS-PRITCHARD, E. E. Bruxaria, oráculos e magia entre os Azande. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

FERREIRA, J. C. V.; FERREIRA, J. S. Atuação dos profissionais de educação física na atenção primária à saúde. Cadernos de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 15, n. 2, p. 105-13, 2017. DOI: <https://doi.org/10.36453/2318-5104.2017.v15.n2.p105>.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1989.

GEERTZ, C. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

GERHARDT, T. E. Itinerários terapêuticos em situações de pobreza: diversidade e pluralidade. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 11, p. 2449-2463, 2006. DOI: <https://doi.org/10.1590/S0102-311X2006001100019>.

GERHARDT, T. E.; BURILLE, A.; MÜLLER, T. L. Estado da arte da produção científica sobre itinerários terapêuticos no contexto brasileiro. In: GERHARDT, T. E.; PINHEIRO, R.; RUIZ, E. N. F.; SILVA JUNIOR, A. G. (Orgs.) Itinerários terapêuticos: integralidade no cuidado, avaliação e formação em saúde. Rio de Janeiro: CEPESC/IMS/UERJ; ABRASCO, 2006. p. 27-97.

GOOD, B. J. Comment faire de l’anthropologie médicale? Médecine, rationalité et vécu. Paris: Institut Synthélabo, 1998.

HELMAN, C. G. Cultura, saúde e doença. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

KLEINMAN, A.; DAS, V.; LOCK, M. M. (Orgs.) Social Suffering. Berkeley: University of California Press, 1997.

LAPLANTINE, F. Antropologia dos sistemas de representações da doença: sobre algumas pesquisas desenvolvidas na França contemporânea reexaminadas à luz de uma experiência brasileira. In: JODELET, D. (Org.) As representações sociais. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2001. p. 241-260.

LAZZAROTTI FILHO, A.; SILVA, A. M.; ANTUNES, P. C.; SILVA, A. P. S.; LEITE, J. O. O termo práticas corporais na literatura científica brasileira e sua repercussão no campo da educação física. Movimento, Porto Alegre, v. 16, n. 1, p. 11-29, 2010. DOI: <https://doi.org/10.22456/1982-8918.9000>.

LÉVI-STRAUSS, C. Antropologia estrutural. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996.

LÉVI-STRAUSS, C. O cru e o cozido. São Paulo: Cosac & Naify, 2004.

LOCK, M.; NGUYEN, V. An anthropology of biomedicine. Malden: Wiley-Blackwell, 2010.

LUZ, M. T. Educação Física e saúde coletiva: papel estratégico da área e possibilidades quanto ao ensino na graduação e integração na rede de serviços públicos de saúde. In: FRAGA, A. B.; WACHS, F. (Orgs.) Educação Física e Saúde Coletiva: políticas de formação e perspectivas de intervenção. Porto Alegre: UFGRS, 2007. p. 9-16.

MACHADO, E. P. “Segue o plano!” A relação de autoridade/obediência entre coach e pupilo no processo de construção corporal do fisiculturista. 2020. 212f. Tese (Doutorado em Ciências do Movimento Humano) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020. Disponível em: <https://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/221616/001125099.pdf?sequence=1&isAllowed=y>.

MARIANTE NETO, F. P.; STIGGER, M. P. Reflexividade na pesquisa etnográfica e as suas relações com a prática pedagógica de um professor de boxe. Cadernos de Formação RBCE, Campinas, v. 2, n. 1, p. 95-107, 2011. Disponível em: <http://revista.cbce.org.br/index.php/cadernos/article/view/1211>. Acessado em: 31 de julho de 2022.

MATTOS, R. S. Sobrevivendo ao estigma da gordura. São Paulo: Vetor, 2012.

MAUSS, M. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naif, 2015.

NASCIMENTO, M. C.; BARROS, N. F.; NOGUEIRA, M. I.; LUZ, M. T. A categoria racionalidade médica e uma nova epistemologia em saúde. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 12, p. 3595-3604, 2013. DOI: <https://doi.org/10.1590/S1413-81232013001200016>.

OLIVEIRA, R. C.; VELOZO, E. L.; SILVA, C. L. Cultura, atuação profissional em educação física e as práticas corporais. Impulso, Piracicaba, v. 26, n. 66, p. 7-19, 2016. DOI: <https://doi.org/10.15600/2236-9767/impulso.v26n66p7-19>.

OLIVEIRA, L. H. S. Práticas corporais e o tratamento interdisciplinar de pessoas com fibromialgia: a dádiva do cuidado. 2021. 249f. Tese (Doutorado em Ciências do Exercício e do Esporte) - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2021. Disponível em: <https://www.bdtd.uerj.br:8443/bitstream/1/16622/2/Tese%20-%20Leonardo%20Hernandes%20de%20Souza%20Oliveira%20-%202021%20-%20Completa.pdf>.

PINHEIRO, R.; GERHARDT, T. E.; RUIZ, E. N. F.; SILVA JUNIOR, A. G. O “estado do conhecimento” sobre os itinerários terapêuticos e suas implicações teóricas e metodológicas na saúde coletiva e integralidade do cuidado. In:

GERHARDT, T. E.; PINHEIRO, R.; RUIZ, E. N. F.; SILVA JUNIOR, A. G. (Orgs.) Itinerários terapêuticos: integralidade no cuidado, avaliação e formação em saúde. Rio de Janeiro: CEPESC/IMS/UERJ; ABRASCO, 2006. p. 13-24.

SAILLANT, F.; GENEST, S. (Orgs.) Antropologia médica: ancoragens locais, desafios globais. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012.

SILVA, A. C. Da antropologia da saúde para educação física: práticas corporais sob análise. In: TELLES, S.; LÜDORF, S.; PEREIRA, E. (Orgs.) Pesquisa em educação física: perspectivas sociocultural e pedagógica em foco. Rio de Janeiro: Autografia, 2017. p. 50-7.

SILVA, A. C. Uma etnografia encarnada: imagens e identidades corporais de um pesquisador em uma academia de ginástica. In: FERREIRA, J.; BRANDÃO, E. R. (Orgs.) Reflexividade na pesquisa antropológica em saúde: desafios e contribuições para a formação de novos pesquisadores. Brasília: Editora UnB, 2021. p. 183-207.

SILVA, A. C.; FERREIRA, J. Entre remediar e prevenir: uma etnografia sobre o manejo da dor e dos “limites” corporais em academias de ginástica do Rio de Janeiro. Pensar a Prática, Goiânia, v. 21, n. 1, p. 107-18, 2018. DOI: <https://doi.org/10.5216/rpp.v21i1.39631>.

SILVA, A. C.; FREITAS, D. C.; LÜDORF, S. M. A. Profissionais de educação física de academias de ginástica do Rio de Janeiro e a pluralidade de concepções de corpo. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Porto Alegre, v. 41, n. 1, p. 102-8, 2019. DOI: <https://doi.org/10.1016/j.rbce.2018.04.002>.

SILVA, A. M. Entre o corpo e as práticas corporais. Arquivos em Movimento, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 5-20, 2014. Disponível em: <https://revistas.ufrj.br/index.php/am/article/view/9228>. Acessado em: 31 de julho de 2022.

SILVA, N. E. K.; SANCHO, L. G.; FIGUEIREDO, W. S. Entre fluxos e projetos terapêuticos: revisitando as noções de linha do cuidado em saúde e itinerários terapêuticos. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 21, n. 3, p. 843-51, 2016. DOI: <https://doi.org/10.1590/1413-81232015213.08572015>.

SOUZA, M. C.; GUEIROS, M. F.; FERREIRA, J. “Eles dizem pra fazer, mas é difícil”: adesão à atividade física e qualidade de vida de coronariopatas internados. In: MISSIAS-MOREIRA, R.; FRANÇA, D. M. V. R.; LARANJEIRA, C. A. (Orgs.) Qualidade de vida e saúde em uma perspectiva interdisciplinar. Curitiba: CRV, 2020. p. 241-52.

TAVARES, F. Rediscutindo conceitos na Antropologia da Saúde: notas sobre os agenciamentos terapêuticos. Mana, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 201-28, 2017. DOI: <http://dx.doi.org/10.1590/1678-49442017v23n1p201>.

TURNER, V. W. O processo ritual: estrutura e antiestrutura. Petrópolis: Vozes, 1974.

UCHÔA, E.; VIDAL, J. M. Antropologia médica: elementos conceituais e metodológicos para uma abordagem da saúde e da doença. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 10, n. 4, p. 497-504, 1994. DOI: <https://doi.org/10.1590/S0102-311X1994000400010>.

Downloads

Publicado

05.08.2022

Como Citar

SILVA, A. C. Itinerário terapêutico e doença crônica: aproximações necessárias para a Educação Física. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 20, p. e–28734, 2022. DOI: 10.36453/cefe.2022.28734. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/28734. Acesso em: 19 ago. 2022.