Sartre: Humanismo e Existência

Autores

  • Neusa Maria Rudek

DOI:

https://doi.org/10.48075/rd.v1i2.13466

Resumo


Com o presente trabalho pretende-se, a princípio, expor a construção sartriana de humanismo existencial, fundamentado a partir do conceito de “liberdade” como condição de existência. A obra basilar condutora da pesquisa e seu respectivo autor é O Existencialismo é um Humanismo de Jean-Paul Sartre. “A existência precede a essência”: ao enunciar essa máxima, Sartre formula o seu princípio de humanismo. O homem primeiro existe; depois se define. O homem existe e é livre para construir-se por meio de suas escolhas. Não há uma essência que o anteceda e o determine a um objeto limitado por possuir uma finalidade intrínseca. O filósofo emprega o conceito de para-si para referir-se ao homem. Somente o homem pode projetar-se, lançar-se para o futuro. O para-si possui estruturas transcendentais que permitem esta projeção. Abrir mundo é “liberdade”, é humanidade. Sartre reconhece uma “angústia” que provem da condição de se estar aprisionado as escolhas e responsabilidades e de se estar consciente de que as escolhas e suas implicações não remetem a nada.

Downloads

Publicado

01-01-2000

Como Citar

RUDEK, N. M. Sartre: Humanismo e Existência. Revista DIAPHONÍA, [S. l.], v. 1, n. 2, 2000. DOI: 10.48075/rd.v1i2.13466. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/diaphonia/article/view/13466. Acesso em: 18 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos