AUTOAVALIAÇÃO E ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOCENTE: PERSPECTIVAS CRÍTICO-REFLEXIVAS

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v17i41.26840

Palavras-chave:

Estágio supervisionado curricular, Autoavaliação, Formação docente crítico-reflexiva

Resumo


A tendência de valorização da formação e da profissionalização reflexivo-críticas de professores tem sua gênese a partir dos anos 1990. Ao buscar afastar-se da racionalidade técnica, característica dos anos 1970, a essência da perspectiva reflexiva é que o professor produza conhecimento a partir de sua prática, por meio de uma investigação teórico-reflexiva intencional e da problematização dos resultados alcançados. Neste contexto, situando-nos especificamente nas práticas formativas de professores de língua portuguesa, elegemos a autoavaliação como um gênero acadêmico e instrumento potencializador da construção do olhar crítico e da postura reflexiva. Por isso, dispensamos atenção à caracterização de suas dimensões social e verbo-visual sob aporte teórico da teoria bakhtiniana, para então lançar o olhar analítico sobre autoavaliações produzidas para o relatório final do componente de Estágio Supervisionado. Neste contexto, esta pesquisa tem como objetivo analisar a discursividade crítica mobilizada e construída na produção da autoavaliação de licenciandos do curso de Letras-Português, considerando a contribuição deste instrumento para uma formação reflexiva. A partir de um estudo quali-interpretativo, pautado em excertos das autoavaliações sobre as quais refletimos neste trabalho, e dos preceitos dialógicos, consideramos que por meio das experiências mobilizadas e analisadas pelos alunos, a construção teórica da práxis, permitiu-lhes identificar e melhorar competências profissionais. Assim, o exercício de autoavaliar-se criticamente reforça a autonomia do professor em formação, criando um importante espaço para procedimentos que colaboram com seu processo de formação reflexiva e crítica e, consequentemente, para a construção de sua identificação profissional.Referências:BAKHTIN, Mikhail. Os gêneros do discurso. Organização, tradução, posfácio e notas de Paulo Bezerra. São Paulo: Editora 34, 2016.COSTA-HÜBES, Terezinha da Conceição. Prática de análise linguística no ensino fundamental e sua relação com os gêneros discursivos. PERcursos Linguísticos, Vitória (ES), v. 7, n. 14, 2017, p. 270-294.ECKERT-HOFF, Beatriz Maria. Escritura de si e identidade: o sujeito-professor em formação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2008.FONTANA, Maire Josiane; FÁVERO, Altair Alberto. Professor reflexivo: uma integração entre teoria e prática. REI - revista de Educação do IDEAU, v. 8, 2013, p. 1-14.FREIRE, Maximina M.; LEFFA, Vilson J. A auto-heteroecoformação tecnológica. In: LOPES, Luiz Paulo da Moita (org.). Linguística Aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola Editorial, 2013, p. 59-78. (Lingua[gem]; 55)GHEDIN, Evandro. Professor reflexivo: da alienação da técnica à autonomia da crítica. In: PIMENTA, Selma Guarrido; GHEDIN, Evandro (orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2012, p. 129-150.LIBÂNEO, José Carlos. Reflexividade e formação de professores: outra oscilação do pensamento pedagógico brasileiro? In: PIMENTA, Selma Guarrido; GHEDIN, Evandro (orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2012, p. 53-79.MELO, Kelly Cristina Marigliani. Modalidades de Avaliação da aprendizagem e suas relações com o ensino/aprendizagem de português língua materna. 2009. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Pará, Instituto de Letras e Comunicação, Curso de Mestrado em Letras, Belém, 2009.MILLER, Inés Kayon de. Formação de professores de línguas: da eficiência à reflexão crítica e ética. In: LOPES, Luiz Paulo da Moita (org.). Linguística Aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola Editorial, 2013, p. 99-121. (Lingua[gem]; 55)NUNZIATI, Georgette. Pour   construire   um   dispositif d’évaluation   formatrice.   Cahiers pédagogiques, Paris, 280, 1990.PIMENTA, Selma Garrido; LIMA, Maria Socorro Lucena. Estágio: diferentes concepções. In.: ______. Estágio e docência. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012, p. 31-57. (Coleção docência em formação - Série saberes pedagógicos)PIMENTA, Selma Garrido. Formação de professores: identidade e saberes da docência. In: PIMENTA, Selma Garrido. (Org). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo: Cortez Editora, 2012, p. 15-38POLATO, A. D. M. Análise linguística: do estado da arte ao estatuto dialógico. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Estadual de Maringá – UEM. Maringá, p. 230. 2017.SACRISTÁN, José Gimeno. Tendências investigativas na formação de professores. In: PIMENTA, Selma Guarrido; GHEDIN, Evandro (orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2012, p. 94-102.SCHÖN, Donald. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, Antônio (org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992, p. 77-91SCHÖN, Donald. Educando o Profissional Reflexivo: um novo design para o ensino e a aprendizagem. Trad. Roberto Cataldo Costa. Porto Alegre: Artmed, 2000.TARDIF, Maurice. Os professores diante do saber: esboço de uma problemática do saber docente. In: ______. Saberes docentes e formação profissional. 17 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.VALADARES, Juarez Melgaço. O professor diante do espelho: reflexões sobre o conceito de professor reflexivo. In: PIMENTA, Selma Guarrido; GHEDIN, Evandro (orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 7 ed. São Paulo: Cortez, 2012, p. 215-232.ZEICHER, Kenneth. El maestro como professional reflexivo. Cuadernos de Pedagogia, n. 220, 1992. p. 44-49.Recebido em 11-02-2021Revisões requeridas em 14-04-2021Aceito em 01-05-2021

Biografia do Autor

Neluana Leuz de Oliveira FERRAGINI, Unespar, Campus de Apucarana

Doutora em Estudos da Linguagem pela UEL. Professora Adjunta do Centro de Ciências Humanas e da Educação, com atuação no curso de Letras Português da Unespar - Campus de Apucarana.

Érica Danielle SILVA, Universidade Estadual de Maringá

Doutora em etras pela UEM.Professora Adjunta no Colegiado de Letras da Universidade Estadual de Maringá

Downloads

Publicado

01-06-2021

Como Citar

FERRAGINI, N. L. de O.; SILVA, Érica D. AUTOAVALIAÇÃO E ESTÁGIO SUPERVISIONADO NA FORMAÇÃO INICIAL DOCENTE: PERSPECTIVAS CRÍTICO-REFLEXIVAS. Trama, [S. l.], v. 17, n. 41, p. 73–87, 2021. DOI: 10.48075/rt.v17i41.26840. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/trama/article/view/26840. Acesso em: 1 dez. 2021.

Edição

Seção

Práticas de Estágio(s) em Discussão