O patriarcalismo em “Gabriela, cravo e canela”: o estilhaçar do ritual ideológico radical

Autores

  • Ana Patrícia Cavalcanti Queiroz

Palavras-chave:

Sociedade, Patriarcalismo, Machismo, Mulher, Desidentificação.

Resumo


Este artigo se propõe a traçar o perfil subversivo de Malvina e do casal Gabriela e Nacib na obra Gabriela, cravo e canela de Jorge Amado, observando como os três personagens romperam com o discurso machista filiado a ideologia patriarcal que era circulado e, consequentemente, preservado na conjuntura Coronelista, na qual a mulher era marginalizada. Além disso, pretende-se relacionar a subversão desses personagens com o processo de desidentificação abordado por Pêcheux (1995). A partir de conceitos da Análise de Discurso (doravante AD), evidenciaremos tanto a desidentificação de Malvina, Gabriela e Nacib quanto a dos cidadãos(-sujeitos) de Ilhéus no que concerne à ideologia e ao discurso vigente da época. Para embasar este trabalho no que tange à literatura, à sociedade e ao Patriarcalismo, faremos uso principalmente de Freyre (2003) e Candido (1951; 1999; 2006a; 2006b); sobre a AD de linha francesa, citaremos Pêcheux (1995), Althusser (1976), dentre outros.

Referências

AMADO, Jorge. Gabriela, cravo e canela: crônica de uma cidade do interior. 2.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

ALTHUSSER, Louis. Ideologia e Aparelhos ideológicos de Estado. Paris: Editions Sociales, 1976. In: ŽIŽEK, Slavoj. Um mapa da ideologia. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BELLINE, Ana Helena Cizotto. Representações do feminino. In: GOLDSTEIN, Norma Seltzer. A literatura de Jorge Amado: Orientações para o trabalho em sala de aula. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2008, p. 26-35. Disponível em: <http://www.companhiadasletras.com.br/sala_professor/pdfs/CadernoLeiturasAliteraturadeJorgeAmado.pdf>. Acesso em: 26 out 2014.

CANDIDO, Antonio. The Brazilian Family. In: Smith, T. L. e Marchant, A. (Eds), Brazil, portrait of a continent. N. Y.: The Dryden Press, 1951. Não paginado.

______. Iniciação à Literatura Brasileira: resumo para principiantes. São Paulo: Humanitas Publicações, 1999.

______. Literatura e Sociedade. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006a.

______. Literatura de dois gumes. A Educação Pela Noite. Rio de Janeiro: Ouro Sobre Azul, 2006b.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala: formação da família brasileira sob o regime da economia patriarcal. 48 ed. São Paulo: Global, 2003.

GOLDSTEIN, Ilana Seltzer. O Brasil best seller de Jorge Amado: literatura e identidade nacional. São Paulo: SENAC, 2003.

GRIGOLETTO, Evandra. A noção de Sujeito em Pêcheux: uma Reflexão acerca do Movimento de desidentificação. Vitória da Conquista: no 1, p. 61-67, junho, 2005.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução Eni P. Orlandi [et al.]. 2.ed. Campinas, SP: Editora UNICAMP, 1995.

SOUZA, Sérgio Augusto Freire de. Conhecendo Análise de Discurso: Línguagem, Sociedade e Ideologia. Manaus: Editora Valer, 2006.

ZANDWAIS, Ana. A forma-sujeito do discurso e suas modalidades de subjetivação: um contraponto entre saberes e práticas. In: Actas do I SEAD, Porto Alegre, 2003 (no prelo).

Downloads

Publicado

15-07-2016

Como Citar

QUEIROZ, A. P. C. O patriarcalismo em “Gabriela, cravo e canela”: o estilhaçar do ritual ideológico radical. Travessias, Cascavel, v. 10, n. 2, p. 80–97, 2016. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/12688. Acesso em: 18 out. 2021.

Edição

Seção

LITERÁRIA