A recategorização do termo “juventude” em uma perspectiva de análise linguístico-discursiva

Autores

  • Suany Oliveira de Moraes
  • Celina Aparecida Garcia de Souza Nascimento

Palavras-chave:

Linguística textual, Referenciação, Orientação argumentativa, Juventude.

Resumo


O presente artigo tem por objetivo analisar a recategorização do termo “juventude”, sob o ponto de vista linguístico-discursivo, em um recorte, sobre a exclusão de jovens, no Manual do Educador: orientações gerais (2012), do Programa Nacional de Inclusão de Jovens – Projovem Urbano. Para tal análise, partiremos de algumas das contribuições teóricas, propostas pela Linguística do Texto, no que concerne à construção de objetos-de-discurso e à orientação argumentativa dos enunciados. Para isso, compartilhamos das reflexões, acerca dos processos referenciais, de Apothéloz (2003), Koch (2005), Cavalcante, Custódio Filho e Brito (2014) e Cavalcante (2005, 2014). Consideramos que esta breve análise possa oferecer uma contribuição inicial para as pesquisas em Linguística Textual, uma vez que toma um discurso educacional, veiculado em um documento do governo, para estabelecer relações de sentido em prol de um determinado projeto de dizer.

Referências

APOTHÉLOZ, D. Papel e funcionamento da anáfora na dinâmica textual. In: CAVALCANTE, M. M.; RODRIGUES, B. B.; CIULLA, A. (Org.). Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003. p. 53-84.

CARDOSO, S. H. B. A questão da referência: das teorias clássicas à dispersão dos discursos. Campinas-SP: Autores Associados, 2003. Cap. 3-4.

CAVALCANTE, M. M. Anáfora e dêixis: quando as retas se encontram. In: KOCH, I. V.; MORATO, E. M.; BENTES, A. C. (Org.). Referenciação e discurso. São Paulo: Contexto, 2005. p. 125-149.

CAVALCANTE, M. M. Os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2014.

CAVALCANTE, M. M.; CUSTÓDIO FILHO, V.; BRITO, M. A. Coerência, referenciação e ensino. São Paulo, Cortez, 2014. (Coleção Trabalhando Com... Na Escola, 7).

KOCH, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto, 2007.

KOCH, I. V. Referenciação e orientação argumentativa. In: KOCH, I. V.; MORATO, E. M.; BENTES, A. C. (Org.). Referenciação e discurso. São Paulo: Contexto, 2005. p. 32-52.

KOCH, I. G. V.; ELIAS, V. M. Texto e contexto. In: ______. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2006. p. 57-73.

MARCUSCHI, L. A.; KOCH, I. V. Estratégias de referenciação e progressão referencial na língua falada. In: ABAURRE, M. B.; RODRIGUES, A. C. S. (Org.). Gramática do português falado. Campinas-SP: Editora da UNICAMP, 2002. V.8, Parte I.

MOURA NEVES, M. H. Referenciar ou: a criação da rede referencial na linguagem. In: ______. Texto e gramática. São Paulo: Contexto, 2005. p. 75-130.

SALGADO, M. U. C. (Org.). Manual do Educador: orientações gerais. Brasília, DF: Programa Nacional de Inclusão de Jovens – Projovem Urbano, 2012. (Coleção Projovem Urbano).

Downloads

Publicado

12-08-2016

Como Citar

DE MORAES, S. O.; NASCIMENTO, C. A. G. de S. A recategorização do termo “juventude” em uma perspectiva de análise linguístico-discursiva. Travessias, Cascavel, v. 10, n. 2, p. 198–209, 2016. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/14662. Acesso em: 18 out. 2021.

Edição

Seção

LINGUAGEM