A dialogicidade bahktiniana em carta do leitor em réplica à reportagem: o movimento interacionista de interlocução de uma mídia autocontrolada e autocensurada

Autores

  • Jozeane Martinha de Lima
  • Aparecida Feola Sella

Palavras-chave:

Interação, autocontrole, autocensura, carta do leitor

Resumo


Revistas de circulação nacional constituem aparentemente um amplo e democrático palco da manifestação de distintos gêneros textuais em um mesmo veículo periódico de comunicação. A carta do leitor, então, sendo um dos gêneros publicados semanalmente pela Revista Carta Capital, serve para análise de processos de interlocução explícitos e implícitos no texto. Temos como objetivo responder a duas questões: quais movimentos semânticos, morfológicos, sintáticos são materializados no processo de produção da Carta do Leitor pelo leitor ao estabelecer ou promover interlocução sem a censura e do processo de edição? E a quem o leitor (autor da Carta do Leitor) dirige sua interlocução, visto que o gênero em questão será lido primeiramente pelo editor da revista para que, após alterações necessárias, seja publicada e lida pelos leitores? Será analisada a dinâmica interativa e dialógica entre autor (revista)/ leitor (autor da carta do leitor)/ leitor universal (consumidores da revista Carta Capital). À análise a que nos propomos, precisamos considerar o texto como a materialização de gêneros discursivos em uso em diferentes esferas sociais, com função social de comunicação e interlocução determinadas, e inseridas em um processo histórico e político que interferem precipuamente na autorização daquilo que deve ou não ser publicado.  O controle do que pode ou não pode ser veiculado denota uma censura velada em um processo de interação dialógica. Para isso, recorremos ao aporte teórico apresentado por Mikhail Bahktin o qual conceitua a linguagem como processo de interação.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. 7. ed. São Paulo: Hucitec, 1981.

––––––. Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes. 2003.

BRAIT, Beth. Bakhtin e a natureza constitutivamente dialógica da linguagem. In: –––. (Org.). Bakhtin, dialogismo e construção de sentido. Campinas: UNICAMP, 1997. FREITAS, M. T. de A. Nos textos de Bakhtin e Vygotsky: um encontro possível. In: BRAIT, B. Bakhtin, dialogismo e construção de sentido. Campinas: Editora Unicamp, 1997.

GERALDI, João Wanderley. O texto na sala de aula. 3.ed. São Paulo: Ática, 2005.

_______. Portos de passagem. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

_______. O texto na sala de aula. Cascavel: ASSOESTE, 1984.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. Gêneros Textuais: definição e funcionalidade. In. DIONÍSIO, Ângela Paiva; MACHADO, Anna Rachel; BEZERRA, Maria Auxiliadora (orgs.) Gêneros textuais & Ensino. 2.ed. Rio de Janeiro : Lucerna, 2003.

Downloads

Publicado

15-08-2016

Como Citar

DE LIMA, J. M.; SELLA, A. F. A dialogicidade bahktiniana em carta do leitor em réplica à reportagem: o movimento interacionista de interlocução de uma mídia autocontrolada e autocensurada. Travessias, Cascavel, v. 10, n. 2, p. 210–221, 2016. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/14920. Acesso em: 25 out. 2021.

Edição

Seção

LINGUAGEM