Popcretos e a ressemantização icônica da poesia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i2.24654

Palavras-chave:

Poesia brasileira, poesia concreta, augusto de campos

Resumo


O artigo discute as transformações ocorridas na poesia concreta paulistana a partir do contexto cultural dos anos 1960, quando a função social da literatura, em um país de passado colonial e em desenvolvimento, ganha força no meio cultural brasileiro. Nosso objetivo – por meio da leitura das reflexões de artistas que participaram do movimento, bem como de estudos críticos acerca do assunto – é explicitar as transformações do concretismo enfocando, sobretudo, os popcretos de Augusto de Campos. Essa obra não só demonstra um diálogo com seu tempo, mas também a antecipação de características do campo literário e artístico nacional em fins do século XX e início do XXI.

Biografia do Autor

Andréa Catrópa da Silva, Universidade Anhembi Morumbi Universidade Federal de Uberlândia

Andréa Catrópa da Silva realiza pesquisa de Pós-Doc sobre literatura eletrônica no PPG-Design da Universidade Anhembi Morumbi e é professora substituta de Teoria Literária na Univerisdade Federal de Uberlândia.

Referências

ARTE Pop (Verbete da Enciclopédia). ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2019. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo367/arte-pop. Acesso em: 05 nov. 2019.

ASSIS, Machado de. Instinto de nacionalidade In: ASSIS, Machado d. Machado de Assis: crítica, notícia da atual literatura brasileira. São Paulo: Agir, 1959.

BANDEIRA, João. Arte concreta paulista: documentos. São Paulo: Centro Universitário Maria Antônia da USP/ Editora Cosac Naify, 2002.

BELLUZZO, Ana Maria. “Emergência do concreto e sociedade de consumo”. In: CORDEIRO, Analivia (Org.). Waldemar Cordeiro – Fantasia exata. (Trad. John Norman, Marisa Shirasuna, Izabel Burbridge). São Paulo: Itaú Cultural, 2014. p. 468-473.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1985.

CAMPOS, Augusto de. “Augusto de Campos 50 anos depois”. Entrevista concedida a Marcos Augusto Gonçalves. Folha de São Paulo, 16 de setembro de 2006. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq1609200607.htm. Acesso em 10/10/2019.

CAMPOS, Augusto de. “Waldemar Cordeiro: Pontos de partida e de chegada”. In: CAMPOS, Augusto de. Poesia, antipoesia, antropofagia & cia. São Paulo: Companhia das Letras, 2015, p. 278-286.

CAMPOS, Augusto de. Viva Vaia - Poesia 1949-1979. Cotia: Ateliê Editora, 2001.

CAMPOS, Augusto de; CAMPOS, Haroldo de; PIGNATARI, Décio. Teoria da poesia concreta: textos críticos e manifestos 1950-1960. São Paulo: Ateliê Editorial, 2006.

CANDIDO, Antonio. Dialética da malandragem. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 8, p. 67-89, 1 jun.1970.

CORDEIRO, Waldemar. Arte concreta semântica. In: CORDEIRO, Analivia (Org.). Waldemar Cordeiro – Fantasia exata. (Trad. John Norman, Marisa Shirasuna, Izabel Burbridge). São Paulo: Itaú Cultural, 2014, p.426-428.

DRUCKER, Johanna. The Visible Word – Experimental Typography and Modern Art, 1909-1923. Chicago and London: The University of Chicago Press, 1994.

HIGGINS, Dick. Pattern Poetry – Guide to an Unknown Literature. Albany, SUNY Press, 1987.

FRANCHETTI, Paulo. Alguns aspectos da teoria da poesia concreta. Campinas: Editora da UNICAMP, 1993.

GULLAR, Ferreira. Cultura posta em questão. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 1965.

NEVES, Cynthia A. De Brito. Slams – letramentos literários de reexistência ao/no mundo contemporâneo”. Linha D'Água (Online), São Paulo, v. 30, n. 2, p. 92-112, out. 2017. Disponível em:file:///C:/Users/andre/Downloads/134615-Texto%20do%20artigo-272912-1-10-20171027.pdf. Acesso em: 25/10/2019

PAZ, Octavio. Os filhos do barro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.

PIGNATARI, Décio. O que é comunicação poética? São Paulo: Ateliê Editorial, 2005.

SCHWARZ, Roberto. Pressupostos, salvo engano, de Dialética da malandragem. In: SCHWARZ, Roberto. Que horas são? São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

SIMON, Iumna Maria. Esteticismo e participação: as vanguardas poéticas no contexto brasileiro (1954-1969). Novos estudos CEBRAP, n. 26, p. 120-140, 1990.

Downloads

Publicado

31-08-2020

Como Citar

CATRÓPA DA SILVA, A. Popcretos e a ressemantização icônica da poesia. Travessias, Cascavel, v. 14, n. 2, p. 37–54, 2020. DOI: 10.48075/rt.v14i2.24654. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/24654. Acesso em: 25 out. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: À margem: Resistências e Reexistências na Literatura Brasileira