O ensino remoto e o trabalho docente em tempos de pandemia:

uma análise crítica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i3.27632

Palavras-chave:

Trabalho docente, pandemia, ensino remoto, precarização

Resumo


Este texto apresenta reflexões sobre o trabalho docente no período da pandemia Covid-19. Tendo em vista o materialismo histórico e dialético, buscamos reinterpretar a atual realidade docente colocando em evidência as dificuldades enfrentadas pelos professores devido às circunstâncias impostas pelo contexto da pandemia Covid-19. Desse modo, o objetivo é analisar criticamente o formato de ensino implantado em decorrência da pandemia apontando os desafios que emanam desse processo e que repercutem no trabalho docente. Assim, a reflexão sobre a realidade do trabalho docente nesse cenário se apresenta como a questão central desse estudo. Vivemos um tempo político de ataques constantes à educação pública, aos educadores, tempo de crise sanitária. Nesse contexto, voltamos o nosso olhar para alguns pontos que merecem destaque como a sobrecarga de trabalho de muitos professores e a profunda desigualdade de condições de acesso suscitada por essa forma emergencial de ensino que torna ainda mais notória a vulnerabilidade social. Tendo em vista o embasamento teórico que sustenta está análise, pretendemos demonstrar os desafios e as possibilidades para o exercício da docência, mesmo em um contexto contraditório. Ademais, almejamos contribuir para as reflexões sobre a temática em questão ao denotar os impactos da implementação do ensino remoto no trabalho docente.

Biografia do Autor

Elis Regina da Silva, Universidade Federal de Goiás (UFG)

Possui graduação em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás (2004) e mestrado em Letras e Linguística pela Universidade Federal de Goiás (2011). Atualmente é coordenadora pedagógica na Escola Municipal Professora Maria Nosídia Palmeiras das Neves e professora de Língua Portuguesa no Colégio Estadual Jardim Balneário Meia Ponte. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Letras. Doutoranda em Educação do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação - UFG.

Thiffanne Pereira dos Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG)

Mestre em Educação, Linguagem e Tecnologias (PPG - IELT) pela Universidade Estadual de Goiás (2017). Mestre em Ciências da Educação pela Universidad de la Integración de las Américas (2015) - Reconhecimento pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Graduada em Pedagogia. Professora das disciplinas do Núcleo Didático-Pedagógico de cursos de Licenciatura, no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Goiás (IFG). Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Diversidade e Inclusão (UEG). Membro do Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares (IFG). Pesquisadora na área da Educação Inclusiva, com ênfase na Educação Especial e na relação destas temáticas com a formação de professores e as políticas públicas educacionais.

Referências

AMBONI, Vanderlei Amboni. Trabalho e educação: o processo da existência humana. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 11, n. 3, p. 203-213, dez. 2019.

BOURDIEU, P. Escritos de Educação. Petrópolis: Vozes, 1998.

DAVIDOV, Vasili Vasilievich. Os princípios do ensino na escola do futuro. In: PUENTES, Roberto Valdés; MELLO, Suely Amaral (org.). Teoria da atividade de estudo: contribuições de pesquisadores brasileiros e estrangeiros. Livro II. Uberlândia-MG: EDUFU, 2019. p. 181-188.

DAVIDOV, Vasili Vasilievich; SLOBODCHIKOV, Vikor I.; ZUCKERMAN, Galina A. O aluno das séries iniciais do Ensino Fundamental como sujeito da atividade de estudo. In: PUENTES, Roberto Valdés; MELLO, Suely Amaral (org.). Teoria da atividade de estudo: contribuições de pesquisadores brasileiros e estrangeiros. Livro II. Uberlândia-MG: EDUFU, 2019. p. 239-254.

DUARTE, Newton. O currículo em tempos de obscurantismo beligerante. Espaço do Currículo, João Pessoa, v. 11, n. 2, p. 139-145, maio/ago. 2018.

ENGUITA, Mariano Fernandes. A ambiguidade da docência: entre o profissionalismo e a profissionalização. Teoria & Educação. Dossiê Interpretando o Trabalho Docente. Porto Alegre, v. 4, p. 41-61, 1991.

FERREIRA, Liliana S. Trabalho pedagógico na escola: do que se fala? Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 43, n. 2, p. 591-608, abr./jun. 2018.

FREIRE, Paulo. A Educação na Cidade. São Paulo: Cortez, 2006.

FREIRE, P.; SHOR, I. Medo e Ousadia – O Cotidiano do Professor. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREITAS, Luiz Carlos de. Os reformadores empresariais da educação e a disputa pelo controle do processo pedagógico na escola. Educação & Sociedade, Campinas, v. 35, n. 129, p. 1085-1114, out./dez. 2014.

FREITAS, Luiz Carlos de. Controlar o processo, precarizar o magistério. In: A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018. p. 103-112.

FRIZZO, Giovanni F. E.; RIBAS, João F. M.; FERREIRA, Liliana S. A relação trabalho-educação na organização do trabalho pedagógico da escola capitalista. Educação, Santa Maria, v. 38, n. 3, p. 553-564, set./dez. 2013.

HYPOLITO, Álvaro Moreira. Processo de trabalho na escola: algumas categorias para análise. Teoria & Educação. Dossiê Interpretando o Trabalho Docente. Porto Alegre, v. 4, 1991, p. 3-21.

JERÓNIMO, Helena Mateus e NEVES, José. O intelectual de retaguarda. Entrevista a Boaventura Sousa Santos. In: Análise Social, 204, xlvii (3.º). Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa. Lisboa, Portugal 2012. ISSN online 2182-2999.

LAZARETTI, Lucinéia Maria. A atividade de estudo. In: LAZARETTI, Lucinéia Maria. Elkonin: vida e obra de um autor da psicologia histórico-cultural. São Paulo: UNESP, 2011. p. 237-248.

LEONTIEV, Aleksei Nikolaevitch. O homem e a cultura. In: LEONTIEV, Aleksei Nikolaevitch. O desenvolvimento do psiquismo. São Paulo: Centauro, 2004. (p. 277-302).

LIBÂNEO, José Carlos. Formação de professores e didática para o desenvolvimento humano. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 40, n. 2, p. 629-650, abr./jun. 2015.

LIBÂNEO, José Carlos. Políticas educacionais no Brasil: desfiguramento da escola e do conhecimento escolar. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v. 46, n. 159, p. 38-62, jan./mar. 2016.

SANTOS, Cláudio Wilson dos; MORORÓ, Leila Pio. O desenvolvimento das licenciaturas no Brasil: dilemas, perspectivas e políticas de formação docente. Histedbr, Campinas, v. 19, p. 1-19, 2019.

SAVIANI, Dermeval. Pedagogia histórico crítica: primeiras aproximações. São Paulo: Autores Associados, 1994.

SAVIANI, Dermeval. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de

Educação, v. 12, n. 34, p. 152-180, jan./abr. 2007.

SENA, Ivânia Paula Freitas de Souza. Convite ao questionamento e à resistência ao abismo lançado pela Base Nacional Comum Curricular. In: UCHOA, Antonio Marcos da Conceição; SENA, Ivânia Paula Freitas de Souza; (org.) Diálogos Críticos: BNCC, educação, crise e luta de classes em pauta. Porto Alegre: Editora Fi, 2019. p. 15-38.

SFORNI, Marta Sueli de Faria. Interação entre didática e teoria histórico-cultural. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 40, n. 2, p. 375-397, abr./jun. 2015.

SFORNI, Marta Sueli de Faria; GALUCH, Maria Terezinha Belanda. Conteúdos escolares e desenvolvimento humano: qual a unidade? Comunicações. Piracicaba, ano 13, n. 2, p. 150-158, nov. 2006.

Downloads

Publicado

20-12-2021

Como Citar

SILVA, E. R. da; SANTOS, T. P. dos. O ensino remoto e o trabalho docente em tempos de pandemia:: uma análise crítica. Travessias, Cascavel, v. 15, n. 3, p. 71–82, 2021. DOI: 10.48075/rt.v15i3.27632. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/27632. Acesso em: 22 jan. 2022.

Edição

Seção

EDUCAÇÃO