Discurso publicitário e raça:

a necessária demarcação do “outro” na revista Veja, em 1970

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i3.27705

Palavras-chave:

Negro, Memória discursiva, Publicidade

Resumo


Neste trabalho, objetivamos investigar os modos de construção dos sentidos em quatro textos publicitários veiculados em 1970, na revista Veja, os quais anunciam os fascículos da História da Música Popular Brasileira. Interessa-nos evidenciar as estratégias discursivas empregadas para a venda de um produto quando o garoto propaganda é um negro, quando se trata de um não negro e quando ele é branco. Para atingirmos esses objetivos, teoricamente estamos filiados aos pressupostos da Análise de discurso francesa de Pêcheux (1999; 2014); às reflexões acerca das relações raciais, Almeida (2019), Bento (2016), Schucman (2014), além de questões relativas à publicidade, Gastaldo (2013), Vestergaard e Schroder (2000) e aos Estudos Culturais, Hall (2016). A relação entre o negro e a publicidade nos anos 70 é de um silêncio quase total, um prolongamento do racismo que perpassa a estrutura social. Nos raros momentos em que esse silenciamento é rompido, é relevante refletir como se organizam as condições de existência desse discurso, que une materialidade verbal e não verbal, a fim de provocar necessidades de consumo em um público-alvo alinhado à identidade editorial da revista e a uma publicidade que considera o aspecto racial como determinante.

Biografia do Autor

Isabel Cristiane Jerônimo, Universidade Estadual de Londrina

Docente do departamento de Letras Vernáculas da Universidade Estadual de Londrina

Referências

ALMEIDA, Juliano Nogueira. Negrismo e negritude na história da música popular brasileira: entre textos e canções. Intinerários, Araraquara, n. 46, p. 165-184, jan./jun. 2018.

ALMEIDA, Sílvio Luiz de. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen, 2019.

ALTHUSSER, Louis. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado: notas para uma investigação. In: ZIZEK, Slavoj (org.). Um mapa da ideologia. Tradução: Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BENTO, Maria Aparecida Silva. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: CARONE, Iray; BENTO, Maria Aparecida da Silva (org.). Psicologia social do racismo: um estudo sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2016.

BOSCO, Francisco. Folha explica: Dorival Caymmi. São Paulo: Publifolha, 2006.

CAYMMI, Dorival. Cancioneiro da Bahia. 5. ed. Rio de Janeiro: Record, 1978.

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre o colonialismo. Lisboa: Livraria Sá da Costa editora, 1978.

GASTALDO, Édison. Publicidade e sociedade: uma perspectiva antropológica. Porto Alegre: Sulina, 2013.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio: Apicuri, 2016.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 11.ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HOBSBAWN, Eric J. História social do Jazz. Rio de janeiro: Paz e terra, 1990.

INDURSKY, Freda. A memória na cena do discurso. In: INDURSKY, F.; MITTMANN, S.; FERREIRA, M. C. L. (org.). Memória e história na/da análise do discurso. Campinas: Mercado das Letras, 2011. p. 67-89.

LAGNEAU, Gérard. A sociologia da publicidade. São Paulo: Cultrix, 1981.

MARIANO, Agnes. A invenção da baianidade segundo as letras de canções. 2.ed. Salvador: EDUFBA, 2019.

MILANI, Vanessa Pironato. Samba em fascículos: vertentes do gênero na coleção História da Música Popular Brasileira em tempos de consolidação da indústria cultural brasileira. 2015. 240 f. Dissertação (mestrado) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Faculdade de Ciências e Letras de Assis, 2015.

MUNANGA, Kabengele. Uma abordagem conceitual das questões de raça, racismo, identidade e etnia. 3º Seminário Nacional das Relações Raciais e Educação-PENESB. Rio de Janeiro, 5 de nov.2003. Palestra proferida no evento. Disponível em: https://www.geledes.org.br/wp-content/uploads/2014/04/Uma-abordagem-conceitual-das-nocoes-de-raca-racismo-dentidade-e-etnia.pdf. Acesso em: 15 jun. 2020.

OLIVEIRA, Francisco de. O elo perdido: classe e identidade de classe. São Paulo: Brasiliense, 1987.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 5. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 2014.

PÊCHEUX, Michel. Papel da memória. In: ACHARD, Pierre et all. Papel da memória. Campinas: Pontes, 1999.

PEREIRA, Geraldo. História da música popular brasileira. São Paulo: Editora Abril, 1970.

PINHO, Osmundo S. de A. A Bahia no Fundamental: notas para uma Interpretação do discurso Ideológico Da Baianidade. Revista brasileira de Ciências Sociais. São Paulo, v. 13, n. 36, fev. 1998.

PIMENTEL, Djenane de Oliveira. Ética, imprensa e poder: Itamar Franco na cobertura da revista Veja. 2002. 131 f. Monografia - Universidade Federal de Juiz de Fora. Facom.2002.

RISÉRIO, Antônio. Bahia com H: uma leitura da cultura baiana. In: REIS, João José (org.). Escravidão e invenção da liberdade: estudos sobre o negro no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1988.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Sim, nós somos racistas: estudo psicossocial da branquitude paulistana. Psicologia e sociedade, v. 26, n. 1, p. 83-94, 2014.

SCHUCMAN, Lia Vainer. Entre o “encardido”, o “branco” e o “branquíssimo”: raça, hierarquia e poder na construção da branquitude paulistana. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SILVA, Priscila E. O conceito de branquitude: reflexões para o campo de estudo. In: MÜLLER, Tânia M. P.; CARDOSO, Lourenço. Branquitude: estudos sobre a identidade branca no Brasil. Curitiba: Appris, 2007.

SOULAGES, Jean-Claude. Discurso e mensagens publicitárias. In: CARNEIRO, Agostinho Dias (org.). O discurso da mídia. Rio de Janeiro: Oficina do autor, 1996.

SOVIK, Liv. Aqui ninguém é branco. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2009.

TINHORÃO, José Ramos. História social da música popular brasileira. São Paulo: Editora 34, 1998.

VESTERGAARD, Torben; SCHRODER, Kim. A linguagem da propaganda. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

WIEVIORKA, Michel. O racismo, uma introdução. São Paulo: Perspectiva, 2007.

WOODWARD, Katryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, Tomás Tadeu da; HALL, Stuart; WOODWARD, Kathryn (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2006. p. 7-72.

Downloads

Publicado

20-12-2021

Como Citar

JERÔNIMO, I. C. Discurso publicitário e raça:: a necessária demarcação do “outro” na revista Veja, em 1970 . Travessias, Cascavel, v. 15, n. 3, p. 36–57, 2021. DOI: 10.48075/rt.v15i3.27705. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/27705. Acesso em: 22 jan. 2022.

Edição

Seção

LINGUAGEM