Reverberações do patrimônio cultural

o sino e o ofício de sineiro representados na literatura, no cinema e na música

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v16i1.28196

Palavras-chave:

Patrimônio Cultural, Toque dos Sinos, Ofício de Sineiro, Intermidialidade

Resumo


Em 2009, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), determinou que o Toque dos Sinos e o Ofício de Sineiros são considerados Patrimônios Culturais do Brasil. O processo de salvaguarda teve como referência nove cidades de Minas Gerais e mostra a importância das práticas e dos saberes a eles inerentes. Nesse contexto, este artigo investiga sobre como o sino e o sineiro são retratados em produções artísticas. O estudo analisa as manifestações performáticas a partir das três funções que os sinos desempenham: percussão, religiosidade e sinalização (BARBOSA, 2016). Para tanto, o objeto do estudo são dez produções artísticas distribuídas entre literatura, cinema e música. A metodologia compreende a análise das produções a partir das funções e da representatividade do bem cultural (CARSALADE, 2016). Deste modo, o objetivo da pesquisa é mostrar as representações do sino em diferentes produções artísticas. O estudo ampara-se em Choay (2000) e Rajewsky (2012), a fim de entender as reverberações entre patrimônio cultural e as representações midiáticas. Ao final, concluímos que a linguagem presente no toque dos sinos, assim como a atuação de sineiro, inspirou muitas produções artísticas e, em algumas, há múltiplas relações com a ideia de patrimônio cultural, favorecendo as representações midiáticas que se mostram como uma possibilidade eficaz para as reverberações de bens de natureza imaterial.

Biografia do Autor

Urbano Lemos Jr., Fundação Instituto de Ensino para Osasco (UniFieo)

Doutor em Comunicação e Professor na Fundação Instituto de Ensino para Osasco (UniFieo).

Vicente Gosciola, Universidade Anhembi Morumbi (UAM)

Pós-doutor em Comunicação e Professor na Universidade Anhembi Morumbi (UAM).

Referências

ANDRADE, C. D. A Rosa do Povo. 21. Ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 2000.

ANDRADE, C. D. As Impurezas do Branco. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

ANDRADE, C. D. Claro Enigma. 10. Ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 1995.

ANDRADE, C. D. Poesia Completa. São Paulo: Nova Aguilar, 2002.

BARBOSA, Y. Dossiê 16: O Toque dos Sinos e o Ofício de Sineiro em Minas Gerais: tendo como referência as cidades de São João del-Rei, Ouro Preto, Mariana, Catas Altas, Congonhas do Campo, Diamantina, Sabará, Serro e Tiradentes. Brasília: Iphan, 2016.

CARSALADE, F. “Bem”. In: REZENDE, M. B.; GRIECO, B.; TEIXEIRA, L.; THOMPSON, A. (org.). Dicionário Iphan de Patrimônio Cultural. 1. ed. Rio de Janeiro; Brasília: Iphan/DAF/Copedoc, 2016.

CARVALHO, C. S. R. Preservação da arquitetura moderna: edifícios de escritórios no Rio de Janeiro construídos entre 1930-1960. 2005. 470 f. Tese (Doutorado em História da Arquitetura e Fundamentos do Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

CHOAY, F. Alegoria do Patrimônio. Trad. Teresa Castro. Lisboa: Edições 70, 2000.

CINEMA Paradiso. Direção: Giuseppe Tornatore. Produção: Franco Cristaldi. Roma: Cristaldifilm, 1988, DVD.

CLUBE da Esquina 2. In: ITAÚ. Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/obra68504/clube-da-esquina-2-1978. Acesso em: 29 de abr. 2021.

COSTA, L. A. Sequência Didática: alguma leitura de Carlos Drummond de Andrade. In: MOURA, M. M. (org.). Cadernos de Leituras: Carlos Drummond de Andrade. São Paulo: Companhia das Letras, 2012. p. 123-145.

GHIRARDI, A. L. R.; RAJEWSKY, I.; DINIZ, T. F. N. Intermidialidade e referências intermidiáticas: uma introdução. Revista Letras Raras, v. 9, n. 3, p. 11-23, 2020.

GOMES, A. L. A. O toque dos sinos em Minas Gerais: materialidade e práticas sociais. Revista Museologia & Interdisciplinaridade, v. 6, n. 11, p. 84-94, 2017.

GUEDES, M. T. F.; MAIO, L. M. “Bem cultural”. In: GRIECO, B.; TEIXEIRA, L.; THOMPSON, A. (org.). Dicionário Iphan de Patrimônio Cultural. 2. ed. Rio de Janeiro, Brasília: Iphan/DAF/Copedoc, 2016.

HUGO, V. O Corcunda de Notre Dame. Trad. Jorge Bastos. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

LEMINSKI, P. Metaformose: uma viagem pelo imaginário grego. São Paulo: Iluminuras, 1994.

MOREIRA, C. R. Entendendo os Sinos. Belo Horizonte: Iphan MG, 2018.

MOURA, T.; BRANT, F. Paixão e Fé. Niterói, Rio de Janeiro: EMI-Odeon, 1978.

MOURA, T. Tavinho Moura: um artista exerce seus alumbramentos. In: MARQUES. F. Revista Suplemento Literário de Minas Gerais. Edição 1367, Secretaria de Estado de Cultura de MG, jul./ago. 2016.

O CORCUNDA de Notre Dame. Direção: Wallace Worsley. Estados Unidos: Universal Pictures, 1923, DVD.

O PAGADOR de Promessas. Direção: Anselmo Duarte. Produção: Oswaldo Massaini. São Paulo: Cinedistri, 1962, DVD.

O PAGADOR de Promessas. In: ITAÚ. Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2021. Disponível em: http://enciclopedia.itaucultural.org.br/evento392308/o-pagador-de-promessas. Acesso em: 21 de abr. 2021.

RAJEWSKY, I. A fronteira em discussão: o status problemático das fronteiras midiáticas no debate contemporâneo sobre intermidialidade. In: DINIZ, T. F. N.; VIEIRA, A. S. (org). Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea. v. 2. Belo Horizonte: Rona Editora: FALE/UFMG, 2012. p. 51-74.

SANTOS, L. A. O romance europeu do século XIX: uma leitura de Notre-Dame de Paris (1831) de Victor Hugo e A Tale of Ttwo Cities (1859) de Charles Dickens. 2011. 144 f. Tese (Doutorado em Estudos Literários) – Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2011.

Downloads

Publicado

30-04-2022

Como Citar

LEMOS JR., U.; GOSCIOLA, V. Reverberações do patrimônio cultural: o sino e o ofício de sineiro representados na literatura, no cinema e na música . Travessias, Cascavel, v. 16, n. 1, p. 108–126, 2022. DOI: 10.48075/rt.v16i1.28196. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/28196. Acesso em: 14 ago. 2022.

Edição

Seção

ARTE E COMUNICAÇÃO