A cidade como suporte artístico

uma observação das obras de Xadalu no Centro Histórico de Porto Alegre

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v16i1.28530

Palavras-chave:

Arte urbana, Cidade, Xadalu, Constelações

Resumo


Este trabalho busca compreender como o artista Xadalu utiliza a rua como suporte artístico ao levar suas obras, que representam povos originários, para o Centro Histórico de Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul. As obras do artista são fixadas em diversos elementos urbanos. São usados, principalmente, o sticker e o lambe. Inicialmente, é apresentado breve resumo da trajetória de Dione Martins da Luz, nome de registro de Xadalu. Esta etapa da pesquisa tem como consultas fundamentais o livro “XADALU: Movimento Urbano” (ZIMOVSKI; JONER; MARTINS, 2017) e artigo de André Venzon (2018). Em seguida, busca-se compreender como a Cidade apresenta-se e sugere possibilidades enquanto suporte artístico. Para tal, são estudados autores como Raquel Rolnik (1995), Lucrécia Ferrara (2018), Henri-Pierre Jeudy (2005) e Wagner Barja (2011). A metodologia adotada considera que este artigo pode ser definido como uma pesquisa baseada em arte (PBA), o que o torna facilmente adequado à cartografia (DIEDERICHSEN, 2019). Inicia-se com reflexões da cartografia sentimental de Suely Rolnik (2011), tendo em vista a relação afetiva com a pesquisa, e escolhe-se o método cartográfico de Walter Benjamin (1984), a partir de Rita Veloso (2018), que aproxima as constelações benjaminianas do pensamento sobre a Cidade e o urbano. Por fim, são apresentados os registros fotográficos de dois dias distintos pelo centro de Porto Alegre. A partir dessas imagens, é possível analisar a rua como suporte artístico para as obras de Xadalu, que produz a reterritorialização do indígena no espaço urbano através da demarcação de territórios pela arte urbana.

Biografia do Autor

Gisele de Azevedo Endres, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Possui graduação em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2018). Atualmente é fotógrafa - GiEndres Fotografia e laboratorista de apoio ao ensino - lab foto da Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Comunicação Visual, atuando principalmente nos seguintes temas: fotografia, processos alternativos e linguagem visual.

Luana Silva da Cruz, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), na Linha de Pesquisa Cultura e Significação, orientada pela professora Dra. Nísia Martins do Rosário. Integrante do núcleo de pesquisa Corporalidades, vinculado ao GPESC (Grupo de Pesquisa Semiótica e Culturas da Comunicação). Graduada em Jornalismo pela UFRGS. Cursou Especialização em Direitos Humanos e Políticas Públicas, na Unisinos, e Especialização em Artes, na UFPel. Suas principais áreas de interesse em pesquisa são: Comunicação visual; Semiótica; Arte brasileira; Culturas populares; Estudos decoloniais. Atualmente é assistente em administração da UFRGS, lotada na Pró-Reitoria de Extensão. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Comunicação Institucional.

Michael Abrantes Kerr, Universidade Federal de Pelotas (UFPel)

Doutor em Ciências da Comunicação pela UNISINOS na linha Mídias e Processos Audiovisuais (2015). Possui mestrado em Ciências da Comunicação pela UNISINOS, na linha de Mídias e Processos Audiovisuais (2008), especialização em informática na educação (2005) e graduação em Publicidade e Propaganda pela Universidade Católica de Pelotas (1996). Atualmente é professor Adjunto dos cursos de Cinema e Audiovisual e de Cinema de Animação da Universidade Federal de Pelotas e Coordenador de Comunicação Social da Universidade Federal de Pelotas. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Cinema, atuando principalmente nos seguintes temas: cinema, audiovisual, semiótica, artes, comunicação social, propaganda e publicidade.

Referências

BARJA, W. Intervenção/terinvenção: a arte de inventar e intervir diretamente sobre o urbano, suas categorias e o impacto no cotidiano. Revista Ibero-Americana de Ciência da Informação, [S.l.], v. 1, n. 2, p. 213-218, 2011. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/RICI/article/view/1253 Acesso em: 16 nov. 2021.

BENJAMIN, W. Origem do drama barroco alemão. Tradução, apresentação e notas: Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1984.

DASARTES (ed.). MOSTRA COLETIVA DO 4º PRÊMIO ALIANÇA FRANCESA DE ARTE CONTEMPOR NEA: Paço da prefeitura municipal de porto alegre. 2020. Disponível em: https://dasartes.com.br/agenda/mostra-coletiva-do-4o-premio-alianca-francesa-de-arte-contemporanea-paco-da-prefeitura-municipal-de-porto-alegre/. Acesso em: 10 maio 2021.

DIEDERICHSEN, M. C. Pesquisa baseada em Arte - Criação de mundos outros. Palíndromo, v. 11, n. 25, p. 64-84, 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5965/2175234611252019064. Acesso: 8 mar. 2021.

FERRARA, L. D. Comunicação, mediações, interações. São Paulo: Paulus, 2018.

FILMES, Z. Sticker Connection (with Xadalu). Youtube, 01 jun. 2015. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=2P2FsSwi8Zw. Acesso em: 20 nov. 2021.

HERKENHOFF, P. Xadalu e guaranis: diagramas de alteridade e trocas. 2015. Disponível em: https://www.xadalu.com/. Acesso em: 20 nov. 2021.

JEUDY, H. Espelho das cidades. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2005.

JUNIOR, H. G. C.; PORTINARI, D. B. Estética política: sobre grafite e subjetividade na América Latina. Revista SURES, n. 3, 2014. Disponível em: https://revistas.unila.edu.br/sures/article/view/160. Acesso em: 20 nov. 2021.

KERR, M. A. Tendência espectral do audiovisual contemporâneo no YouTube. 2015. 167 f. Tese (Doutorado em Ciência da Computação) – Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2015. Disponível em: http://repositorio.jesuita.org.br/bitstream/handle/UNISINOS/3720/Michael%20Abrantes%20Kerr.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 11 nov. 2021.

LAROQUE, L. F. S. Os nativos charrua/minuano, guarani e kaingang: o protagonismo indígena e as relações interculturais em territórios de planície, serra e planalto do rio grande do sul. In: CARELI, S. S. et al. (org.). Releituras da História do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Corag, 2011. p. 15-42. Disponível em: https://www.academia.edu/35348048/Livro_Digital_Hist%C3%B3ria_do_RS. Acesso em: 16 nov. 2021.

LUZ, D. M.. Bio. Xadalu Brasil. Disponível em: http://www.xadalu.com/. Acesso em: 10 maio 2021.

RODRIGUES, L. J. Sticker: colando idéias. 2010. 137 f. Dissertação (Mestrado em Artes) – Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2010. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/86941. Acesso em: 20 nov. 2021.

ROLNIK, R. O que é cidade. 1. ed. São Paulo: Brasiliense, 1995.

ROLNIK, S. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2011.

VELOSO, R. Pensar por constelações. In: JACQUES, P. B.; PEREIRA, M. S. (org.). NEBULOSAS DO PENSAMENTO URBANÍSTICO: Tomo I Modos de Pensar. Salvador: Edufba, 2018. p. 101-121. Disponível em: http://www.laboratoriourbano.ufba.br/wp-content/uploads/2019/04/Nebulosas-do-Pensamento-Urbanistico-Tomo-I-Modos-de-pensar.pdf. Acesso em: 22 nov. 2021.

VENZON, A. Xadalu, sobrenome Brasil: a questão indígena na arte urbana. In: CSO CRIADORES SOBRE OUTRAS OBRAS, 9., 2018, Lisboa. Artes em Construção: o IX Congresso CSO'2018. Lisboa: Faculdade de Belas Artes, 2018. p. 110-119. Disponível em: http://cso.belasartes.ulisboa.pt/ACTAS_CSO2018.pdf. Acesso em: 28 abr. 2021.

ZIMOVSKI, A.; JONER, C.; MARTINS, D. (org.). XADALU: movimento urbano. Porto Alegre: Joner Produções, 2017.

Downloads

Publicado

30-04-2022

Como Citar

ENDRES, G. de A.; CRUZ, L. S. da; KERR, M. A. A cidade como suporte artístico: uma observação das obras de Xadalu no Centro Histórico de Porto Alegre . Travessias, Cascavel, v. 16, n. 1, p. 127–144, 2022. DOI: 10.48075/rt.v16i1.28530. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/28530. Acesso em: 14 ago. 2022.

Edição

Seção

ARTE E COMUNICAÇÃO