Relação fala e escrita no processo de alfabetização

registros gráficos do “r” fraco e do “r” forte em produções escritas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v17i1.30567

Palavras-chave:

Fala, Escrita, Registros gráficos dos Róticos

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar, a partir da aplicação de um ditado, dados de ocorrências de desvios relacionados à representação gráfica do “R” forte (fricativa velar, glotal ou vibrante alveolar múltipla) e do “r” fraco (tepe) em produções escritas de alunos de duas turmas do 2º Ano do Ensino Fundamental de instituições públicas de ensino. Teoricamente, esta pesquisa está inserida no campo da Linguística Aplicada e, metodologicamente, direcionada ao estudo pelo paradigma qualitativo com abordagem interpretativista, e o método de investigação utilizado é a pesquisa-ação, posto que as pesquisadoras estão inseridas no contexto analisado. A investigação realizou-se por meio da elaboração e aplicação de uma Unidade Didática de cunho diagnóstico, cujos resultados demonstram a sobressalência de realização do “r” fraco em contextos mediais intervocálicos em que se esperava o emprego do “R” forte, evidenciando a influência da oralidade na escrita, uma vez que identificamos na fala dos participantes essa realização, como resultado das línguas de imigração de origem europeia, principalmente, germânica, presente na comunidade. Os desvios motivados pela interferência do dialeto do aprendiz podem ser tomados como elementos que condicionam o nível de reflexão fonético-fonológica da língua e do conhecimento da ortografia. Diante dos dados coletados, observa-se a importância de os professores aprofundarem seus conhecimentos acerca do nível fonético-fonológico da língua para que possam compreender a natureza dos desvios apresentados pelos alunos e conduzi-los à compreensão do funcionamento da língua e do sistema de escrita alfabética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Caroline Montrezol Diniz, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste

Mestra em Letras pelo Programa de Pós-graduação em Letras (PPGL) da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, campus de Cascavel -PR, na área de concentração Linguagem e Sociedade e na linha de pesquisa: Estudos da Linguagem ? Descrição dos Fenômenos Linguísticos, Culturais, Discursivos e de Diversidade. Graduada em Letras Português-Inglês e suas respectivas literaturas pelo Centro Universitário FAG; Pós-graduada em Língua Inglesa: Estudos Linguísticos, Literários e Culturais pelo Centro Universitário FAG e em Gestão Escolar, pela Faculdade São Braz. Pesquisadora na área da Linguística Aplicada, da Sociolinguística e da Fonética e da Fonologia com ênfase na alfabetização. Professora efetiva da Rede Municipal de Ensino de Santa Helena ? PR e professora da rede particular com foco no ensino de Língua Portuguesa e Produção Textual (Redação).

Sanimar Busse, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - Unioeste

Graduação em Letras Português/Inglês, pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (1997). Mestrado em Letras - Linguagem e Sociedade, pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2004). Doutorado em Estudos da Linguagem, pela Universidade Estadual de Londrina/UEL. Professor efetivo (dedicação integral) da Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste. Atividades de Ensino, Pesquisa e Extensão na área de Letras, com ênfase em Fonética, Fonologia, Morfologia, História e Formação da Língua Portuguesa, no curso de Graduação em Letras e no Programa de Pós-Graduação - Mestrado e Doutorado em Letras. Professora e orientadora de professores da rede estadual de ensino, do Programa de Desenvolvimento de Educação - PDE/PR. Coordenação do Subprojeto de Língua Portuguesa, da Universidade Estadual do Oeste do Paraná/Unioeste, campus de Cascavel. (Edital nº 61/2013 - PIBID/CAPES). Docente do Programa de Pós-Graduação - Mestrado e Doutorado em Letras (Resolução 277/2011-CEPE). Professora do Programa de Pós-Graduação Mestrado Profissional em Letras/PROFLETRAS.

Referências

BORTONI-RICARDO, S. M. Educação em língua materna: a Sociolinguística na sala de aula. 4. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

BORTONI-RICARDO, S. M. O professor pesquisador: introdução à pesquisa qualitativa. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

BOTASSINI, J. O. M. A variação no uso dos róticos em Porto Alegre. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 40 n. 2, p. 1060-1072, 2011.

CAGLIARI, L. C. Alfabetização e Linguística. 11. ed. São Paulo: Scipione, 2009.

CALLOU, D.; LEITE, Y. Iniciação à fonética e à fonologia. 4. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1995.

CÂMARA JR., J. M. Estrutura da língua portuguesa. 23. ed. Petrópolis: Vozes, 1995.

ENGEL, G. I. Pesquisa-ação. Educar em Revista, Curitiba, v. 16, n. 16, p. 181-191, 2000.

FARACO, C. A. Norma culta brasileira: desatando alguns nós. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

FARACO, C. A. Linguagem escrita e alfabetização. São Paulo: Contexto, 2019.

LEMLE, M. Guia teórico do alfabetizador. 17. ed. São Paulo: Ática, 2009.

MARGOTTI, F. W. Difusão sócio-greográfica do português em contato com o italiano no sul do Brasil. 2004. 332f. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

MATZENAUER, C.; COSTA, T. Aquisição fonológica em língua materna: os segmentos. In: FREITAS, M. J.; SANTOS, A. L. (Eds.). Aquisição de língua materna e não materna: Questões gerais e dados do português (Textbooks in Language Sciences 3). Berlin: Language Science Press, 2017. p. 51-69.

MIRANDA, A. R. M. A aquisição do ‘r’: uma contribuição à discussão sobre seu status fonológico. 1996. 125f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1996.

MIRANDA, A. R. M. Aspectos da escrita espontânea e da sua relação com o conhecimento fonológico. In: 7º ENAL - Encontro Nacional Sobre Aquisição da Linguagem: Simpósio: Revisitando aspectos da aquisição da escrita: considerações linguísticas. Rio Grande do Sul: PUCRS, 2006.

MOITA LOPES, L. P. da. Oficina de Lingüística Aplicada: a natureza social e educacional dos processos de ensino/aprendizagem de línguas. Campinas: Mercado de Letras, 1996.

MOITA LOPES, L. P. da. Uma linguística aplicada mestiça e ideológica: interrogando o campo como linguista aplicado. In: MOITA LOPES, L. P. da. Por uma linguística indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006. p. 13-44.

OLIVEIRA, M. A de. Conhecimento lingüístico e apropriação do sistema de escrita: caderno do formador. Belo Horizonte: Ceale/FaE/UFMG, 2005.

PRIORI, A. et al. História do Paraná: séculos XIX e XX. Maringá: Eduem, 2012.

RIGATTI-SCHERER, A. P. O papel das variáveis linguísticas na realização do rótico em falantes de regiões de imigração alemã. EntreVer, Florianópolis, v. 3, n. 5, p. 170-182, 2013.

SEARA, I. C.; NUNES, V. G; LAZZAROTTO-VOLCÃO, C. Fonética e fonologia do português brasileiro: 2º período / Izabel Christine Seara, Vanessa Gonzaga Nunes, Cristiane Lazzarotto-Volcão – Florianópolis: LLV/CCE/UFSC, 2011.

SILVA, T. C. Fonética e fonologia do português: roteiro de estudos e guia de exercícios. 8. ed. São Paulo: Contexto, 2005.

SOARES, M. Alfaletrar: toda criança pode aprender a ler e a escrever. São Paulo: Contexto, 2020.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-446, 2005.

TRIVINÕS, A. N. S. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

Downloads

Publicado

28-04-2023

Como Citar

DINIZ, A. C. M.; BUSSE, S. Relação fala e escrita no processo de alfabetização: registros gráficos do “r” fraco e do “r” forte em produções escritas. Travessias, Cascavel, v. 17, n. 1, p. e30567, 2023. DOI: 10.48075/rt.v17i1.30567. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/30567. Acesso em: 21 maio. 2024.

Edição

Seção

[DT] 20 ANOS DE PESQUISA E FORMAÇÃO: PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS – PPGL