ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NOTIFICADOS EM UM HOSPITAL ESCOLA

Autores

  • Heverton Souza Beraldo Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Drieli Wawzeniak de Anchieta Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Fabiana Severino Kupka Hospital Universitário do Oeste do Paraná
  • Maristela Salete Maraschin Universidade Estadual do Oeste do Paraná
  • Débora Cristina Ignácio Alves Universidade Estadual do Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.48075/vscs.v3i2.17691

Palavras-chave:

Animais Peçonhentos, Vigilância Epidemiológica, Sistema de Informação de Agravos de Notificação

Resumo


 

Objetivo: Conhecer os aspectos epidemiológicos relacionados aos acidentes com animais peçonhentos, notificados junto ao Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) pelo Núcleo de Vigilância Epidemiológica Hospitalar (NVEH) de um hospital escola localizado na região oeste do Paraná. Métodos: Estudo retrospectivo, descritivo com análise quantitativa. A coleta de dadosfoi realizada a partir do SINAN de todos os casos notificados no período de janeiro a dezembro de 2016, em um Hospital escola localizado na região oeste do Paraná. Resultados: No período pesquisado foram notificados 69 acidentes, destes 37 (53,6%) causados por serpentes, 25 (36,2%) por aranhas, quatro (5,7%) por lagartas, um (1,4%) por abelhas e dois (2,8s%) por outros animais. Quanto as vítimas, prevaleceram indivíduos do sexo masculino, 45(65%), na faixa etária de 21 a 40 anos (33%), sendo que 20(29%) exerciam atividades relacionadas a agricultura. Em 30 (43,4%) ocorrências, o início do tratamento ocorreu em até uma hora após a ocorrência do acidente, sendo que em 37 (53,6%) casos houve a necessidade de soro especifico. As regiões do corpo mais atingidas foram pé 25 (36,2%), perna 12 (17,3%) e 12(17,3%) casos na mão, tendo como manifestações predominantes dor e edema. Quanto a gravidade 46 (66,6%) dos casos foram considerados leves, 16 (23,1%) moderados e sete (10,1%) graves. Conclusão: É de grande importância a realização das notificações junto ao SINAN, assim como o preenchimento completo da ficha de notificação, objetivando o planejamento de ações preventivas, educativas e intervenções pertinentes.

 

Biografia do Autor

Heverton Souza Beraldo, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Enfermeiro, Residente de Enfermagem em Vigilância em Saúde e Controle de Infecções, Unioeste, Cascavel, Paraná

Drieli Wawzeniak de Anchieta, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Enfermeira, Residente de Enfermagem em Vigilância em Saúde e Controle de Infecções, Unioeste, Cascavel, Paraná

Fabiana Severino Kupka, Hospital Universitário do Oeste do Paraná

Enfermeira, Núcleo de Vigilância Epidemiológica Hospitalar, Hospital Universitário do Oeste do Paraná

Maristela Salete Maraschin, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Enfermeira, Mestre, Docente de Enfermagem, Unioeste, Cascavel, Paraná

Débora Cristina Ignácio Alves, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Enfermeira, Doutora, Docente de Enfermagem, Unioeste, Cascavel, Paraná

Downloads

Publicado

29-12-2017

Como Citar

BERALDO, H. S.; DE ANCHIETA, D. W.; KUPKA, F. S.; MARASCHIN, M. S.; ALVES, D. C. I. ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NOTIFICADOS EM UM HOSPITAL ESCOLA. Varia Scientia - Ciências da Saúde, [S. l.], v. 3, n. 2, p. 194–200, 2017. DOI: 10.48075/vscs.v3i2.17691. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/variasaude/article/view/17691. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

II SIMPÓSIO DA QUALIDADE EM SAÚDE E VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA