TAXA DE CÂMBIO E PREÇOS DE EXPORTAÇÃO DA CARNE DE FRANGO EM SANTA CATARINA

Eliane Pinheiro de Sousa, Airton Lopes Amorim, Daniel Arruda Coronel

Resumo

Dada a importância do setor avícola de Santa Catarina na geração de receita em moeda estrangeira e que a taxa de câmbio influencia o desempenho das vendas externas de carne frango catarinense e o preço externo pelo qual este produto é comercializado, este artigo analisa os efeitos das variações na taxa de câmbio real sobre os preços de exportação da carne de frango catarinense entre janeiro de 1989 a janeiro de 2013. A metodologia utilizada contempla os testes de raiz unitária, de causalidade de Granger, cointegração de Johansen, decomposição da variância dos erros de previsão, estimação da função impulso-resposta, teste de exogeneidade e modelo de correção de erros. O estudo foi realizado tanto para esse período completo quanto para dois subperíodos, sendo que o primeiro vigora a taxa de câmbio real fixa e o segundo predomina a taxa de câmbio flutuante. Os resultados demonstram que há relacionamento de longo prazo entre as variáveis quando se analisa o período completo, indicando que variações na taxa de câmbio real são repassadas para os preços de exportação da carne de frango. Entretanto, esse resultado não é verificado em cada subperíodo analisado. Com base na decomposição da variância dos erros de previsão, a taxa de câmbio passa a explicar uma maior participação da variância dos erros de previsão dos preços de exportação da carne de frango quando vigora o regime de câmbio flutuante. Ademais, os desequilíbrios transitórios são corrigidos lentamente mesmo diante do regime de câmbio flutuante.

Palavras-chave

regime cambial fixo e flutuante, setor avícola catarinense, séries temporais

Texto completo:

PDF