INTERFACES DA ALIMENTAÇÃO NO SISTEMA PRISIONAL: O CASO DE UM CENTRO DE DETENÇÃO E RESSOCIALIZAÇÃO DO PARANÁ

Marina Daros Massarollo, Flávia Andriza Bedin Tognon, Danieli Regina Piotroski Bressan, Franciele Aní Caovilla Follador, Ana Paula Vieira

Resumo


Segurança alimentar e nutricional é definida como a garantia a todos os cidadãos ao acesso contínuo e permanente a alimentos básicos de qualidade e em quantidade suficiente e em condições higiênico-sanitárias adequadas. O objetivo deste trabalho foi avaliar as condições higiênico-sanitárias através da avaliação microbiológica e os aspectos nutricionais da alimentação servida no Centro de Detenção e Ressocialização do Paraná, tendo em vista as especificidades do Programa de Alimentação do Trabalhador – PAT. Na avaliação microbiológica não houve detecção de Coliformes totais e termotolerantes e Salmonela. Quanto aos valores de referência, as refeições não atenderam a legislação no período avaliado. O cardápio oferecido atende parcialmente as orientações do PAT, pois não contempla a quantidade mínima de frutas e legumes ou verduras nas refeições. Em relação à avaliação nutricional sugere-se que as marmitas sejam padronizadas quanto ao peso e qualidade nutricional

Palavras-chave


segurança alimentar, necessidades nutricionais, políticas públicas

Texto completo:

PDF


Direitos autorais



Revista Faz Ciência


ISSN 1677-0439 (versão impressa) – ISSN 1983-148X (versão eletrônica)

Unioeste - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Campus de Francisco Beltrão

Rua Maringá, 1200 - Bairro Vila Nova

Francisco Beltrão – Paraná - CEP: 85605-010

revista.fazciencia@unioeste.br |