A fronteira abissal no Oeste do Pará: Conflitos geoepistêmicos frente à implantação de grandes projetos espaciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/amb.v3i1.27318

Palavras-chave:

Fronteira abissal, Conflitos geoepistêmicos, Grandes projetos espaciais, Oeste do Pará, Amazônia.

Resumo


A Amazônia enquanto “fronteira” pode ser entendida através da expansão geográfica do capital materi­alizada na implantação de grandes projetos espaciais como portos, usinas hidrelétricas, estradas e as grandes extensões de terra vinculadas ao agronegócio. Contudo, diversas gentes resistem e existem ape­sar e mesmo contra tais projetos, seja pela manutenção de seu território, seja pela manutenção da própria vida: ribeirinhos, “indígenas”, quilombolas, trabalhadores rurais etc. Nossa mirada é sobre as lógicas es­paciais em tensão entre esses dois desiguais grupos, o que implica dizer que, além de serem conflitos de territorialidades e ambientais, também são conflitos geoepistêmicos. Na primeira seção refletimos sobre a “fronteira do capital” e apresentamos a abordagem de uma “fronteira abissal” para dar conta de tais lógicas espaciais em tensão. Após, contextualizamos o oeste do Pará, mais precisamente a região que tem Santarém como cidade principal, no que se refere à implantação dos grandes projetos espaciais, des­tacando o caso do “Porto do Maicá” e seu possível avanço sobre territorialidades ribeirinhas e quilombo­las. A seguir, nos aprofundamos no caso da autodemarcação da Terra Indígena Munduruku no Planalto Santareno, e em como tal território é ameaçado pela expansão do agronegócio. Relacionamos, na seção seguinte, os conflitos geoepistêmicos a partir do contexto da contemporânea encruzilhada civilizatória com a necessidade de compreensão do sentido de autonomia que diversos povos trazem para enfrentar a fronteira abissal. Por fim, arrematamos defendendo a importância da ideia de fronteira abissal na aná­lise dos conflitos geoepistêmicos presentes no oeste do Pará em particular e, talvez, na Amazônia em geral.

Biografia do Autor

Rafael Zilio, Universidade Federal do Oeste do Pará

Professor do curso de Geografia e coordenador do Núcleo de Pesquisas sobre Espaço, Política e Emancipação Social (NEPES), Universidade Federal do Oeste do Pará.

Referências

BARTHOLL, Timo. Por uma Geografia em movimento: A ciência como ferramenta de luta. Rio de Janeiro: Consequência, 2018.

BECKER, Bertha; MIRANDA, Mariana; MACHADO, Lia Osório. Fronteira Amazônica: Questões sobre a gestão do território. Brasília/Rio de Janeiro: Editora UNB/Editora UFRJ, 1990.

BRINGEL, Fabiano de Oliveira. Fronteira capitalista, campesinato e trabalho – apontamentos na Amazônia. Revista Terceira Margem Amazônia, v. 1, nº 2., pp. 107-117, 2012.

BRINGEL, Fabiano de Oliveira; GONÇALVES, Claudio Ubiratan. Fronteiras agrárias e processos de territorialização do campesinato na Amazônia – uma análise compara¬tiva de projetos de assentamento no sudeste e sudoeste do Pará. Sociedade e Território, v. 27, pp. 270-288, 2015.

CASTORIADIS, Cornelius. A instituição imaginária da sociedade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982 (1975).

CASTORIADIS, Cornelius. Poder, política, autonomia. In: As encruzilhadas do labirinto III – O mundo fragmentado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992 (1990).

CASTORIADIS, Cornelius. A democracia como procedimento e como regime. In: As encru¬zilhadas do labirinto IV – A ascensão da insignificância. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002 (1996).

CASTORIADIS, Cornelius. Que democracia? In: As encruzilhadas do labirinto VI – Figuras do pensável. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005 (1999).

CASTRO, Maria da Conceição Araújo. Mobilização do trabalho na Amazônia: O Oeste do Pará entre grilos, latifúndios, cobiças e tensões. Tese (Doutorado em Geografia Humana). São Paulo: Programa de Pós-Graduação em Geografia Humana – USP, 2008.

CORTES, Julia Correa. Novas abordagens para áreas de fronteira agrícola na Amazônia: recente dinâmica demográfica em Santarém, PA. In: XVIII Encontro Nacional de Estudos Populacionais ABEP. Águas de Lindóia: ABEP, 2012.

CORTES, Julia Correa; D’ANTONA, Álvaro de Oliveira. Fronteira agrícola na Amazônia con¬temporânea: repensando o paradigma a partir da mobilidade da população de Santarém-PA. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, v. 11, nº 2, pp. 415-430, 2016.

ESCOBAR, Arturo. Sentipensar con la Tierra: Nuevas Lecturas sobre Desarrollo, Territorio y Diferencia. Medellín: Ediciones UNAULA, 2014.

ESTEVA, Gustavo. Caminos de autonomía bajo la tormenta. In: MAKARAN, Gaya; LÓPEZ, Pabel; WAHREN, Juan (orgs.). Vuelta a la Autonomía: Debates y experiencias para la emancipación social desde América Latina. p. 21-46.

GOETTERT, Jones Dari. Paradoxos do lugar mundo: brasileiros e identidades. In: SPOSITO, Elisei Savério; BOMTEMPO; Denise Cristina; SOUSA, Adriano Amaro de (orgs.). Geografia e migração: Movimentos, territórios e territorialidades. São Paulo: Ex¬pressão Popular, 2010.

MACEDO, Fernando Cezar de; GOMES JÚNIOR, Evaldo. Padrão de reprodução do capital, território e infraestrutura de transportes: Os casos de Santarém (PA) e Itaituba (PA). Boletim Goiano de Geografia, v. 39, pp. 1-18, 2019.

MAMANI, Pablo. Geopolíticas Indígenas. El Alto: Cades, 2005.

MARTINS, José de Souza. Fronteira: a degradação do outro nos confins do humano. 2ª edição revista e atualizada. São Paulo: Contexto, 2009.

MIGNOLO, Walter. Espacios geográficos y localizaciones epistemológicas: La ratio entre la localización geográfica y la subalternización de conocimientos. Geographia. v. 7, nº 13, pp. 7-28, 2005.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. A globalização da natureza e a natureza da globalização. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Entre América e Abya Yala – Tensões de territorialidades. Desenvolvimento e meio ambiente, nº 20, pp. 25-30, 2009.

PORTO-GONÇALVES, Carlos Walter. Amazônia: Encruzilhada civilizatória. Tensões territo¬riais em curso. Rio de Janeiro: Consequência, 2017.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder y clasificación social. Journal of World-Systems Research, v. 11, nº 2, pp. 342-386, 2000.

QUIJANO, Aníbal; WALLERSTEIN, Immanuel. Americanity as a concept or the Americas in the modern world-system. International Social Science Journal, nº 134, pp. 549-557, 1992.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: Das linhas globais a uma ecologia de saberes. In: SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edições Almedina, pp. 23-72, 2009.

SILVA, Larissa de Sousa. A luta pelo território Munduruku: Emergência étnica e territorialidades (re)construídas na aldeia Açaizal – Santarém/PA. (Trabalho de Conclusão de Curso de Licenciatura em Geografia). Santarém: Universidade Federal do Oeste do Pará, 2021.

SOUZA, Marcelo Lopes de. A prisão e a ágora: Reflexões em torno da democratização do planejamento e da gestão das cidades. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Com o Estado, apesar do Estado, contra o Estado: Os movi-mentos urbanos e suas práticas espaciais, entre a luta institucional e a ação direta. Cidades, v. 7, pp. 13-47, 2010.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Lessons from praxis: Autonomy and spatiality in contemporary Latin American social movements. Antipode, v. 48, pp. 1292-1316, 2016.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Por uma Geografia libertária. Rio de Janeiro: Consequência, 2017.

SOUZA, Marcelo Lopes de. Ambientes e territórios: Uma introdução à Ecologia Política. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2019.

ZIBECHI, Raúl. Dispersar el poder: Los movimientos como poderes anti-estatales. Buenos Aires: Tinta Limón, 2006.

ZIBECHI, Raúl. Autonomías y Emancipaciones: América Latina en movimiento. Lima: Universidad Mayor de San Marcos, 2007.

Downloads

Publicado

29-06-2021

Como Citar

ZILIO, R. A fronteira abissal no Oeste do Pará: Conflitos geoepistêmicos frente à implantação de grandes projetos espaciais. AMBIENTES: Revista de Geografia e Ecologia Política, [S. l.], v. 3, n. 1, p. 83, 2021. DOI: 10.48075/amb.v3i1.27318. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/ambientes/article/view/27318. Acesso em: 9 dez. 2021.