A Fenomenologia Antropológica de Binswanger

Autores

  • Ana Maria Lopez Calvo de Feijoo

DOI:

https://doi.org/10.6394/aoristo.v1i1.16523

Resumo


Neste estudo procedemos a uma revisão narrativa da literatura, de modo a mostrar as diferentes etapas da psiquiatria tal como desenvolvida por Ludwig Binswanger, ao mesmo tempo realizamos uma análise crítica dessas etapas.  Discorremos sobre os motivos do afastamento desse estudioso das bases biológicas que sustentavam a psiquiatria da época, em direção a uma perspectiva psicanalítica. Nessa etapa, Binswanger defende as bases psíquicas das enfermidades mentais, das quais em breve tempo também se afasta por avaliar que na psicanálise, também, havia uma redução ao psíquico. Esse estudioso passa, imediatamente, para os estudos das bases fenomenológicas com seu mestre Edmund Husserl, acreditando que nessa perspectiva ficaria livre de qualquer redução. Em um breve intervalo de tempo, esse estudioso da psiquiatria passou a estudar a analítica do Dasein com Martin Heidegger, assumindo a Daseinsanalyse nas bases de seus estudos. No entanto, com a crítica de Heidegger à daseinsanálise de Binswanger, este acabou por denominar o seu projeto de psiquiatria como fenomenologia antropológica, interessando-se pelas vivências do espaço e do tempo daqueles que apresentavam enfermidades psíquicas.

Downloads

Publicado

01-01-2000

Como Citar

DE FEIJOO, A. M. L. C. A Fenomenologia Antropológica de Binswanger. Aoristo - International Journal of Phenomenology, Hermeneutics and Metaphysics, [S. l.], v. 1, n. 1, p. 124–141, 2000. DOI: 10.6394/aoristo.v1i1.16523. Disponível em: https://e-revista.unioeste.br/index.php/aoristo/article/view/16523. Acesso em: 9 dez. 2021.